Página inicial

Arte em Circulação

 


fevereiro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28        
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 20, 2017

Sobre o Vazio: Fotografias e Vídeos de Alberto Bitar por Marisa Mokarzel

Sobre o Vazio [1]: Fotografias e Vídeos de Alberto Bitar

MARISA MOKARZEL

Alberto Bitar - Sobre o Vazio, Espaço Cultural Banco da Amazônia, Belém, PA - 22/02/2017 a 07/04/2017

A fotografia de Alberto Bitar vai muito além do que os olhos alcançam e elegem para ser fotografado. Na série Sobre o Vazio o visível é parte da cena retirada de um cenário mais amplo que se enquadrou na moldura do visor e assumiu a condição de imagem; e o invisível é a sensível tessitura daquele que capta a cena e lhe atribui valor estético, dota a imagem de enredos sutis, sujeitos às novas tramas tecidas pelo outro que vê a fotografia exposta na parede, impressa no papel ou em movimento no vídeo. Com delicadeza, Bitar entremeia vida e imagem, fazendo com que as frestas deixem passar o excesso de luz e o excesso de escuridão para revezarem-se entre marcas e inscrições quase imperceptíveis.

O objeto fotografado nasce do universo íntimo, do labirinto que faz e refaz histórias. Diferentes tempos intercalam o silêncio. Se antes a infância era a matéria reveladora do afeto paterno, dos passeios ao Mosqueiro que resultaram em Efêmera Paisagem, agora são efêmeros instantes dos quais surgem os corpos ausentes, manifestos no quarto vazio, nos compartimentos desabitados, preenchidos por cheiros, objetos esquecidos, camas desarrumadas.

Casa de partida. Casa de chegada. Quarto de hotel. Qual lugar consegue reter a cena, os instáveis sentimentos? Todo Vazio, Qualquer Vazio, Breve Vazio invadem o espaço, permitem que o ar escape, atravesse a porta e perca-se no outro lado da janela, de onde se pode ouvir a voz do artista a afirmar que restam “distâncias, incômodos, algumas tristezas”...é a imagem que, de súbito, nos envolve e inclui na cena. A sensação de ser incluído é produto de uma série de procedimentos que atravessa memórias, narrativas, ficções e realidades em um processo que abarca diferentes linguagens.

Belém, a cidade em que Alberto Bitar nasceu e vive, é conhecida desde os anos 1980 como um dos polos da fotografia realizada no Brasil. Neste forte campo fotográfico, alguns artistas se destacam por uma produção diferenciada de vídeoarte, aquela que utiliza a fotografia em seu processo experimental, no qual as fronteiras se alargam, prevalecendo o trânsito das linguagens. Bitar encontra-se incluído entre os fotógrafos que trabalham a imagem em movimento com a sequência fotográfica, criando não exatamente histórias, mas uma possível narrativa que em vez de articular os enredos, os deixa livres para que as cerziduras aconteçam de acordo com o espectador/leitor. Obras como a série Sobre o Vazio situam-se no limiar do documento, da ficção, partem da memória afetiva, das condições subjetivas que percorrem sentimentos e sensações.

Em 31 de maio de 2009, numa entrevista concedida ao Diário do Pará, Bitar comenta sobre os recursos da fotografia no audiovisual, considera que o uso da imagem digital, acompanhado pela facilidade ao acesso de equipamentos de captação e edição, é responsável pelo surgimento dos inúmeros experimentos que vem sendo realizados nos últimos anos. [2] De fato, os avanços tecnológicos propiciaram condições para que novas experiências surgissem orientadas para diferentes segmentos. Referindo-se ao vídeo produzido no campo da arte, Christine Mello menciona a evocação ao mundo híbrido, do qual surge, no âmbito da cultura digital, uma nova forma de estranhamento, uma vez que se observa a dinâmica do vídeo “[...] como, uma dinâmica muito particular de produção de estranhamento, desvios e ruídos, refletida pela forma histórica na qual se constitui a sua ação estética”. [3]

Nos vídeos de Alberto Bitar pode-se perceber a produção de estranhamento advinda dessa dinâmica particular que introduz uma estética, proposta pelo próprio artista, quando o estranho passa a habitar um contexto de deslocamentos, de passagens, associado a percursos provenientes da memória e do imaginário. Na verdade, tanto as fotografias quanto os vídeos da série Sobre o Vazio são atravessados por uma memória afetiva e por processos narrativos livres em que o documental e o ficcional se tangenciam.

As narrativas no processo fotográfico, não são acompanhadas pela sucessão de fotos, acontecem de forma sucinta, se tornam presente em uma única imagem retirada de lugares onde o artista viveu, pretendia viver ou passou em breve instante. E são essas imagens fotográficas que, articuladas a uma lógica pessoal, vão constituir o vídeo. Na imagem em movimento a fotografia funciona como elemento fundamental, por isso pode migrar de uma obra à outra, ser disposta de forma diferente em outros espaços expositivos ao retornará condição de imagem fixa.

A mesma fotografia acolhida no vídeo e articulada na sucessão de outras imagens se situa em diferente tempo daquele adquirido enquanto imagem fixa, mas independente da condição assumida, o tempo que prevalece é o psicológico, que acompanha o artista na seleção do que vai ser fotografado e o espectador que vê o resultado da seleção, da estética escolhida. Benedito Nunes considera que “o primeiro traço do tempo psicológico é a sua permanente descoincidência com as medidas temporais objetivas”. [4] Esse tempo vivido, experimentado varia de indivíduo para indivíduo, o autor o classifica como um tempo subjetivo e qualitativo que é composto por momentos imprecisos.

As imagens retiradas de ambientes caros à memória trazem resíduos de histórias reais ali vividas que se misturam aos objetos e as lacunas do que ficou ausente, tornando-se, em potencial, matéria de ficção. Ao usar Anatol Rosenfeld como referência, Nunes comenta que o presente na ficção não tem caráter preferencial como tem na realidade. Trata-se de um tempo deslocável, assim como é o passado e o futuro; “[...] o tempo da ficção liga entre si momentos que o tempo real separa.” [5] Em sua complexidade pode inverter a ordem dos momentos, se dilatar ou contrair, figurar o intemporal e o eterno. Pode valer-se da memória para processar o jogo da ficção.

De acordo com Laura González Flores “a memória se relaciona com a assimilação do vivido e com o processo de cognição. É um processo seletivo das experiências vitais e sensoriais mais importantes”. [6] Ao analisar o princípio da distância e a arte da memória, Philippe Dubois comenta sobre o que se estabelece entre a foto e aquele que a vê; o autor se detém na relação contínua entre passado e presente, concluindo que na imagem se torna presente o efeito de ausência. Em algum lugar, em algum dia aquilo que estava no papel existiu, mas logo desapareceu e jamais se vai “poder tocar, pegar, abraçar, manipular essa própria coisa, definitivamente desvanecida, substituída para sempre por algo metonímico, um simples traço de papel que faz as vezes de única lembrança palpável.” [7]

Recorrente, a memória afetiva do artista costuma integrar seus trabalhos constituídos de narrativas que se produzem num contínuo fluxo, num indeterminado começo ou fim que pode prosseguir e se desdobrar em novas experiências. Na série Sobre o Vazio [8], iniciada em 2011, estão presentes os vídeos Todo o Vazio e Qualquer Vazio. Neles, Alberto Bitar novamente atravessa as margens da finitude pra prosseguir no desdobramento da obra. Em 2012, os dois vídeos juntos formam um terceiro: Vazios.

O artista utilizou aproximadamente quinze mil fotografias para a realização desses dois vídeos que foram programados para serem vistos em separado, mesmo que em um mesmo ambiente. Ambos encontram-se impregnados de ausência, partem da desocupação de dois lugares distintos. São resultantes do Prêmio Marc Ferrez de fotografia da Funarte e entre as mostras que participaram estão o Panorama da Arte Brasileira, Mostra Fotocine e Estação Videoarte.

Todo o Vazio recobre-se da difícil despedida do apartamento em que Bitar viveu com a família por mais de 20 anos. O vídeo inicia com uma intensa luz que invade a sala sem que se possa enxergar a mobília ausente ou as linhas arquitetônicas que delineiam o ambiente e o tornam ainda mais vazio. O excesso de luz cega.A memória e o esquecimento se formam no vácuo e através da lembrança devolvem sentimentos e imagens agora intermitentes, traduzidos em escuridão e luz.

Sempre presente, a recorrente janela demarca o dentro e o fora que não permite esquecer que a cidade não para. O contraste do vazio de dentro com os outros prédios habitado por tantas histórias redimensionam os detalhes perdidos e agigantam interruptores, cortinas enroladas, fios elétricos que serpenteiam o chão. No estático da fotografia apenas as nuvens se movimentam.

A tela presa à sacada do apartamento ainda traz o cuidado com o filho, no chão da cozinha a cicatriz do azulejo que falta e do sabão esquecido na pia. “A teoria indicial da fotografia como pele descolada das coisas apenas confere a carne da fantasia à poética romântica do tudo fala, da verdade gravada no próprio corpo das coisas.” [9] No acorde binário do som repetitivo do vídeo, a voz de cada coisa, e nela própria o toque de cada ausente, a presença invisível gravada na imaterialidade dos corpos que ali viveram. O adeus, as novas vidas que ocuparão o lugar apenas acrescentarão mais uma camada no que se encontra impregnado na casa, advindo dos resíduos dos que não mais ali residem.

Em Qualquer Vazio mantém-se a intervalar luz e as camadas de histórias, desta vez desconhecidas, anônimas. Realizado no mesmo ano de Todo o Vazio, em 2011, os dois vídeos não se complementam, mas estabelecem conversas, recursos próximos, temáticas distintas. O título é revelador de uma aproximação, em ambos o “vazio” demarca aquilo que se aloja na tela, remetendo-nos ao nada deixado pelo que se foi. O nome é precedido por pronomes indefinidos; “qualquer” e “todo” ocupam o campo da imprecisão. Mas, enquanto o “todo” refere-se a um conjunto de coisas, “qualquer” é desprovido de totalidade, além de não especificar se dilui na indeterminação.

Para realizar Qualquer Vazio Alberto Bitar fotografou diferentes quartos de hotéis logo após a saída do hóspede e antes de outro entrar. Na imagem, predomina o desarrumar dos lençóis, os traços de quem ali dormiu e deixou uma pequena parte de sua vida. Nesse labirinto íntimo de histórias desconhecidas o artista “[...] convoca a existência de um mundo que, se não fosse ali convocado, não existiria. Tudo existe dentro do universo fechado da ficção” [10], inclusive as cenas ausentes que se movimentam na imaginação daquele que as recortou e daquele que as vê.

Diferentes tempos intercalam o som que sempre retorna. Nos compartimentos desabitados, preenchidos por cheiros, vagam sentimentos e secretas emoções que entre paredes aguardam o sobrepor do que estar por vir. Incessantes partidas e chegadas avolumam a cadeia de sensações, de histórias em trânsito, sem tempo de fixar-se em um quarto de hotel. Resta o ar que escapa e atravesse a porta, permanece o enigma.

Em 1981, Sophie Calle [11], durante três semanas confina-se em um hotel de Veneza e experimenta o papel de camareira, ficando responsável pela arrumação de doze quartos. Além da ação performática, a intenção era fotografar e fazer anotações sobre os hóspedes, como uma espécie de detetive. Apesar de não se encontrar com eles, diferente de Bitar, acompanhou os seus movimentos, esteve sempre atenta aos indiciais deixados durante o período em que estiveram hospedados: as roupas dependuradas, as leituras de revistas e jornais, o pijama sobre a cama e outros vestígios ali espalhados. As fotografias e anotações depois formaram uma instalação e foram expostos.

Alberto Bitar e Sophie Calle produzem seu trabalho em um hotel, têm os hóspedes como foco, mas se distanciam em suas concepções e resultados. Se no caso de Bitar o que se destaca é o vídeo-fotografia, no caso de Calle a ênfase recai sobre a ação performática e a instalação. Vale notar que a fotografia os une e os separa. Ambos fotografam os vestígios dos hóspedes, contudo a Alberto Bitar não interessa os detalhes, tampouco inferir narrativas a partir dos objetos. Pouco lhe importa saber de qual romance escapou a persona que se aparta provisoriamente de seus pertences. O que lhe atrai, em especial, é o hóspede já ausente, o vazio advindo do estado transitório e do entre que delineia intervalos, deixa em aberto o possível abismo que o separa do desconhecido. Não é à toa que em um terceiro vídeo reúna os Vazios, seja ele todo ou qualquer.

Em outro momento surge o ensaio fotográfico Completude proveniente da vontade de Alberto Bitar em aprofundar a série Sobre o Vazio. O tema permanece, mas a abordagem é diferente. Trata-se agora de uma casa do início do século XX, repleta de histórias desconhecidas que não podem ser reconstituídas, contudo estão presentes, mesmo que invisíveis no espaço. Para Bitar, “seria um lugar onde o futuro teria maior importância, pois seria onde eu habitaria e preencheria o novo ambiente com novas memórias.” [12]

Novamente emergem as cicatrizes, peles soltas de tinta que deixam exposta a epiderme da parede, a suja demarcação dos móveis, retirados do compartimento agora vazio. Da mobília não se tem notícia, não se sabe o destino. A luz fantasmagórica que invade o chão não ilumina o piso, apenas convive com o desenho que se repete, deixando ausente o andar de quem o pisou. Restam frestas de luz, as portas e janelas entreabertas que convivem com as sombras. Todavia é nesse lugar quase abandonado que reside a possibilidade de novas memórias.

Duas instalações também fazem parte da série Sobre o Vazio: uma que não foi nomeada e a outra intitulada de Breve Vazio. A primeira, sem título, criada em 2011, foi Prêmio Aquisição no Arte Pará de 2012 e integra o acervo do Museu de Arte do Rio – MAR. Considero que este conjunto de fotografias apresenta a sua tessitura diferenciada dos demais ensaios que compõem a série. Constituída por um painel, também estabelece a relação dentro-fora, mas o que predomina é a cidade e não o interior da casa, do apartamento ou do hotel.

No painel, encontra-se a mesma paisagem, permanece o mesmo ponto de vista. Trata-se do olhar fotográfico que vem da janela e se deixa trair pela cortina transparente que se incrusta entre as outras imagens, fazendo lembrar que o dentro permanece e a qualquer momento pode torna-se um Breve Vazio.Repetida inúmeras vezes a paisagem-imagem sofre a ação da luz, ganha nova cor, apresenta diferentes tonalidades conforme a hora e o tempo. O convívio com a luz caminha para a sua própria ausência. O anoitecer se aloja ao lado da janela travestida de puro branco que se duplica ao se refletir no espelho. O excesso de luz, desta vez, não ultrapassa o limite da esquadria, o estado íntimo se protege no invisível da sombra.

A segunda instalação, Breve Vazio,criada em 2012 e produzida em Goiânia,é formada por duas imagens e um políptico. Como o vídeo Qualquer Vazio se passa em um quarto de hotel. Sobre esse lugar de passagem, Bitar se pergunta: “Que diferente significado a paisagem da janela ou do quarto teriam se ELA não tivesse deixado de viajar? De me acompanhar? Que diferentes memórias aquele espaço guardaria se tivéssemos ficado juntos? E se...” [13] A condicional prevalece sem que a certeza se ajuste ao lugar, às instáveis sensações.

Trata-se agora do frugal tempo e do espaço que se move na síntese narrativa igualmente impregnada de ausência.No quarto, as marcas do tecido que envolve a cama, os travesseiros. O dentro e o fora estão prestes a ultrapassar a janela que os divide e os conecta. Não fosse a cortina transparente a cidade invadiria a intimidade do quarto, da mesma forma a cama flutuaria entre os prédios, subvertendo a realidade e instalando a dúvida.

Todo, Qualquer ou Breve Vazio, assim como Completude e a instalação sem título, ocorrem num estado de ficção em que memória e imagens permeiam o instável processo fotográfico e se deixam tomar pelo movimento, transformando linguagens, articulando e desestabilizando elementos constitutivos de uma estética que se revela na ausência, no vazio.

NOTAS

1 Este texto traz trechos do artigo Vídeo – Fotografia: um lugar fora de si, de minha autoria, que se encontra no livro Pará+Vídeo+Arte – Notas preliminares a uma historiografia da videoarte no Pará, editado pela UFPA/PPGARTES, 2015 e organizado por Orlando Maneschy e Danilo Barauna.
2 O depoimento de Alberto Bitar foi retirado da matéria intitulada Exposição: Tempo e Memória inspiram Alberto Bitar. In: Diário do Pará, Belém, 31/05/2009.
3 MELLO, Christine. Extremidades do Vídeo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008, p. 124.
4 NUNES, Benedito. O Tempo na Narrativa. São Paulo: Editora Ática, 1988, p. 18.
5 Idem, p.25.
6 GONZALEZ FLORES, Laura. Fotografia e Pintura: Dois meios diferentes? São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011, 124.
7 DUBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico e outros ensaios. Campinas, SP: Papirus, 1993, p. 313.
8 Resultado do XI Prêmio Marc Ferrez de Fotografia foi exposta pela primeira vez, em Belém, na Fotoativa. Ainda em 2011, integra o 32º Panorama da Arte Brasileira, com curadoria de Cauê Alves e Cristiana Tejo.
9 RANCIÈRE, Jacques. O Destino das Imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012, p.24.
10 BRIZUELA, Natalia. Depois da Fotografia: uma literatura fora de si. Rio de Janeiro: Rocco, 2014, p. 193. Esta afirmativa refere-se à fotografia na obra de Mario Bellatin, mas é também possível de percebê-la na obra de Alberto Bitar.
11 Artista francesa que também transita no espaço hibrido da performance, da fotografia e da literatura. SOHIE CALLE. M’as–tu vue. Paris, France: Éditions du Centre Pompidou; Éditions Xavier Barral, 2003.
12 Depoimento de Alberto Bitar que consta de texto digitado cedido à autora em 2015.
13 Ibidem.

Posted by Patricia Canetti at 5:40 PM