Página inicial

Cursos e Seminários

 


novembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30          
Pesquise em
Cursos e Seminários:
Arquivos:
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

setembro 28, 2020

Conversa online com Raquel Nava e Graça Ramos na Referência

A curadora e historiadora da arte Graça Ramos e a artista visual Raquel Nava participam da Conversa online “De corpos quentes e frios”, com transmissão pelo Instagram @referenciaarte, quando abordarão temas pertinentes à produção de Raquel Nava como o uso da cor, o desenho, a pintura, a instalação, a moldagem, a taxidermia, influências, similaridades e as mudanças de rota. O público pode participar da conversa com perguntas e comentários.

30 de setembro de 2020, quarta-feira, às 17-18h

Referência Galeria de Arte
Instagram @referenciaarte

Raquel Nava (1981) investiga o ciclo da matéria orgânica e inorgânica em relação aos desejos e hábitos culturais, usando taxidermia e restos biológicos de animais justapostos aos materiais industrializados em suas instalações, objetos e fotografias. A variação cromática com a qual trabalha nos objetos e fotografias se aproxima da paleta utilizada na sua produção de pintura. A diversidade de sua produção está nos experimentos com técnicas e materiais, mas sempre surge uma referência aos órgãos ou aos organismos.

Formou-se em artes visuais pela Universidade de Brasília (2007), obteve título de mestre em Poéticas Contemporâneas pela mesma instituição (bolsa Capes 2010-12) e foi aluna da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires (2005). Trabalhou como professora de licenciatura em Artes Visuais da Universidade Aberta do Brasil - UAB/UnB (2010-2017). Expõe com regularidade desde 2006, tendo realizado mostras no Brasil e no exterior.

Em 2016 teve o projeto de Pesquisa e Residência Artística Taxidermia Contemporânea: transformações e apropriações contemplado pelo Fundo de Apoio à Cultura/DF- Brasília. Indicada ao Prêmio Pipa 2018 e ao Prêmio Indústria Nacional Marcantônio Vilaça 2019. Vive e trabalha em Brasília.

Graça Ramos é doutora em História da Arte e curadora independente. Atua em Brasília.

Material de imprensa realizado por Agenda KB Comunicação - Luiz Alberto Osório

Posted by Patricia Canetti at 12:00 PM

setembro 22, 2020

Curadoria: modos de pensar e agir com Daniela Labra e Beatriz Lemos no Zait

O curso discute em seis aulas o percurso de institucionalização do ofício do curador de arte desde os anos 1960, e analisa aspectos históricos, críticos e práticos dessa atividade. Comentamos projetos curatoriais paradigmáticos realizados em instituições culturais ou espaços independentes, e analisamos questões práticas como: concepção da proposta, artistas participantes, montagem, negociações no espaço social, recepção pública, entre outras.

As aulas são conduzidas por Daniela Labra, com a participação de um curador convidado. Convidada: Beatriz Lemos. Curadora e pesquisadora. Mestre em História da Arte PUC-Rio; Co-curadora da Frestas Trienal 2020-21

22 de setembro a 27 de outubro de 2020, terças-feiras, das 10h-12h (Brasília)/ 15h-17h (CEST/Berlin)

PROGRAMA

Carga total de aula + leituras: 14 horas

Aula 1 O curador de arte: das reservas técnicas dos museus para a atuação autoral. Formações, ações críticas e mercado de trabalho dentro e fora das instituições.

Aula 2 Estudos de caso de exposições e eventos renovadores da cena artística no Século XX.

Aula 3 Atuação curatorial no sistema da arte contemporânea: instituições, espaços independentes, residências, plataformas virtuais, coleções, feiras, publicações e outros.

Aula 4 Aula especial com Beatriz Lemos (Frestas Trienal 2021): a cena curatorial e artística contemporânea no Brasil.

Aula 5 Desenvolvimento de proposta curatorial: Linguagens artísticas, etapas de elaboração, pensando os artistas, negociações institucionais, projeto pedagógico, projeto expositivo, texto curatorial e outros.

Aula 6 Exercício: apresentação de esboços de propostas curatoriais dos participantes (opcional); Comentários gerais sobre perspectivas e atuações profissionais.

Aulas acompanhadas de referências institucionais, bibliográficas e links diversos, postadas no Fórum fechado do curso. Gravação acessível apenas para os participantes.

Valor
Curso live: R$ 400,00
Parcelamento no PagSeguro
Inscrição online

OUTROS CURSOS

Arte e Política, uma introdução, com Daniela Labra

Início 10 de novembro de 2020

O curso oferece um panorama de artistas, movimentos artísticos e autores atuantes desde o começo do século XX, cujas práticas lidaram e lidam com situações políticas, sociais e estéticas diversas. Nosso conteúdo vai do Proletkult, na antiga União Soviética, ao "Kult Cuir" global. Saiba mais

Grupo de Estudos em Arte contemporânea 2020.3

Novembro a Dezembro de 2020

Ementa

Lista de espera: deixe seu contato

Posted by Patricia Canetti at 9:53 AM

Trajetórias internacionais da arte latino-americana no IAC Online

IAC promove o curso Trajetórias internacionais da arte latino-americana: antecedentes históricos, desenvolvimentos recentes, tendências e desafios do processo de internacionalização.

Neste curso, tendo como pano de fundo um mundo globalizado e desigual, pretende-se discutir criticamente a internacionalização da arte brasileira e latino-americana, e também a internacionalização da perspectiva das instituições, importante tanto para a sua sustentabilidade e desenvolvimento, quanto para o processo de pesquisa, reconhecimento, validação e valoração artística. Quais as determinantes, os caminhos, as estratégias, as condições e as medidas da internacionalização? Qual a importância e o impacto da internacionalização no funcionamento do sistema da arte brasileiro e de suas diferentes instâncias? De que forma os agentes do sistema das artes participam do debate internacional? Como o atual contexto da pandemia covid19, com a suspensão por um período indeterminado das viagens internacionais, transforma os modelos de internacionalização que observamos até recentemente?

Com Gabriel Pérez-Barreiro, Kiki Mazzuchelli, Jacopo Crivelli Visconti e coordenação / concepção de Ana Letícia Fialho

29 de setembro, 6, 13 e 20 de outubro de 2020, terças-feiras, das 10h às 12h

O curso acontece na plataforma Zoom e é dirigido a profissionais que atuam no sistema das artes visuais, artistas, estudantes, professores e pesquisadores. 30 vagas / R$300,00. Regulamento, condições, formas de pagamento e política de descontos AQUI. Dúvidas e inscrições: cursos@iacbrasil.org.br

PROGRAMA DE AULAS

Calendário: 29 de setembro, Gabriel Pérez-Barreiro; 6 de outubro, Kiki Mazzuccheli; 13 de outubro, Ana Letícia Fialho; 20 de outubro, Jacopo Crivelli Visconti.

Aula 1 - (29 de setembro): Os caminhos da internacionalização - antecedentes históricos 1

Convidado: Gabriel Pérez-Barreiro

Entre a identidade e o universalismo: arte latino-americana no cenário internacional

A internacionalização da arte latino-americana nos contextos europeu e estadounidense se gera por vários fatores e com diferentes ideologias ao longo do tempo. Nesta aula faremos um repasse histórico por momentos chaves nesse processo, analisando os modelos de construção de narrativas curatoriais e estruturas ideológicas desde 1990 até 2010. Como casos de estudo veremos exposições como Art in Latin America (Hayward Gallery), Brazil: Body and Soul (Guggenheim), Latin American Artists of the 20th Century (MoMA), Heterotopias (Reina Sofia) e outros para analisar os modelos atuantes de forma crítica. Faremos uma análise específico da arte abstrata/concreta nessemodelos, e os desafios específicos dessa linguagem ‘internacional’ nos modelos identitários da arte latino-americana.

Aula 2 - (6 de outubro): Os caminhos da internacionalização - antecedentes históricos 2

Convidada: Kiki Mazzucchelli

A expansão das fronteiras do mundo da arte, das bienais às feiras, o lugar da América Latina no mapa internacional das artes.

Proposta resumida

Neste curso propomos discutir criticamente o processo de internacionalização da arte latino-americana e brasileira, partindo de uma perspectiva histórica para pensar as transformações e desafios dos processos de internacionalização no atual contexto da crise desencadeada pela pandemia da covid 19.

Quais as determinantes, os caminhos, as estratégias, as condições e as medidas da internacionalização da arte da Latino-americana? Qual a importância e o impacto da internacionalização no funcionamento do sistema da arte brasileiro e de suas diferentes instâncias? De que forma os agentes do sistema das artes participam do debate internacional? Como o atual contexto da pandemia covid19, com a redução/suspensão por um período indeterminado das viagens internacionais, transforma os modelos de internacionalização que observamos até recentemente?

A partir da virada do século XXI, a internacionalização da arte brasileira vem passando por um processo de aceleração inédito em sua história. Tomando a 24a. Bienal de São Paulo (1998), com curadoria de Paulo Herkenhoff, como um importante ponto de inflexão, esta apresentação examinará o papel dos diferentes agentes deste processo ao longo dos últimos 20 anos. De uma perspectiva interna, serão discutidos a expansão e a profissionalização do panorama institucional e do mercado, bem como a criação de um circuito de feiras de arte regionais. No âmbito internacional, serão examinados alguns dos principais mecanismos de inserção da arte brasileira, incluindo a participação em bienais e exposições institucionais, a representação por galerias estrangeiras, as residências artísticas e os comitês de aquisição dos grandes museus.

Aula 3 - (13 de outubro): Determinantes, caminhos, estratégias, condições e medidas da internacionalização do sistema da contemporânea no Brasil a partir dos anos 2000

Ana Leticia Fialho

Da visibilidade ao reconhecimento internacional, o crescente protagonismo do mercado de arte

No Brasil, o sistema da arte contemporânea registrou recentemente um período bastante positivo, de grande visibilidade, dinamismo, expansão e internacionalização. Nesse processo, o crescimento do mercado e os interesses mobilizados por seus agentes parecem ter sido determinantes. Neste encontro, discutiremos o protagonismo do mercado no funcionamento do sistema da arte no Brasil e o seu papel no processo de internacionalização da arte brasileira na última década.

Aula 4 - (20 de outubro): Desafios, transformações e tendências: arte contemporânea e internacionalização

Convidado: Jacopo Crivelli Visconti

Arte contemporânea e internacionalização - reflexões a partir do projeto da 34a Bienal de São Paulo.

A Bienal de São Paulo foi concebida nos anos 1950 para colocar o Brasil no mapa da produção artística contemporânea da época. Mesmo com todas as ressalvas que podem e devem ser feitas hoje a uma divisão do sistema da arte em centros hegemônicos e periferias, da qual a proliferação de bienais pelo mundo é fruto, a Bienal de São Paulo mantém uma grande importância no panorama nacional e latino-americano. O projeto da 34a Bienal, com sua expansão no tempo e no espaço, reforça o papel da Bienal e sua relação vibrante com outras instituições da cidade, buscando tanto a definitiva internacionalização do cenário, quanto aprofundar e matizar a relação com os diversos públicos locais. Este encontro apresenta um sucinto histórico de edições da Bienal particularmente relevantes no processo de internacionalização da arte brasileira e latino-americana, até chegar no processo, ainda em curso, de concepção e construção da 34a Bienal.

PALESTRANTES

Ana Letícia Fialho é gestora cultural, professora e pesquisadora. É atualmente professora visitante do Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Doutora em Ciências da Arte e da Linguagem na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais - EHESS/Paris, Mestre em Gestão Cultural na Universidade de Lyon II e Bacharel em Direito pela UFRGS. Foi Diretora do Departamento de Estratégia Produtiva da Secretaria da Economia da Cultura do Ministerio da Cultura de 2016 a 2018, Consultora em Inteligência Comercial e Coordenadora de Pesquisa do Programa Latitude/Associação Brasileira de Arte Contemporânea entre 2012 e 2019 e Curadora Executiva do Fórum Permanente de 2007 a 2013. Participou de diversas publicações, entre elas, Sociologia das artes visuais no Brasil (Ed. SENAC, 2012), O valor da obra de arte (org. GRACA-COUTO, Ronaldo, Metalivros, 2014); Art et société : Recherches récentes et regards croisés, Brésil/France. (org. QUEMIN, Alain: VILLAS BÕAS, Gláucia., Marseille: OpenEdition Press, 2016). É co-organizadora, com Leandro Valiati, do Atlas Econômico da Cultura Brasileira (MINC/UFRGS, 2017), finalista do prêmio Jabuti em 2018.

Gabriel Pérez-Barreiro é curador e historiador da arte. Foi diretor e curador chefe da Coleção Patricia Phelps de Cisneros (2008-2018), atualmente é assessor sénior da Coleção. Curador da 33ª Bienal de São Paulo (2018). De 2002 a 2008 foi curador de arte latinoamericana no Blanton Museum of Art da Universidade do Texas em Austin. Em 2007 foi curador geral da VI Bienal do Mercosul em Porto Alegre. É doutor em Teoria e História da Arte pela Universidade de Essex, Reino Unido, e mestrado em história da arte e estudos latinoamericanos pela Universidade de Aberdeen. De 2000 a 2002 foi diretor de artes visuais da The Americas Society em Nova York. Foi também coordenador de exposições na Casa de América em Madrid. De 1993 a 1998 foi curador fundador da Coleção de Arte Latino Americana da Universidade de Essex. Publicou varios libros e artigos sobre história da arte iberoamericana e tem participado de conferências em diversas universidades pelo mundo.

Kiki Mazzucchelli é curadora independente, editora e escritora. Entre suas exposições recentes, encontram-se Flávio de Carvalho (S2 Gallery, Londres / Galeria Almeida & Dale, São Paulo, 2019), Conjuro de ríos - Selva Cosmopolítica (Museo de Arte de la Universidad Nacional, Bogotá, Colombia, 2018) e Site Santa Fe Biennial (Site Santa Fe, Novo México, 2016). É autora de diversos ensaios e publicações com foco em artistas da América Latina e organizou as monografias de Tonico Lemos Auad (Koenig, Londres, 2018) e Marcelo Cidade: Empena Cega (Cobogó, Rio de Janeiro, 2016).

Jacopo Crivelli Visconti é crítico e curador independente. Doutor em Arquitetura pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Novas derivas (2014). É curador da 34ª Bienal de São Paulo (2020). Entre seus trabalhos recentes mais representativos estão: Untimely, Again, Pavilhão da República de Chipre – 58ª Biennale di Venezia (2019); Brasile – Il coltello nella carne, Padiglione d’arte contemporanea, Milão (2018); Matriz do tempo real, Museu de Arte Contemporânea da USP (2018); Memories of Underdevelopment, Museum of Contemporary Art of San Diego (2017); Héctor Zamora – Dinâmica não linear, Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo (2016); Sean Scully, Pinacoteca do Estado de São Paulo (2015); Ir para volver, 12a Bienal de Cuenca (2014). É colaborador regular de revistas de arte contemporânea, arquitetura e design, além de escrever para catálogos de exposições e monografias de artistas.

Posted by Patricia Canetti at 9:24 AM

setembro 20, 2020

Maker Day Brasil Online: Um mar de imagens com Marcio Diegues

Com o apoio da Embaixada dos Estados Unidos, 24 centros Binacionais, incluindo o IBEU, promovem a 3ª edição do “Maker Day Brasil”, no dia 26 de setembro, das 10h às 16h, que este ano acontecerá online devido à pandemia. Tendo como objetivo criar e compartilhar ideias com o país inteiro, por meio de divertidas palestras e oficinas práticas para todas as idades, o evento é gratuito e aberto ao público.

Na programação do Ibeu, que abordará o tema autoconhecimento, cada oficina terá um público-alvo diferente: “Playing with Lights and Shadows”, das 10h às 10h30, convida crianças e suas famílias a criarem uma história a partir de luzes e sombras utilizando objetos que possuam em casa.

Das 14h às 15h, Marcio Diegues comanda oficina, com adolescentes e adultos, falando sobre arte e sua experiência enquanto artista, inspirado na sua mais recente exposição, “Como sobreviver a um naufrágio”. Em cartaz na Galeria de Arte do Ibeu, no momento a exposição está acessível apenas online, via Instagram e blog.

Fechando o dia, “Maker & Social Emocional Learning in the Language Classroom”, das 15h15 às 16h15, será conduzida por Roberta Freitas e Fernanda Guedes e é voltada para professores de línguas. A abordagem será o movimento maker na sala de aula, pensando sobre como ajudar alunos a focarem nas competências socioemocionais com esse tipo de atividade. Como a temática do evento refere-se ao autoconhecimento, serão provocadas discussões com foco na educação.

As oficinas serão transmitidas ao vivo pelo Youtube. Inscrições: http://bit.ly/InscricaoMakerDayBrasil2020

PROGRAMAÇÃO IBEU

Um mar de imagens, com Marcio Diegues

Horário: 14h às 15h

Público-alvo: adolescentes (17+) e adultos

Descrição: Marcio Diegues comandará uma oficina sobre arte e sua experiência enquanto artista. Ele abordará o tema de sua mais recente exposição, “Como sobreviver a um naufrágio”, em cartaz na Galeria de Arte do Ibeu, neste momento, acessível apenas online, via Instagram e blog. Utilizaremos uma das mensagens passadas pela exposição: em um sentido mais profundo daquilo que o naufrágio pode representar, está o despertar de uma consciência crítica sobre o mundo em crise a nossa volta. Com isso, os participantes serão convidados a refletir sobre o que vivemos e a passar essa reflexão para o papel, em forma de desenho. A oficina será realizada em português.

Materiais necessários: papel; lápis; borracha; giz de cera; lápis de cor; canetinha; pincel; tinta guache; e demais materiais básicos de desenho.

Posted by Patricia Canetti at 11:11 AM

setembro 7, 2020

Palestra online Engenharia do Erro II com Charles Watson

Embora o medo de cometer erros seja um dos obstáculos mais onipresentes e paralisantes que permeiam os esforços criativos, os erros são inevitáveis – são até mesmo uma pré-condição para aqueles que desejam ir além do previsível em sua performance criativa.

11 de setembro de 2020, sexta-feira, de 19h30 às 21h30

Engenharia do Erro II / Try Again, Fail Again, Fail Better é uma palestra de 2 horas que tem o ERRO como principal tema abordado, em continuação à palestra Engenharia do Erro I / A Crack in Everything, realizada por Charles Watson e disponível na plataforma EADBox. Atualmente temos outras 3 palestras já realizadas e disponíveis para aquisição na plataforma.

Para interessados nesta ou nas demais palestras, seus temas e descrições podem ser visualizados junto ao link de inscrição: charleswatsonprojects.eadbox.com Para mais informações: 21-98838-9588 / contato@dynamicencounters.com.br

Posted by Patricia Canetti at 1:35 PM

setembro 1, 2020

Diretores de instituições da Alemanha, da Argentina e do Brasil debatem a reabertura dos museus

Painel virtual promovido pelo Goethe-Institut e pelo Ministério Federal das Relações Externas da Alemanha, em parceria com o Museu Nacional/UFRJ, acontece em 2 de setembro

O Goethe-Institut, o Ministério Federal das Relações Externas da Alemanha e o Museu Nacional/UFRJ promovem em 2 de setembro (quarta-feira) o evento virtual “Reopening Museums: European and South American Perspectives”. Com o objetivo de debater estratégias para a reabertura de espaços culturais após a quarentena provocada pela pandemia de Covid-19, o painel contará com as participações de Johannes Vogel, Diretor Museu de História Natural de Berlim; Barbara Plankensteiner, Diretora do Museum am Rothenbaum - Kulturen und Künste der Welt (MARKK); Gabriela Rangel, Diretora do Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA); e Alexander Kellner, Diretor do Museu Nacional/UFRJ.

O debate, mediado pela diretora do ICOM Brasil, Marília Bonas, terá início às 10h e será transmitido em inglês, ao vivo, pelo canal do Goethe-Institut Central no YouTube (www.youtube.com/goetheinstitut). Um link para tradução simultânea em português no Zoom será disponibilizado no chat ao vivo. A participação é franca e aberta a todos os interessados. O evento é uma das iniciativas que integram um projeto de longo prazo de intercâmbio museológico entre Brasil e Alemanha, capitaneado pelo Goethe-Institut. Nesse sentido, também já está agendada para junho de 2021 uma conferência internacional, a ser realizada presencialmente, no Rio de Janeiro.

“O ‘Reopening Museums’ foi pensado a partir da necessidade de falarmos sobre a reabertura destes espaços de maneira segura. Num momento como esse, é importante dar a nossa contribuição para incentivar colaborações entre diversas instituições. O intercâmbio de informações é peça-chave para incentivar colaborações entre museus na América do Sul e na Europa”, afirma Robin Mallick, Diretor do Goethe-Institut Rio. Ele antecipa que o painel deve ter um formato colaborativo, incentivando discussões relevantes para todos os convidados.

A Alemanha está entre os países que já reabriram museus após a diminuição significativa das taxas de contágio do coronavírus. Como reabrir com segurança em tempos de pandemia? Essa é uma das propostas da discussão digital que abordará, entre outros temas, o diálogo e a cooperação entre Europa e América do Sul, a retomada do diálogo dos museus com a sociedade, e o compromisso com a sustentabilidade.

O evento também marca os dois anos do incêndio do Museu Nacional/UFRJ, no Rio de Janeiro. No dia seguinte ao desastre, o Ministério Federal das Relações Externas da Alemanha realizou uma doação de até 1 milhão de Euros para a recuperação e reconstrução do museu, dando início a uma relação de cooperação e proximidade da instituição brasileira com empresas e órgãos do governo alemão - da qual o evento do próximo dia 2 é fruto, assim como uma série de intercâmbios e outras atividades.

Sobre o Goethe-Institut

O Goethe-Institut é o instituto cultural de âmbito internacional da República Federal da Alemanha, que promove o conhecimento da língua alemã no exterior e o intercâmbio cultural internacional. A instituição transmite uma imagem abrangente da Alemanha através de informações sobre a vida cultural, social e política em nosso país. Os programas culturais e educacionais promovem o diálogo intercultural e permitem a participação cultural. Fortalecem o desenvolvimento de estruturas da sociedade civil e promovem a mobilidade global.

Com a rede de Goethe-Institute, Goethe-Zentren, centros culturais, salas de leitura e centros de línguas e exames, o instituto é, há mais de 60 anos, o primeiro contato de muitas pessoas com a Alemanha. A parceria de longa data com as principais instituições e indivíduos em mais de 90 países gerou na Alemanha uma confiança duradoura. A instituição se configura como uma parceira para todos aqueles que estão ativamente interessados na Alemanha e sua cultura e trabalham de forma independente e sem filiações político-partidárias.

Sobre Alexander Kellner

Alexander Kellner é diretor do Museu Nacional/UFRJ desde 2018 e Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências. Membro Honorário da New York Paleontological Society, Pesquisador Associado do American Museum of Natural History e do Institute of Vertebrate Paleontology and Paleoanthropology (IVPP, China) e, em sua trajetória acadêmica, já descreveu 70 espécies novas e organizou expedições para os mais diferentes pontos do planeta. Ocupa o cargo de editor-chefe dos Anais da Academia Brasileira de Ciências (única revista multidisciplinar lato sensu editada no Brasil) e pertence a classe Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Sobre Barbara Plankensteiner

Barbara Plankensteiner é diretora do Museu am Rothenbaum - Culturas e Artes Mundiais (MARKK) desde abril de 2017. Sob sua liderança, o museu iniciou um processo de reposicionamento e descolonização que também levou a uma mudança de nome. A partir de 2015, ela foi Frances and Benjamin Benenson Foundation Curadora Sênior de Arte Africana na Galeria de Arte da Universidade de Yale, New Haven, Connecticut. Antes, foi vice-diretora, curadora-chefe e curadora das coleções da África no Weltmuseum Wien, onde teve um impacto decisivo no reposicionamento do museu e na conceituação da nova coleção permanente. Suas exposições internacionais mais conhecidas são Benin — Kings and Rituals: Court Arts da Nigéria, onde foi curadora principal e editora do manual que a acompanha, e African Lace. A History of Trade, Creativity and Fashion in Nigeria, que ela co-curou e para a qual ela co-editou o catálogo que acompanha. Pesquisa e publicações sobre arte africana e cultura material, história da antropologia e coleções, antropologia de museus. Barbara é co-fundadora do Benin Dialogue e organizou sua primeira reunião em Viena em 2010. Junto com o Príncipe Gregory Akenzua, ela é agora co-presidente do comitê diretor do Benin Dialogue Group.

Sobre Johannes Vogel

O geneticista Johannes Vogel é Diretor Geral do Museum für Naturkunde, Instituto Leibniz para Evolução e Pesquisa em Biodiversidade de Berlim e Professor de Biodiversidade e Diálogo Científico na Humboldt University Berlin desde 2012. Com uma coleção de mais de 30 milhões de objetos, o museu é um dos maiores museus de história natural do mundo com base em pesquisas e recebe até 800.000 visitantes anualmente. A sua visão é promover o diálogo científico e social e encorajar uma ação ativa pela natureza e pela democracia.

Sobre Gabriela Rangel

Gabriela Rangel é diretora artística do Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA). Antes de assumir seu cargo atual, ela foi diretora de artes visuais e curadora-chefe da Americas Society de 2004 a 2019. Ela possui um MA em estudos curatoriais pelo Center for Curatorial Studies, Bard College, um MA em estudos de mídia e comunicação pela Universidad Católica Andrés Bello, Caracas, e bacharel em estudos de cinema pela International Film School de San Antonio de los Baños, Cuba. Ela trabalhou na Fundación Cinemateca Nacional e no Museu Alejandro Otero in Caras, e no Museum of Fine Arts de Houston e foi curadora e co-curadora de várias exposições de arte moderna e contemporânea que incluíram trabalhos de artistas como Carlos Cruz-Diez, Gordon Matta -Clark, GEGO, Arturo Herrera, José Leonilson e Alejandro Xul Solar. Ela escreveu para Art in America, Parkett e Art Nexus, editou vários livros e contribuiu com textos para publicações como Lydia Cabrera: Between the Sun and the Parts (Americas Society / Koenig Books, London, 2019); Contesting Modernity: Informalism in Venezuela 1955-1975 (Museu de Belas Artes de Houston, 2018); Erick Meyenberg: the wheel bears no resemblance to a leg (Americas Society / Yerba Buena Center for the Arts, 2017), Marta Minujín (Ciudad de Buenos Aires, 2015) e A Principity of Its Own (Americas Society / Harvard University Press, 2006).

Sobre Marília Bonas

Marília Bonas é historiadora com mestrado em Museologia Social pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Ela é membro da diretoria do Conselho Internacional de Museus no Brasil (ICOM), correspondente brasileira da Federação Internacional de Museus e Direitos Humanos (FIHRM-LA) e diretora técnica do Museu do Futebol e Museu da Língua Portuguesa (São Paulo - SP). De 2010 a 2017, dirigiu o Museu do Café (Santos - SP) e o Museu da Imigração de São Paulo (São Paulo- SP) e coordenou o Memorial da Resistência de 2017 a 2020. Trabalha há mais de 19 anos em investigação, documentação, curadoria em museus e gestão cultural.

Posted by Patricia Canetti at 10:34 AM