Página inicial

Arte em Circulação

 


março 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 21, 2018

Pantera Serpente e outros amuletos por Ana Prata

Pantera Serpente e outros amuletos

ANA PRATA

Intitulada Pantera Serpente e outros amuletos, Camile realiza sua primeira exposição individual. O título acrescenta um sentido enigmático ao trabalho, pois amuletos costumam ser peças de esfera íntima, que guardamos e confiamos por nossa conta e risco. De certa forma nos cabe buscar entender e formular internamente um sentido para o que vemos, de maneira similar ao modo como atribuímos significado a um objeto tornando-o um amuleto.

Camile de fato não é o tipo artista cheia de intenções previamente construídas, portanto é necessário olhar e entender o que ela busca comunicar na construção de linguagem que ela organiza dentro da tela, ou seja, como ela associa os elementos de sua gramática, não pré-condicionada ao discurso, mas ainda assim urgindo por nos dizer algo. Este último aspecto me interessa de um modo geral ao olhar para arte, a capacidade que uma coisa feita tem de nos dizer algo e nos tocar de fato.

Na introdução de seu livro de ensaios, How To See, David Salle ressalva que ao olhar um trabalho devemos buscar de fato entender o que aquilo nos leva a pensar e sentir, e não o que supostamente deveríamos pensar baseados em algum discurso externo ao trabalho, em última instância, sermos mais honestos conosco. Como ele mesmo diz, às vezes o texto na parede nos fala sobre as mil estratégias do artista e você se encontra pensando em outra coisa qualquer, talvez até onde fique a cafeteria. Ele busca uma leitura mais ensaística, sendo um artista e não um crítico ou historiador, e é nesse caminho que busco olhar para o trabalho de Camile, uma artista que está iniciando sua trajetória.

Me lembro quando em uma das primeiras visitas que fiz ao atelier-casa de Camile, sem saber muito bem o que me esperava, uma pequena pintura pendurada na parede de fato me capturou, essa pintura se chama Colibri Astral, de 2017, e nela está escrito ARISE DEAD BIRD. Acho que ao falar deste trabalho, e como o senti neste primeiro encontro, consigo expressar o que sinto em relação ao seu trabalho de um modo geral.

Uma coisa escrita costuma exercer muita força sobre nosso pensamento, o verbo costuma ser dominante, ARISE DEAD BIRD é uma frase carregada de poesia: me remete à fala de uma criança, que clama por alegria, por ação, por um lindo vôo – ignorando a morte que existe neste mundo, a tristeza - a criança naquela pulsão de vida com a qual somos natos. O que acontece é que apesar da força desta frase, não foi ela que me chamou a atenção, e sim a própria pintura enquanto objeto. A própria pintura carrega em si uma pulsão de vida, celebrativa, urgente, viçosa. Porém o seu aspecto infantil nos leva a uma espécie de nostalgia, uma tristezinha guardada, que não nos deixa enganar; o mundo é duro, é luta, se a criança não sabe disso ainda, nós sabemos, Camile sabe. Com suas cores extravagantes, sua tinta massuda assentada de maneira sensual, uma mancha se encaixando na outra, bem pertinho numa espécie de carência umas das outras, dividindo o mesmo espaço de forma amorosa, esta pintura tem simultaneamente um caráter combativo, porque os trabalhos de Camile parecem ser feitos com certa pressa, com certa urgência e ansiedade. A alegria e o amor como urgência nos fazem lembrar dos seus antônimos, afinal porque alegria e amor são importantes e urgentes?

O trabalho de Camile é um agregado de significados, as frases muitas vezes têm direções próprias, às vezes não lembramos o que lemos, elas não estão lá para totalizar ou resumir, mas para agregar, às vezes elas nem estão. Junto vemos manchas abstratas, gordas ou magras, junto de figuras, que muitas vezes parecem brinquedos, doces, artigos de sex shop, coisas de plástico. Trata-se de uma pintura meio gulosa, que parece dizer: pode vir que você também cabe nesse retângulo-maravilha.

Eu pensei que queria levar aquela pintura pra casa, como um objeto de sedução meio imediata. Mas o trabalho não se reduz a este traço, um segundo depois ela te recoloca no mundo real, como uma droga de efeito rápido, e nessa ambiguidade eu acho que mora o verdadeiro valor do trabalho.

Definitivamente ali não é um lugar de descanso, tudo flutua e você tem que olhar de novo para que não te escapem coisas, não se trata de uma pintura contemplativa, ainda que carregada de afeto. Por trás de uma aparente festa que se consome rapidamente, de certa euforia de cores e “coisas”, por trás dessa sensualidade melequenta de tinta, me parece haver uma necessidade ansiosa de dar conta deste mundo – missão impossível, talvez patética, talvez heróica, talvez palhaça, que é ao mesmo tempo engraçada e profunda. ARISE DEAD BIRD.

Posted by Patricia Canetti at 5:49 PM