Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 10, 2017

Rotas e histórias, pinturas e percursos por Ivair Reinaldim

Rotas e histórias, pinturas e percursos

IVAIR REINALDIM

Mil histórias, duas rotas, Centro Cultural da Justiça Federal - CCJF, Rio de Janeiro, RJ - 15/11/2017 a 14/01/2018

Entre março de 2013 e junho de 2015, Bet Katona e Roberta Cani fizeram parte de um grupo de estudos sob minha orientação, cujos encontros, em sua maioria, ocorreram em um ateliê na antiga fábrica de chocolates Bhering, no Rio de Janeiro, hoje local ocupado por artistas e empreendedores da economia criativa. A cada semana líamos e debatíamos uma bibliografia selecionada – de Benjamin, a Danto e Rancière, entre outros autores – e também conversávamos sobre os trabalhos dos participantes. Nesse contexto, em algum momento, Bet e Roberta perceberam certa proximidade em seus trabalhos, o que despertou nelas o interesse em ver suas pinturas expostas conjuntamente. Nascia aí o desejo desta exposição.

O título escolhido para a mostra sintetiza, de algum modo, a natureza desse encontro. Rota pressupõe a trajetória entre um ponto e outro, incluindo todas as etapas contidas nessas extremidades. Uma rota planejada pode ou não ser concretizada, existindo mais como intenção. Uma rota já percorrida é capaz de insinuar aquilo que se manteve do plano inicial, assim como os desvios e mudanças de direção que surgiram à medida que o caminho foi realizado. Olhando por outraperspectiva, a pessoa que define uma rota possui objetivos, é movida por desejos, faz escolhas e pode ou não estar atenta aos acasos no caminho. Assim, trajetórias artísticas são compreendidas metaforicamente como rotas e, de certo modo, tanto Bet quanto Roberta apresentam singularidades em seus percursos.

Mil histórias, duas rotas evidencia um recorte da produção das duas artistas, ao apontar para caminhos individuais que por vezes se cruzam, desenvolvem-se em paralelo ou mesmo se afastam, constituindo uma narrativa em aberto. Essas “rotas”que podem ser traçadas por meio das pinturas aqui reunidas sugerem alguns itinerários no espaço expositivo, mas ao mesmo tempo, contêm em si diferentes combinações de caminhos possíveis, a partir dos percursos que cada espectador fará pelas salas e entradasdisponíveis. Embora as pinturas sejam as mesmas, dispostas a partir de certas aproximações, as histórias que elas evidenciam são inúmeras, extrapolando os limites da poética de cada artista.

Bet Katona seleciona imagens fotográficas de espaços internos e externos, privilegiando nesta exposição as cenas urbanas. Em seguida produz uma síntese, de modo a salientar certos elementos da imagem original, traduzindo-as para a linguagem da pintura. Em seus trabalhos sobressaem-se o contraste bem marcado das cores, a não presença do gesto e a simplificação das formas. Com isso, suas pinturas produzem novas experiências, convidando o espectador a habitar visualmente os espaços representados. Roberta Cani possui predileção por imagens provenientes do cinema, presentes em filmes que viu e a marcaram profundamente. Desses filmes, extrai cenas e as reinterpreta pictoricamente, produzindo modificações de modo a criar uma atmosfera específica. Embora também haja a forte presença de espaços internos e externos nesse recorte de pinturas, em grande parte de seus trabalhos destaca-se a presença da figura humana, reforçando um estado psicológico.

Embora ambas as artistas partam de imagens técnicas (fotografia e cinema), a natureza de suas pinturas, soluções técnicas e plásticas, modos escolhidos para ressaltar certa visualidade e atmosfera, demonstra que esse procedimento compartilhado com tantos outros artistas que hoje produzem pintura “de imagem” depende mais de quem conduz a operação, do que da transposição de uma imagem de uma linguagem para outra. É essa capacidade de conduzir, fazer escolhas e atribuir sentidos que acentuao caráter singular de cada poética artística. Sejam duas ou mil, variáveis são as rotas e as histórias a serem identificadas nessa trama, cabendo a cada espectador produzir suas próprias narrativas, a partir daquilo que Bet Katona e Roberta Cani disponibilizam nesse encontro.

Ivair Reinaldim
Novembro de 2017

Posted by Patricia Canetti at 8:34 AM