Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 16, 2019

Frantz – Também e ainda pintura por Francisco Dalcol

Frantz – Também e ainda pintura

FRANCISCO DALCOL

A verdade é tão estranha quanto desafiadora: Frantz é um pintor que não pinta. Ou, ao menos, que não pinta mais, se entendermos o pintar como o gesto que plasma no encontro da tinta com a tela o acontecimento que faz pintura.

Se não pinta mais, é porque antes Frantz já pintou. Isso foi no começo dos anos 1980, quando o jovem artista despontou, logo se projetando no circuito artístico local e mesmo nacional, naquele momento histórico em que a pintura, frente à sua longeva tradição e suas sucessivas mortes decretadas, era reabilitada por um renovado interesse pela pesquisa de seus meios e linguagem. Mesmo assim, quando Frantz ainda pintava, sua pintura já era pautada pela insubordinação e subversão aos padrões, orientando-se pelo questionamento às convicções em torno do que, afinal, seria a pintura.

Nessa investigação que o levou às regiões limítrofes da compreensão sobre a pintura, Frantz deslocou o acontecimento plástico, visual e pictórico para o campo da operação conceitual. Passou, assim, a privilegiar menos a feitura pessoal e individual do fazer-pintura para, em lugar, priorizar mais os processos e procedimentos que se valem dos códigos da pintura, de modo a confrontá-los às convenções que conformam o entendimento a respeito da cultura pictórica.

Nos desdobramentos vindouros dessa investigação inquiridora e problematizadora, suas experimentações e reflexões resultaram em desdobramentos diversos, que em comum expandem nossa compreensão não só do fazer-pintura, mas também de valores e premissas como criação, individualidade, autoria, intencionalidade e originalidade. Assim, na produção de Frantz, a pintura passou a ser questão de escolha, apropriação e edição. Ou de encontro, pensamento e decisão. Mas, contudo, sendo também e ainda pintura.

Daí, portanto, o título desta exposição de Frantz, cuja última individual no MARGS ocorrera no começo dos anos 1990. Abrindo mão de qualquer caráter retrospectivo, esta individual de agora se organiza em três eixos, cada qual em uma sala, de modo a explorar a complexa temporalidade que marca a produção de Frantz nas últimas quatro décadas. Não se trata, portanto, de uma abordagem cronológica em que etapas se sucedem evolutivamente. Até porque, em sua trajetória, os momentos e as fases se sobrepõem, vão e voltam, como um turbilhão no qual coabitam processos e procedimentos desenvolvidos em tempos diversos e que, no decorrer, complementam-se e desdobram-se.

O primeiro eixo, na Sala João Fahrion, reúne um conjunto de pinturas em grande escala, de diferentes épocas, algumas delas ainda inéditas. Aqui, são privilegiados os trabalhos originados a partir dos pisos e das paredes de ateliês de artistas forrados por Frantz com extensas lonas. Essas coberturas permanecem em cada lugar durante anos, recebendo resíduos de todo tipo que restam fora dos trabalhos alheios. Quando Frantz decide retirar os forros, os acúmulos de tinta e sujeira lhe surgem como indicações de um acaso que, a partir do seu processo de apropriação, enquadramento e montagem, permitem-lhe identificar e nomear as superfícies como pintura.

Dialogam com essas grandes pinturas-não-pintadas os diversos objetos apresentados na sala, que consistem em resíduos de tinta acrílica acumulados em potes e bacias que funcionam como formas e moldes. Espécie de alegoria a partir da matéria primeira da pintura, esses trabalhos enfatizam a abordagem conceitual com a qual Frantz desloca o campo pictórico para o plano objetual. Ao fim, tanto as pinturas quanto os objetos levam em comum à indagar sobre a materialidade e a presença da pintura, por meio da insinuação de um jogo entre falso e verdadeiro, ausência e presença, original e apropriação.

O segundo eixo da exposição revisita um episódio do passado em que a história do artista e a história do MARGS se interseccionam. Em 1982, Frantz apresentou no museu a exposição “Pichações”. Nela, mostrava suas pinturas baseadas nas intervenções escritas que encontrava nos muros, muitas delas de caráter político e subversivo, e que depois o levariam a outras obras, como a série pautada pela presença recorrente e expressiva do X, este símbolo dúbio, que ao mesmo tempo significa anulação e opção. Foi uma exposição audaciosa, e também provocativa, tanto pelo fato de um museu apresentar pichações legitimando-as como pintura, como por se tratar de um jovem artista, então com 19 anos.

Passadas quase quatro décadas, “Pichações” é agora remontada na Sala Pedro Weingärtner, procurando emular o significado e a experiência da exposição original ao reunir a quase totalidade dos trabalhos expostos em 1982, à maneira como foram apresentados. São obras que hoje se encontram em coleções particulares e acervos públicos, a exemplo do próprio MARGS. Complementam a experiência advinda dessa remontagem da exposição outras obras relacionadas à série “Pichações”, além de uma reunião de documentos históricos, procedentes do arquivo pessoal do artista e do Núcleo de Documentação e Pesquisa do museu.

Nesse sentido, Frantz – Também e ainda pintura consiste no ato inaugural de um ciclo expositivo e curatorial desta gestão intitulado “História do MARGS como História das Exposições”, com o qual se pretende revisitar episódios da história do museu – e de artistas que nele expuseram – a partir de exposições emblemáticas do passado.

Por fim, no terceiro eixo, é apresentado na Sala Angelo Guido um trabalho inédito de Frantz. Trata-se de “Liquid paper”, que se vincula à sua mais recente frente de pesquisa e realização, baseada na manipulação de catálogos de exposição. O trabalho integra o projeto “Roubadas”, no qual Frantz intervém nos discursos visuais e textuais contidos nas publicações artísticas, adulterando e editando as imagens e os textos que encontra ao longo das páginas.

Mais do que o embaralhamento e o apagamento das autorias, essa operação de apropriar-e-intervir dá a ver sempre uma obra outra, embora ao mesmo tempo impossível de ser desvinculada por completo de seu referente anterior. Assim, “Liquid paper” nos aponta para uma nova operação conceitual de Frantz, e que resulta em mais um desdobramento visual a pautar sua extensa produção. Efeito também de procedimentos de apropriação e intervenção, “Liquid paper” nos mostra que a realidade é sempre uma construção a ser mediada, e a arte a operação que se ocupa de intervir nesse real construído.

No conjunto e no arranjo dos três eixos, esta exposição mobiliza procedimentos e operações da produção visual de Frantz que, a partir de embaralhamentos e deslocamentos, incidem sobre a reconfiguração do olhar. A intenção é intensificar uma pertinente discussão e reflexão sobre os limites da pintura. Pois na experiência advinda da obra deste pintor que um dia pintou e hoje não mais pinta, ao menos em termos convencionais, encontramos a chance de renovar e ampliar nosso entendimento e experiência sobre o fazer e o pensar em torno do campo expandido da pintura.

Francisco Dalcol
Diretor-curador do MARGS
Doutor em Teoria, Crítica e História da Arte

Posted by Patricia Canetti at 9:27 AM