Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 24, 2018

HNWI por Adolfo Montejo Navas

HNWI ou outra lei de fuga (811 palavras para uma grande maquete)

“Não há nada no mundo que seja tão invisível como um monumento.”
Robert Musil

A necessidade de atingir outra escala de entendimento perceptivo, no caso, outra visualidade mais pertinente de qualquer coisa, seja como distorção ou paráfrase imagética, ainda mais sendo uma mala de dinheiro, é uma tentação gestáltica e crítica de Patricio Farías de que uma forma consiga traduzir alguma aura diferente além da aura estética. Outra indagação linguística, especular. Ainda mais quando o jogo das proporções e dimensões faz parte do repertório do artista, de uma convocatória sensível – sensorium – que produz certo abismo sensorial, cognitivo... Pois aqui não se trata, apesar das aparências, de um salto ou decolagem – de uma aspiração aérea –, senão de um pouso, uma aterrissagem – de um fato físico e real – de um meteorito respeitado: uma mala que abriga a idolatria-rei, o dinheiro (e lembre-se aqui de passagem de outra obra do artista, uma grande esfera coberta inteiramente de moedas). Portanto, mais perto da simulação do bezerro de ouro que das tábuas da lei, se sintonizamos com aquela encruzilhada bíblica tão imagética.

O peso não só cromático da mala marrom clássica de viagem, e com alças para facilitar, é uma verdade visual pululante que engana em todos os sentidos. (Claes Oldenburg incluído, pois a distorção aqui agigantada é bem mais dessacralizadora, satírica, política em sua escala.) Não há como negar que o trabalho do artista é atual, quase jornalístico, mas sobretudo se inscreve nas obras-radiografias do Brasil contemporâneo – algumas delas já emblemáticas, como o vídeo com lavado infinito da bandeira ou as séries documentais de Novelas ou Desaparecidos. De fato, aquele país midiatizado combina com esta mala icônica, que ainda oferece tentações de sereia econômica.

Aliás, como complemento objetivo, e segundo informações recentes, o Brasil está no top dez de fuga de capitais, mais concretamente no sétimo lugar no ranking de fluxo de saída de fortunas, tendo 2017 como registro. Ou seja, 2.000 milionários brasileiros fizeram suas malas como emigrantes classe A (os chamados HNWI, high net world individuals, que é a sigla em inglês que se refere a quem tem mais de US$ 1 milhão). O relatório é da confiável agência New World Wealth, e parece que o Brasil, pelo terceiro ano consecutivo, atinge esta distinção. O destino sempre é mais secundário: Portugal, Estados Unidos e Espanha, assim como os motivos. Porque o importante é a dimensão simbólica que o gesto tem, a perspectiva que oferece, sobretudo em relação ao país, ao coletivo, ao bem comum como razão destronada, e pior, travestida no pior sentido, quando parte da classe social que utiliza a bandeira verde-amarela para algumas reclamações instrumentaliza o nacionalismo à sua conveniência, ainda que seja, grosseiramente, como simulacro, para tentar cobrir outras vergonhas mais graves, outros deslocamentos perversos.

Por isso a instalação HNWI, desta generosa escultura de quase 2 x 3 metros, ou maquete aparentemente desproporcional de Patricio Farías, joga com as desequivalências ocultas, subliminares, com as dimensões do conteúdo ao que alude, respirando sua pertinência como obra política, sendo porém uma peça metalinguística e metacultural que se desdobra em tamanho quase arquitetônico e metaforicamente, pois o dinheiro sempre é proporcional, geométrico em suas reverberações, mas sobretudo em sua leitura fisiológica ou espiritual. Na alusão a este impasse, também Arnaldo Jabor acertou na mosca, há tempos, quando vaticinou na volúpia da sonegação a sombra da “realpolitik da criminalidade global” quase como diversão.

Se a monumentalidade, historicamente, arrasta um signo comemorativo, e se vincula ao poder, hoje sabemos que a crise do domínio público afeta tudo, as imagens, sua fenomenologia, seus significados. E nada melhor e arriscado ao mesmo tempo que propor uma escultura alegórica, emblemática em sua representação, mas paródica em sua simbologia. Sobretudo quando a ironia visual acionada é só uma aproximação a um problema real, mais colossal que o quantum escolhido desta maquete como obra pública (em todos os sentidos). E que aqui se tenciona num espaço reduzido e de trânsito na Fundação Iberê Camargo, como se fosse uma aparição.

Patricio Farías exibe de novo uma obra que responde a um pathos histórico, infelizmente banalizado. Assina assim outra peça de época, outro sismograma do momento, um drama sem causa: a lei da fuga econômica, como a dos paraísos fiscais, pertence todavia a um limbo histórico, offshore. Nesta mala não só cabe muito dinheiro, saindo pelo ladrão (a linguagem mordendo a própria cauda!), como também sua escala além do natural permite intuir o espaço plausível para pessoas, entidades, uma corporação do saque. Um lugar para uma idolatria a contestar. HNWI, se cabe batizar ela como genoma identitário, parece uma mala tremendamente física para uma operação quintessencialmente jurídica, duas coordenadas que se atraem em seu conflito e exploração. Como ferida, ela é um totem artístico que, todavia, responde a um tabu sociocultural.

Adolfo Montejo Navas
setembro de 2018

Posted by Patricia Canetti at 2:25 PM