Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 27, 2019

Oxum por Bernardo Mosqueira e Bruno Balthazar

Oxum

De longe percebemos o chão vibrar com sua dança.
De longe ouvimos o som de seu cantar.
De longe vislumbramos o brilho de sua existência.
De longe sentimos o perfume de seu corpo úmido.

Dobrem-se! Dobrem-se, pois ela está se aproximando. Eis a Rainha da bondade. Que as palavras para lhe saudar venham depressa às nossas bocas: Ore yeye ô!

Ela é a nascente, a poça d’água, o riacho, o ribeirão, a cachoeira, a pororoca e a foz. Amorosa é a chuva boa. Pepita, é o ouro no seixo. Ela é o espelho d’água e a profundeza. É a água cristalina e também a água barrenta. Lagoa calma, correnteza e tromba d’água. Ela é a senhora do mundo dos encantados, mãe dos espíritos do rio. Conhece as formas e segredos de todas as dimensões.

Ela é Dona da coroa dos raios do sol. Com seu leque, ela se abana graciosamente e espalha graças. Ela balança as pulseiras como uma canção, e elas soam como as águas rápidas. A ri ide gbé o. Omi ro a wàrá-wàrá omi ro. E esse tilintar nos revigora! Xinguinxi! Xinguinxi! Xinguinxi! Ela é o amor que é alegria, que é cura, que é liberdade. Ela é a rainha que me deu um amor ainda jovem e guardou o melhor para a hora certa. Ela é o sublime vivo que se faz próximo, a bondade sem fim, a sedução inteligente, a beleza esperta. Rainha soberana de Osogbo, pensando refletindo em seu espelho, ela é o amor próprio. De vitória certa como o rio que chega ao mar, sua felicidade é sua maior vingança.

Ela é a yabá que ganhou batalhas sem derramar sangue. Dançando, ela pega a coroa. Seu bailar de amor apazigua a guerra, cura a doença, salva seus filhos. Por ela, o vulcão acorda do seio da terra. Só ela apazigua o calor da terra. Ela cegou os inimigos mexendo o dissabor em suas panelas. Ela é a calma, a sabedoria e a estratégia. Ela é a mãe que desgosta quando o filho briga, que tira o filho da armadilha, que bate no chefe que tem a boca podre. Oxum faz os maiores respeitarem os menores e tira o medo do filho para que ele se torne importante. Oxum sabe esconder e vence os inimigos silenciosamente. Quando à mostra, finge não perceber que estão todos olhando.

Oxum é a única. Oxum são 5. São 16. É infinita. Herdeira da Sociedade Eleye, é filha das grandes mães feiticeiras, as Iyami-Ajé. Oxum Abalu é a mais velha. A elegante Oxum Ijumun é a mãe de todas. Oxum Aboto é filha do olho d'água, reina no encontro das águas doces e salgadas. Oxum Apará é a mais jovem e guerreira. Oxum Ajaguna corta o mal com sua espada antes que ele chegue a seus filhos. Yeye Oga. Yeye Petu. Yeye Kare que canta e banha com amor seu príncipe dourado. Yeye Oke. Yeye Onira. Yeye Oloko. Yeye Ponda. Yeye Merin. Yeye Oloke. Yeye Lokun. Yeye Odo. No número 8, Oxum é o infinito de pé, dançando sem pedir licença. A rainha do Ijexá é a gota mais pura, o perfume inesperado, a plenitude alegre, o urubu-caçador. Oxum é aquela que eu sempre soube ser minha mãe. Senhora dos Pássaros, nós somos suas penas. Senhora das águas, nós somos suas escamas. Senhora da vida, que eu possa ser banhado em sua doçura, me abrigando no calor de seu ventre. Senhora mensageira de Olofin, pomba livre, mãe que quero satisfeita, que eu possa estar sempre nos caminhos do amor.

Essência amorosa da vida, são seus o cobre e o ouro, o dendê e o mel. É a gema clara dos ovos e dos anéis. Iyami Eleyé, Oxum reina em mim todas as noites. Mãe que acompanha o filho durante a feitura, vigia os seus constantemente com olhos de coruja. Oxum que canta e nos faz dormir, pega nas minhas mãos enquanto durmo. A grande sábia conversa comigo nos sonhos. De manhã, acordo para dançar nas profundezas da sua riqueza. Oxum faz da vida do filho um constante milagre.

Dona do mistério, do oculto, do culto e da criação, são dela a imaginação e a criatividade. Senhora dos segredos e caminhos dos jogos de divinatórios, Oxum não adivinha, ela sabe. Conhecedora das substâncias e dos fluxos da vida e da natureza, é feiticeira imbatível. Ela tem um pátio interior onde vamos receber suas bênçãos. Oxum me abraçou uma vez e seu cheiro está em mim para sempre. Oxum é o Amor que me olha. Suave e forte, delicada e poderosa, pega pessoas e elefantes. Conhecedora do poder das palavras, ela ensina a falar com cuidado, para ter bom caminho e evitar o mal-entendido incontornável.

Dona da concepção pura e do prazer sem pecado. Ajuda as crianças a terem mães e as mães a terem crianças. Rege os ciclos femininos, os úteros, ovários, as cabaças das mulheres. Vive para sempre na criança que a imitou. Oxum é a gestação infinita. Ela que trouxe as crianças para o mundo em seu ventre, protege os infantes, abaixa as febres. Oxum toma conta do filho durante a distância da família. Oxum cuida da família diante da ausência do filho. Força de onde meus filhos virão, que meus filhos amarão, Oxum é a própria vida que se quer viva, é a reprodução e o fluxo em todo o ser vivo.

Quando sozinha, criou seu povo, o povo de santo, a partir da galinha da Angola. Yalodê, mãe da sociedade, só por ela geramos comunidades. Ela é o que sustenta a casa. A água que banha os povos. Ela é o igarapé, o caminho da canoa. Oxum conserta a cabeça ruim das pessoas, dá frescor e doçura ao caminho e ao pensamento. Oxum é a alegria de estar juntos, é o que nos mantém unidos em harmonia. Por ela sabemos que o Amor é o poder da cura.

Oxum é o rio que passa, que faz o mal passar e que nós passarinho! Agora que você teve a sorte de vislumbrar seu poder e sua beleza, saúde sempre a Senhora da bondade! É uma honra ser seu filho, poder portar o segredo da existência. Seus filhos entregam tudo em sua mão. Farei por Oxum o que não faço por ninguém. E assim posso permanecer no mundo sem temor. Ore yeye ô!

Bernardo Mosqueira e Bruno Balthazar, maio 2019

Alexandre Mazza - Somos sua luz, Luciana Caravello Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, RJ - 29/05/2019 a 29/06/2019

Posted by Patricia Canetti at 12:13 PM