Página inicial

Arte em Circulação

 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 17, 2018

Verzuimd Braziel – Brasil Desamparado por Josué Mattos

Verzuimd Braziel – Brasil Desamparado

JOSUÉ MATTOS

Anna Bella Geiger, Carla Zaccagnini, Cildo Meireles, Clara Ianni, Dalton Paula, Daniel Jablonski e Camila Goulart, Daniel Santiago, Ivan Grilo, Lourival Cuquinha, Regina Parra, Regina Silveira, Santarosa Barreto, Thiago Honório, Thiago Martins de Melo e Vitor Cesar.

O verso Verzuimd Braziel tem origem no holandês arcaico e corresponde à época em que a colônia de exploração recebeu a Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais. Entregue a Maurício de Nassau (1637-1644) quando a Capitania de Pernambuco foi assumida por Portugal, marca o desfecho de uma guerra travada contra os holandeses, que contou com a participação de escravos e indígenas. Retomado, em 1995, por Daniel Santiago, dá título à ação que consiste em atirar tufos embebidos em tinta colorida sobre a parede na qual é replicado. Como chefe de bando, Santiago orquestra a artilharia: preparar, apontar, fogo. Ao final, todos assinam a parede da ação jocosa que sintetiza séculos de medidas arbitrárias, impunidades descabidas, genocídios dissimulados, extermínios omissos. Preserva espaço aos que tiram um sarro de projetos civilizatórios e mobilizações contra estratégias que usurpam o Estado de direito. Acolhe quem convive sem alardes com os rumores causados pela imprensa tendenciosa, quem sustenta a rasura de debates acerca da desestruturação da democracia. Representa, no entanto, os que interrogam e reagem à guerras fratricidas que exterminam vidas e vozes, os que combatem o "racismo estrutural" e que indexam as farsas do projeto de "país do futuro."

Com proposições, obras e artistas concentrados em descortinar a naturalização da barbárie e intervenções que criam o contínuo "estado de exceção", a exposição Verzuimd Braziel – Brasil Desamparado questiona a falta de alardes de panelas e outros instrumentos mobilizados contra a corrupção enquanto testemunha a expressa manutenção do desamparo. Alerta contra o perigo de pertencer a determinada raça, classe e gênero, propondo reflexões sobre mecanismos de sobrevivência. Reconhece a contracorrente em campanhas de combate ao mosquito da dengue, que "convocam uma união dos cidadãos contra um inimigo comum". Aproxima nossa política de estupros simbólicos, associada a discursos que repetem a mesma palavra, capítulo após capítulo. A exposição desenha o Brasil da Transamazônica, dos estigmas relacionados à objetificação da mulher brasileira, de mães que perdem o sentido da vida, da escassez do pão nosso de cada dia em terras abundantes, narradas por Américo Vespúcio em sua carta Mundus Novus, lida por imigrantes que experimentam a aridez do país. Apresenta o Caboclo Sete flechas e mártires indigentes atravessados pelo devastador lema "ordem e progresso", os direitos trabalhistas em colapso, os negros vivendo a revolta de antigos oprimidos travestidos de opressores, os sistemas destituídos de valores, em um país feito abismo, de onde seremos vigiados por corvos alçando voos altos. Em cenário bélico, outra imagem de relevo, também retirada do mundo animal, foi apresentada por Gilberto Dimenstein em A República dos padrinhos - chantagem e corrupção em Brasília (1988). Trata-se da "raposa guindada à condição de protetora do galinheiro", em muito semelhante ao que Katia Maciel disse da moeda Irreal (2016): "fazer girar cara ou coroa não diferencia o resultado extremo de um sistema de trocas que levou a fragata ao naufrágio". Em tempos difíceis, em que o país silencia crimes ambientais, articula reformas promotoras de desigualdade e leis de autoanistia, produzir arte implica, também, reconhecer as "estratégias estéticas" do cenário bélico brasileiro, segundo comentou Eliane Brum, outro dado que aproxima a profusão de cores de Verzuimd Braziel (1995-2018) do desamparo ao qual somos confrontados. No momento em que o "país se arruína um pouco mais" o aparelho político arma operações espetaculares, altera o fundo do problema e garante popularidade para as futuras campanhas eleitorais.

Mães (2013), de Clara Ianni, tem eco no obscuro tempo presente. O vídeo reúne mães em processo terapêutico, anos depois de perderam filhas e filhos em extermínios do estado. Aponta o nível máximo de desamparo pois, como dizia Eduardo Galeano, mães são pessoas capazes de experimentar em seu corpo, no processo de gestação, a ideia de que um mais um é um. O convite a viver a alteridade como se fossemos mães em gestação pode ser algo de efetivo contra o Brasil desamparado. Já que o desamparo nunca será igualitário, teremos chance, como mães prenhes, de combater impunidades ardilosas, conivências descabidas, batalhando por alguma dignidade em meio a territórios minados.

Posted by Patricia Canetti at 1:51 PM