Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30          
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 10, 2020

Um pacto pela escuta por Mariana Oliveira

Um pacto pela escuta

MARIANA OLIVEIRA

Não é de hoje que Marcelo Silveira nos convida ao diálogo, a conversa, a troca. É assim com quem chega aos seus ateliês, no Recife ou em Gravatá. Haverá uma mesa, um café, talvez um bolo, e muita charla. Foi assim na Residência Belo Jardim, quando o artista realizou encontros semanais com pessoas da cidade em torno da mesa, onde a conversa corria solta. É assim também com quem entra em uma exposição sua. Seja ela qual for, o diálogo franco está sempre aberto. Esse convite constante de Marcelo, um gesto que marca toda sua trajetória e sua poética, ganha força e novo corpo no momento em que vivemos um distanciamento social em meio a uma pandemia.

Afastados fisicamente, nos mantemos hiperconectados na crença que assim estamos em diálogo. Mas, na verdade, estamos construindo monólogos. Muito antes das mudanças impostas por este 2020, já estávamos surdos para os outros. Numa eterna polarização, vivendo em bolhas, falando sem escutar.

É o oposto disso o que nos propõe Marcelo Silveira. Seu desejo é fazer pactos, criar situações, ambientes em que se fale, mas onde também se escute. No mundo do distanciamento (hoje físico, mas onde sempre se perpetuou uma distância que não nos permite a empatia, o olhar e a escuta do outro), temos junções, aglomerações de obras que conversam.

Em 2016, na primeira composição, de Compacto Com Pacto, Marcelo pôs suas obras para dialogar com trabalhos de outros artistas, mostrando a riqueza dessa união. Depois, em 2019, quando levou a mostra para o interior, passando por Triunfo e Floresta, no Sertão pernambucano, propôs pactos e diálogos com as tradições culturais da cidade, com artistas locais, com as referências gastronômicas do lugar, num retorno à mesa, lugar tão caro a ele. Desta vez, em 2020, o diálogo, o convite a conversa, segue sendo o seu gesto poético.

É compactando e aglomerando obras que o artista construiu a grande escultura que ocupa a antessala da galeria Amparo 60 com Compacto Com Pacto. A conversa entre elas é tão fluida, leve, volátil. Mostrando sempre mais dúvidas que certezas, mostrando que os caminhos são vários, as complexidades são imensas e que é na troca que nos tornamos gigantes. Nas paredes os experimentos do artista em papel nos indicam que não há caminho perfeito, não há discurso único, juntos, compactos, temos sempre mais a dizer, a pensar, a refletir. Ao ocupar a pequena antessala da galeria aglomerando suas obras, o artista também instiga o diálogo com o espaço, uma espécie de vitrine ocupada por ele, uma instalação. A marca desse tanto de conversa e de pactos estabelecidos por Marcelo se materializa no cartaz da mostra, que traz documentado a trajetória da pesquisa Compacto Com Pacto, num processo serigráfico que foi, a cada edição, ganhando novos traços, gerando novas conversas e pactos.

E esse convite ao diálogo certamente não se encerrará aí, está no âmago dos trabalhos de Marcelo Silveira. O próprio processo criativo do artista indica essa ideia de uma constante troca, reposicionamento. Seus trabalhos surgem, quase sempre, de uma apropriação de objetos, de materiais, que são recolocados, reposicionados, reutilizados em novos contextos e espaços, nos mostrando a necessidade de se lançar nesse movimento, nessa charla, recriando pactos, reprocessando ideais e certezas. Num momento de tanta surdez, é fundamental escutar Marcelo, escutar a arte.

Posted by Patricia Canetti at 1:46 PM