Página inicial

Arte em Circulação

 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 10, 2018

Antes que as traças nos devorem por Paula Borghi

Antes que as traças nos devorem

PAULA BORGHI

Quando éramos livros em idéia, era corpo o que almejávamos. Para ser livro de verdade é preciso corpo de papel, um corpo feito de capa e miolo. Alguns de nós nascem mais com capa enquanto outros com mais miolo, e mesmo com esta discrepância genética somos muito felizes em sermos livros; especialmente livros de artista!

Os livros de artistas são os novatos da nossa espécie, tem muita gente que não nos conhece ou que finge que não existimos. São raras as ocasiões que frequentamos as famosas livrarias, pois nosso ponto de encontro oficial são as feiras independente de impresso. Estamos acostumados a ficar em banquinhas com as pessoas circulando ao nosso redor, nos pegando com a mão molhada da latinha de cerveja enquanto fazem mil perguntas aos nossos autores. É muito bom estar na feira, com amigos de vários lugares do mundo e pulando de mão em mão.

Claro que ficamos super felizes quando alguém nos leva para a casa, ainda mais se nos colocam sobre a mesa da sala de estar, bem à mostra das visitas. Só que chega uma hora que vamos para a prateleira, depois para o armário e depois para a caixa de papelão dentro do armário. Neste momento sabemos que estamos à espera das traças. É o prenúncio da morte.

Alguns de nós chegam a ser mumificados em papel glacine PH neutro com uma etiqueta de identificação. Neste caso as traças não chegam perto da gente, nem ela nem ninguém. É como estar em estado vegetativo à espera de um milagre, só que quando o milagre chega ele vem de luvas de pano branco e nos coloca em uma redoma de acrílico.

Sabemos que é importante que alguns de nós sejam sacrificados como múmia para que a história de nossa espécie seja contada. E por isso não reclamamos (muito) quando nos embrulham com papel glacine PH neutro, porque sabemos que isso é um tipo de abraço carinhoso. O que é inadmissível é seremos deixados como comida de traças. Isso realmente não tem desculpa.

Existem bibliotecas públicas, espaços de arte independente e museus que nos adoram, e nós a eles. Nestes espaços, a maioria das vezes, ficamos bem exibidos e somos frequentemente acariciados. As pessoas chegam, dão aquela olhadinha e depois passam logo a mão na gente. No fim do dia estamos exaustos, marcados por impressões digitais meio as páginas. É uma delícia! É viver a vida intensamente, sem medo de traças. Por isso não tenham dedos em nos tocar, ou melhor, tenham todos os dedos em nós.

Antes que as traças nos devorem, Museu Murillo La Greca, Recife, PE - 10/07/2018 a 11/08/2018

Posted by Patricia Canetti at 11:42 AM