Página inicial

Arte em Circulação

 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 13, 2018

Precisão e Acaso por Felipe Scovino

Precisão e Acaso

FELIPE SCOVINO

José Patrício - Precisão e Acaso, Museu Nacional da República, Brasília, DF - 20/07/2018 a 26/08/2018

Depois de ter sido exibida no Museu do Estado de Pernambuco, no Recife, no ano passado, esta exposição chega a Brasília. É a primeira vez que o trabalho de José Patrício é apresentado, com maior densidade, no Distrito Federal. O público está diante de grande parte da produção do artista nos últimos sete anos, além de obras do início de sua carreira. A maior contribuição de seu trabalho está no terreno da invenção e do alargamento sobre o conceito de construtivo nas artes. Sua obra possui precisão, regras e modos muito próprios de aparição. Sem dúvida, há pensamento racional, ordenamento e constituição de uma lógica que deve ser seguida até o término das peças escolhidas. Contudo, o acaso também se faz presente. Esses dois conceitos – precisão e acaso – não são antagônicos em sua obra; pelo contrário, se complementam e necessitam um do outro.

Podemos perceber a precisão, por exemplo, a partir da escolha feita pela vizinhança cromática, numérica ou material dos elementos que fazem parte das obras (dominós, botões, entre outros), sendo esse, invariavelmente, o núcleo central ou a linha que delimita o perímetro da obra, bem como os registros do início e do fim da forma construída pelo jogo de elementos. Isso acontece em razão de o movimento de leitura se dar, concomitantemente, nos sentidos centrípeto e centrífugo. Mesmo que haja a imposição do racional, durante a construção da obra, nunca se sabe a forma e a textura que ela terá ao final.

Outra forma de aparição do acaso é a qualidade cinética dessas obras. Quando buscamos desvendar a sua organização lógica, somos duplamente surpreendidos: ora por uma vibração óptica das intermitentes figuras virtuais, ora pela larga quantidade de pequenos objetos acumulados, que deixam o nosso olhar à deriva. O foco não está mais no centro, mas disperso, tentando dar conta das várias possibilidades de entrada que a obra oferece, para decifrarmos sua lógica interna. Dependendo da perspectiva que adotamos, somos surpreendidos com novas qualidades cromáticas e estruturais. A coerência na escolha dos jogos combinatórios e no uso das cores permite ao espectador ter uma experiência vertiginosa.

É interessante destacar a figura do colecionador em Patrício: ele opera com objetos de pequeno valor, garimpados nos mais diferentes lugares, que, reunidos, compõem um painel diversificado e, ao mesmo tempo, repleto de semelhanças, se compararmos as cidades em que foram coletados. Notem que é cada vez mais raro achar armarinhos, pois a indústria têxtil, serializada e altamente competitiva, tem colocado em risco uma produção mais autoral e artesanal, a qual, por sua vez, também tem desaparecido. Botões, em pouco tempo, se continuarmos nesse ritmo, serão artigo raro. Aliás, a artesania é uma característica que diferencia o trabalho de Patrício em relação ao de seus pares. Se qualificarmos a sua produção como pintura, o que é perfeitamente cabível, ela é feita, não com tinta, mas com as mãos e a experiência performática, evocadora de uma sensibilidade muito própria, além de compor um painel rico sobre a cultura brasileira, ao expor materiais e experiências que fazem parte do cotidiano do brasileiro (o dominó, o jogo de dados, o quebra-cabeça, os botões e, por conseguinte, os grandes mercados varejistas do país ou os pequenos armazéns onde são vendidas essas peças). Eis um alargamento para a ideia e o lugar de invenção das linguagens construtivas no país.

Sua obra, portanto, é um constante acontecimento. Cabe ao espectador escolher se a sequência numérica está crescendo ou decrescendo e, ainda, em que ponto do trabalho se apreende essa velocidade e se faz a escolha. Estamos constantemente envolvidos por escolhas, caminhos, formas e cores que induzem movimentos, traços, rumos e territórios. E é exatamente essa qualidade de caos que particularmente me anima.

Posted by Patricia Canetti at 11:34 AM