Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 16, 2017

Texto de Fernanda Gomes

tantos planos de exposição! gosto de imaginar e projetar, mais ainda porque sempre sai diferente. cada exposição inclui muitas outras, vividas durante todo o processo.

a exposição é o melhor campo de provas, onde as possibilidades se expandem. e a dimensão pública traz uma tensão complementar à soltura do fazer em casa. traz a necessidade de acabar, até no sentido mesmo de acabamento, definir a versão final de vários provisórios, em cada detalhe. exige síntese e precisão.

(a exposição estaria para o atelier como a escrita para o pensamento?)

as exposições que faço na galeria luisa strina são onde mais naturalmente atualizo minha prática, são extensão direta do atelier. é a melhor e mais difícil situação para mostrar meu trabalho, mais difícil porque melhor.

uma exposição sempre foi para mim um modo único de avançar com a investigação, absolutamente necessário para todos os processos, principalmente o mental. o ato excita o pensamento.

uma exposição é o momento concentrado, retroprospectivo. o presente inclui passado e futuro, são quase simultâneos no instante.

uma exposição vai além da reunião de obras. o conjunto é mais do que a soma das partes. uma exposição é mais do que uma obra em si, é uma entre infinitas possibilidades. positivamente incompleta, se prolonga na imaginação. é fim e sem fim, começo e continuação.

fernanda gomes, outubro 2017

Fernanda Gomes, Galeria Luisa Strina, São Paulo, SP - 24/11/2017 a 20/01/2018


so much exhibition planning! i like to imagine and project, even more because it always comes out different. each exhibition includes many others, lived during the process.

the exhibition is the best scenario for testing, where possibilities expand. and the public dimension brings a complementary tension to the ease of doing at home. it brings the need to finish, even in the sense of finishing, to define the final version of several provisionals in every detail. it requires synthesis and precision.

(would the exhibition stand for the atelier as writing for thought?)

the exhibitions that I do in galeria luisa strina are where I most naturally update my practice, they are a direct extension of the studio. is the best and most difficult situation to show my work, the harder because the better.

an exhibition has always been for me a unique way of advancing with research, absolutely necessary for all processes, especially the mental. the act excites the thought.
an exhibition is the concentrated, retroprospective moment. the present includes past and future, are almost simultaneous in the instant.

an exhibition goes beyond the works assembly. the set is more than the sum of the parts. an exhibition is more than a work in itself, it is one among infinite possibilities. positively incomplete, it lingers in the imagination. it is end and no end, beginning and continuation.

fernanda gomes, october 2017

Fernanda Gomes, Galeria Luisa Strina, São Paulo, SP - 24/11/2017 til 20/01/2018

Posted by Patricia Canetti at 3:16 PM