Página inicial

Arte em Circulação

 


fevereiro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 12, 2020

Parada II: tudo aqui é forte, apesar de frágil por Shannon Botelho

Parada II: tudo aqui é forte, apesar de frágil

SHANNON BOTELHO

Quem nasceu no século XXI provavelmente não saberá o sentido atribuído a ‘parada’ nesta exposição. Até o final dos nos 90, ainda era comum que as escolas ordenassem estes desfiles em dias festivos, mas com o tempo a prática tornou-se escassa, restando a tarefa somente aos quarteis militares cuja pompa precisa ser reificada anualmente. Dentre os mais jovens, ou mesmo entre os que nunca participaram de um desfile, o termo pode ainda conotar um simples feito, algo prosaico, algo que se possa dizer, uma ‘parada’. Mas aqui, não tratamos a palavra com esta conotação, antes aludimos mesmo ao desfile cívico-militar, exemplarmente perfilado, rígido, disciplinado e musical. Entretanto, nascem da diferença entre o fluxo contínuo do desfile e a dormência do casulo, o resultado da metamorfose: soldados alados que flutuam no espaço, diante de nossos olhos, num mister de beleza e agressividade, compondo um sólido no espaço - transitando entre um trabalho de natureza instalativa e um exercício no campo ampliado da pintura.

Em Parada II, Fábio Carvalho retoma uma série de trabalhos de motivos semelhantes, em que os soldados recebem asas de borboletas monarcas – curiosa espécie tóxica que migra milhares de quilômetros anualmente e cuja beleza é copiada por outras espécies não tóxicas. Neste lugar, um ar severo se impõe versando sobre ordem, padrão, repetição, indistinção. Contudo, é no avesso da imagem que se forma o que desejamos mergulhar, pois, é na inadmissão das diferenças que estas se sobressaem e firmam-se pujantes sobre o ordenamento e a austeridade. Toda estrutura rígida se parte. Toda estrutura flexível, perdura.

Atual tempo tão sombrio, onde a adesão voluntária à bestialidade marca compasso, Parada II nos lembra que no entremeio das estruturas rígidas restam-nos respiros de luz. Estes, quando percebidos transformam-se em centro focal, em rota de fuga ou lugar de descanso. Em um terreno em que as existências não sejam coibidas com quaisquer formas de ‘cura’, reprogramações, doutrinações ou apagamentos. Lugares onde sejam garantidas a possibilidade de ser e existir, apesar das diferenças e padrões que cerceiam os frágeis livres-arbítrios individuais.

Aqui sobeja a firmeza, incluindo a delicadeza dos materiais. Eles não mentem, por isso são fortes. São centenas de impressões dispostas em fileiras, realizadas uma a uma pelo artista em papel de seda. A poesia que se espraia no espaço deste Memorial, vem como um desfile – musical, devoto e ordenado. Conta uma vez mais, sobre as possibilidades que emanam da multiplicidade, da festa e sobretudo, da pluralidade tão necessárias num mundo tão desigual, contudo atarracado numa lógica de mercado que impõe preços distintos e limites comuns aos diferentes.

Curioso, por fim, perceber que desta vez, Parada II se instala num Memorial dedicado a uma controversa figura pública brasileira cujos méritos ainda são questionados ou reificados. Num lugar de ordem e silêncio, geometricamente calculado para receber uma expografia permanente, o trabalho de Fábio Carvalho nos lembra que a cor é um meio perene de acessar a musicalidade do mundo. As cores tremulantes no recinto nos convidam para uma aproximação – mas também impõem um limite ao adentrar seu espaço. Diante de nós está posta uma elegia a tudo o que é plural. Uma multidão de alguns na contramão do tempo, com humor, simbolicamente heroicos. Tudo aqui é forte, apesar de frágil.

Shannon Botelho
2020

Posted by Patricia Canetti at 1:58 PM