Página inicial

Cursos e Seminários

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Cursos e Seminários:
Arquivos:
As últimas:
 

outubro 27, 2013

Seminário Internacional Perspectivas do Livro de Artista: O livro de artista na universidade na UFMG, Belo Horizonte

Dando continuidade às atividades iniciadas em 2009, esta edição do Seminário Internacional Perspectivas do Livro de Artista tem como tema o livro de artista na universidade, com o objetivo de incentivar a pesquisa, a divulgação e a produção de livros. Apresentamos alguns aspectos da produção internacional, reunindo professores, artistas e pesquisadores que atuam em universidades estrangeiras, e mostramos um pouco do que tem sido feito nas universidades brasileiras. O seminário é gratuito e aberto a todos os interessados no assunto.

Participantes: Amir Brito Cadôr (coord.), Leszek Brogowski, Maria do Carmo de Freitas Veneroso (coord.), Marília Andrés Ribeiro, Martin Grossmann, Paulo Silveira, Regina Melim, Sarah Bodman, Tony White

29 a 31 de outubro, terça a sexta-feira, 14h às 17h

Centro Cultural da UFMG - Auditório
Avenida Santos Dumont 174, Centro, Belo Horizonte
Website do evento

PROGRAMAÇÃO

29 de outubro, terça-feira, 14h às 17h
Experiências editoriais na universidade: produção e circulação de publicações de artista
Regina Melim, Leszek Brogowski, Amir Brito Cadôr (mediador)

30 de outubro, quarta-feira, 14h às 17h
Arquivos e coleções
Tony White, Martin Grossmann, Marília Andrés Ribeiro (mediadora)

31 de outubro, quinta-feira
14h às 17h - O livro de artista como objeto de pesquisa
Paulo Silveira, Sarah Bodman, Maria do Carmo de Freitas Veneroso (mediadora)
17h30 - Lançamento do livro "Entre ser um e ser mil: o objeto livro e suas poéticas", organizado por Edith Derdyk

SOBRE OS CONVIDADOS

Leszek Brogowski
Professor/pesquisador em estética e teoria das artes plásticas no département Arts plastiques, Université Rennes 2. Diretor das edições Incertain Sens, uma editora universitária especializada em publicações de artista.

Martin Grossmann
Professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, foi diretor do Centro Cultural São Paulo de agosto de 2006 a maio de 2010 e vice-diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP de 1998 a 2002. É o criador e coordenador do Fórum Permanente: Museus de Arte, entre o Público e o Privado, uma plataforma de mediação e ação cultural. Graduado em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), Grossmann fez o mestrado na ECA e o doutorado na University of Liverpool (Reino Unido).

Paulo Silveira
Professor Adjunto no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando na graduação e na pós-graduação (orientação de mestrado). É pesquisador do campo das Artes Visuais, com ênfase em História e Teoria da Arte, especialmente arte contemporânea, percepção da obra de arte, estética e retórica das publicações de artistas e temas da intermídia. É membro do Comitê Brasileiro de História da Arte, CBHA, e da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, ANPAP (comitê de História, Teoria e Crítica de Arte).

Regina Melim
Professora no Departamento de Artes Visuais e no Programa de Pós Graduação em Artes Visuais, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina. Coordena o Grupo de Pesquisa "Proposições Artísticas Contemporâneas e seus processos experimentais". Em 2006 criou a plataforma independente par(ent)esis para pesquisar, produzir e editar projetos artísticos e curatoriais no formato de publicações.

Sarah Bodman
Artista e pesquisadora do Centre for Fine Print Research (CFPR), é editora do Artist's Book Yearbook, uma publicação de referência sobre livros de artista, além de editar Book Arts Newsletter e The Blue Notebook.

Tony White
Diretor da Decker Library, Maryland Institute College of Art. Membro do conselho editorial do JAB (Journal of Artist’s Books), curador, pesquisador.

Posted by Patricia Canetti at 11:34 AM

outubro 23, 2013

P33: Encontros com artistas e arquitetos no MAM, São Paulo

33º Panorama da Arte Brasileira

Em breve o Canal lança um novo vídeo: PANORAMAS, sobre o 33º Panorama da Arte Brasileira, com a participação do artista Montez Magno e das curadoras Lisette Lagnado e Ana Maria Maia. Conheça o perfil dos realizadores, a dupla de artistas Fernanda Figueiredo & Eduardo Mattos

P33: Encontros com artistas e arquitetos

Programação do 33º Panorama da Arte Brasileira destaca ciclo de encontros do público com artistas e arquitetos

Além da mostra P33: Formas únicas da continuidade no espaço no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no centro da cidade, um ciclo de encontros, realizado nos dias 26 e 30 de outubro e 13 de novembro no auditório do MAM, promoverá debates sobre questões que permeiam o 33º Panorama da Arte Brasileira. Com realização do MAM e apoio da Escola da Cidade, o evento tem coordenação de Lisette Lagnado (curadora) e de Ana Maria Maia (curadora-adjunta).

Com transmissão ao vivo pelo Fórum Permanente

Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM SP
Av. Pedro Álvares Cabral s/n portão 3, Parque Ibirapuera, São Paulo

PROGRAMAÇÃO

Sábado, 26 de outubro, das 10h às 18h

Formas utópicas para o MAM
O encontro de abertura convida integrantes dos sete escritórios de arquitetura que participam do 33º Panorama da Arte Brasileira a apresentar seu projeto para uma nova sede do MAM. O debate visa compreender a relação do museu com o legado moderno de Oscar Niemeyer para o IV Centenário de São Paulo e mapear novas perspectivas de implantação dentro ou fora do parque Ibirapuera.

10h às 12h30
PARTICIPANTES: Marcelo Morettin Andrade e Morettin e Rodrigo Cerviño Tacoa
MEDIAÇÃO: Lisette Lagnado

14h às 15h30
PARTICIPANTES: Ângelo Bucci spbr e Anne Save de Beaurecueil SUBdV
MEDIAÇÃO: Ana Maria Maia

16h às 17h30
PARTICIPANTES: João Sodré gruposp, Isadora Guerreiro Usina e Lucho Oreggioni y Arquitectura
MEDIAÇÃO: Felipe Chaimovich

Quarta-feira, 30 de outubro, das 19h às 21h

Pavilhões de arte. Estudo de caso: Inhotim e Serpentine
A segunda mesa aborda a questão dos pavilhões de exposições de arte, caracterizados por uma duração temporária. Esse paradigma, signatário de uma modernização orquestrada por intensas atividades industriais, segue pautando os espaços e programas de bienais e instituições no mundo, entre elas as duas analisadas nessa mesa. Jochen Volz, integrante da Serpentine Gallery (Londres) desde setembro de 2002, responde em nome da prestigiada instituição inglesa. Lígia Nobre analisa o caso brasileiro do Instituto Inhotim (Brumadinho, MG) a partir de sua trajetória como crítica independente e cocuradora da X Bienal de Arquitetura ao lado de Carol Tonetti, arquiteta e pesquisadora de pavilhões de arte.

PARTICIPANTES: Jochen Volz, Lígia Nobre, Carol Tonetti
MEDIAÇÃO: Lisette Lagnado

Quarta-feira, 13 de novembro, das 19h às 21h

Arquitetura meteorológica
Com uma posição crítica diante do antigo postulado de que a arquitetura exige construções edificadas para ser respeitada enquanto disciplina, a obra de Philippe Rahm caminha em sentido inverso. A favor de uma “arquitetura meteorológica”, livro homônimo de sua autoria (2009), o artista e arquiteto atribui ao setor de construção uma das responsabilidades do aquecimento global. Na prática, Rahm dá um passo além da questão dos materiais sustentáveis e propõe que o próprio clima sirva de linguagem arquitetônica ao indagar se “o vapor, o calor ou a luz poderiam constituir as novas bases de construção contemporânea”. A pertinência desse modo de construir espaços a partir de índices imateriais (cheiros, temperaturas, estímulos hormonais…) constitui também um programa estético ao convidar o visitante a mergulhar em ambientes sensoriais.

PARTICIPANTE: Philippe Rahm
MEDIAÇÃO: Lisette Lagnado

SOBRE PARTICIPANTES

Carol Tonetti, arquiteta e pesquisadora
Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1998) e é mestre pela FAUUSP (2013) na área de concentração Projeto, Espaço e Cultura.

Jochen Volz, produtor e crítico de arte
Curador-chefe da Serpentine Gallery em Londres e curador do Instituto Inhotim em Brumadinho (MG), cujo acervo artístico e de paisagismo tem importância central na arte contemporânea brasileira, com nomes como Hélio Oiticica, Roberto Burle Marx, Cildo Meirelles, Adriana Varejão, entre outros. Volz é alemão, radicado em Belo Horizonte. Ele foi diretor geral do Instituto Inhotim entre 2005 e 2007 e diretor artístico de 2007 a 2012. Foi cocurador da Aichi Trienal 2010 de Nagoya, Japão; da 53ª Bienal de Veneza, Itália, em 2009; e curador convidado da 27ª Bienal de São Paulo, em 2006. Entre 2001 e 2004, foi curador do Portikus em Frankfurt, Alemanha. Tem formação em história da arte na Universidade Humboldt, em Berlim. Como crítico de arte, colabora para revistas e publicações especializadas.

Lígia Nobre, arquiteta
Graduada pela FAU – Universidade Mackenzie (São Paulo) e mestre em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo pela Architectural Association School of Architecture (Londres), Ligia Nobre foi cocuradora da X Bienal de Arquitetura de São Paulo. Entre 2002 e 2007, codirigiu a plataforma sem fins lucrativos exo experimental org., em São Paulo, com pesquisas e projetos experimentais nas áreas de urbanismo, artes visuais e dimensões políticas. Recebeu bolsa-residência na Akademie Schloss Solitude (Stuttgart, 2006-2007) e foi assistente de pesquisa e de ensino dos arquitetos Jacques Herzog e Pierre de Meuron no Studio Basel- Contemporary City Institute – ETH (Basileia, Suíça 2007- 2008), além de coeditora do Guia do Copan, de Pablo León de la Barra, e coordenadora da publicação Working at Copan, de Peter Friedl.

Philippe Rahm, artista e arquiteto
Em 2008, Rahm foi um dos vinte arquitetos selecionados por Aaron Betsky para a 11ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Em 2002, representou a Suíça na 8ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Além de ter participado de várias exposições, ministra conferências sobre seu trabalho em universidades como Princeton e Harvard. Atualmente, está envolvido em projetos urbanos públicos e privados na França, Polônia, Itália. Foi Diploma Unit Master na AA School de Londres em 2005-2006, professor convidado na Académie d’Architecture de Mendrisio na Suíça em 2004-2005 na École Polytechnique Féderale de Lausanne (EPFL), entre outras atividades acadêmicas.

ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

Andrade e Morettin
Fundado em 1997, o escritório surgiu da associação dos arquitetos Vinicius Andrade e Marcelo Morettin, ambos formados pela FAUUSP, e atua na área de projetos de arquitetura e urbanismo, tanto para o setor público como para o setor privado.

spbr
O escritório dirigido por Angelo Bucci trabalha em duas frentes complementares: profissional e acadêmica. É um espaço aberto aos encontros, associações e colaborações diversas, que trabalhem de modo solidário para o desenvolvimento de projetos de arquitetura.

gruposp
O escritório é fruto da associação de arquitetos formados em diferentes momentos. Nos últimos anos, tem se dedicado à elaboração de concursos de arquitetura, projetos para ONGs e instituições públicas, além da participação em pesquisas e docência.

SUBdV
Fundado por Anne Save de Beaurecueil e Franklin Lee, o escritório usa computação para gerar geometrias ambientalmente sensíveis para projetos de arquitetura e desenho urbano em todo o mundo.

y Arquitectura
Dos arquitetos e docentes Bernardo Martín e Lucho Oreggioni, nasceu em maio de 2011, com a participação na exposição Post Post Post, em Montevidéu, instalação considerada como seu primeiro projeto de arquitetura.

Tacoa
Fundado em 2005, tem como sócios os arquitetos formados pela FAUUSP Rodrigo Cerviño e Fernando Falcon. Entre os principais projetos do escritório, estão a Galeria Adriana Varejão, no Instituto Inhotim, em Minas Gerais, e a Vila Aspicuelta, em São Paulo.

Usina
Constituído em 1990 por um coletivo de arquitetura, atua principalmente junto aos movimentos sociais com o objetivo de construir experiências territoriais que envolvam a capacidade de planejar, projetar e construir dos próprios trabalhadores.

Posted by Patricia Canetti at 10:12 AM

outubro 13, 2013

Seminário Escavar nas Superfícies no MAR, Rio de Janeiro

O seminário, que conta com a participação de arqueólogos, moradores do morro, filósofos, urbanistas, artistas, educadores, curadores, trata das questões que a atravessam e/ou que movimentam a mostra Turvações Estratigráficas de Yuri Firmeza que acontece paralelamente no MAR.

Participantes: Alan Correia, Clarissa da Costa Moreira, Clarissa Diniz, Felipe Ribeiro, Gleyce Kelly Heitor, Janaina Melo, Julia Baker, Julio Groppa Aquino, Luciana Souza, Luís Antonio dos Santos Baptista, Paulo Herkenhoff, Rafael Borges Deminicis, Sabrina Parracho Sant’Anna, Sylvio Gadelha, Yuri Firmeza

18 e 19 de outubro de 2013, sexta e sábado - inscrições até 14 de outubro

Museu de Arte do Rio - MAR
Praça Mauá 5, Centro, Rio de Janeiro
Inscrições online até o dia 14 de outubro (100 vagas)

PROGRAMAÇÃO

18 de outubro, sexta-feira

10h às 12h mesa Apresentação do projeto da exposição
Reflexão sobre as várias instâncias do processo de criação do projeto do artista Yuri Firmeza.
Palestrantes
Julia Baker (RJ) é assessora curatorial da Gerência de Conteúdo do MAR.
Yuri Firmeza (CE) é artista visual e professor do curso de cinema e audiovisual da Universidade Federal do Ceará.
Artur Cordeiro (SP) é arquiteto e cenógrafo.
Mediação
Mara Pereira (RJ) é educadora supervisora da Gerência de Educação do MAR.

14h às 16h mesa A Educação como Corte
O pensamento como interpelação do presente em detrimento de elocubrações futuristas. Educar não para compreender a história, mas para fraturá-la. Uma educação para o esquecimento.
Palestrantes
Julio Groppa Aquino (SP) é professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
Sylvio Gadelha (CE) é professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará.
Mediação
Janaina Melo (MG) é gerente de Educação do MAR.

17h às 19h mesa Processos de Musealização no Brasil
O lugar dos museus no projeto de modernidade no Brasil. Monumentos da cultura e monumentos da barbárie. O investimento em museus nos processos de revitalizações urbanísticas. O MAR e o contexto do Porto Maravilha.
Palestrantes
Paulo Herkenhoff (RJ) é diretor cultural do MAR.
Sabrina Parracho (RJ) é professora adjunta do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Washington Fajardo (RJ) é presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade.
Mediação
Gleyce Heitor (PE) é assessora pedagógica da Gerência de Educação MAR.

19 de outubro, sábado

10h às 12h mesa Escavar os Alicerces
O eterno retorno da história. Os achados arqueológicos do século XVII, o atual modelo cidade-negócio e as ruínas do presente. A construção social da realidade.
Palestrantes
Luís Antonio dos Santos Baptista (RJ) é professor do Departamento de Psicologia da UFF.
Rafael Borges Deminicis (RJ) é mestre em arqueologia pelo Museu Nacional – UFRJ.
Mediação
Luciana Souza (MG) é assessora de museologia da Gerência de Conteúdo do MAR.

14h às 16h mesa Monumentos e Escombros
A monumentalização das cidades. Políticas públicas e planejamento urbano. Especulação imobiliária e remoções forçadas. O morro da providência, a Secretaria Municipal de Habitação e as casas marcadas.
Palestrantes
Clarissa da Costa Moreira (RJ) é professora da Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense.
Felipe Ribeiro (RJ) é artista visual e professor do Departamento de Artes Corporais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Maurício Hora (RJ) é fotógrafo.
Mediação
Clarissa Diniz (PE) é gerente de Conteúdo do MAR.

17h às 19h mesa A Terra Prometida
O papel do audiovisual na construção simbólica das cidades. A cidade cenográfica e o isolamento da comunidade. Vídeos institucionais, maquetes virtuais e a cidade idílica. Palestrantes
André Parente (RJ) é artista, pesquisador e professor da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Tadeu Capistrano (RJ) é professor do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Mediação
Alan Correia (MG) é gerente de Comunicação do MAR.

PARTICIPANTES

Alan Correia é mestre em ciências da comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Graduou-se em relações públicas pela Universidade Federal de Minas Gerais, mesma universidade onde cursou especialização em gestão de projetos sociais. Tem experiência em assessoria de comunicação para projetos sociais e culturais. Atualmente, é gerente de Comunicação do Museu de Arte do Rio.

Clarissa da Costa Moreira formou-se em arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1994. Tornou-se mestre em urbanismo pelo Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da mesma instituição, em 2002, com a dissertação "A cidade contemporânea entre a tábula rasa e a preservação: cenário para o Porto do Rio de Janeiro". Prêmio nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, em 2003, a dissertação foi publicada pela Editora da Unesp, em 2005. Concluiu doutorado em filosofia da arte e da arquitetura na Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne, em 2007, com a tese "Ville et Devenir: Dogville ou le devenir-village des métropoles", orientada pelo filósofo francês Henri-Pierre Jeudy (LAIOS-CNRS/EHESS) e publicada pela editora Harmattan, em 2009. Foi professora visitante na Escola de Arquitetura Paris-Malaquais, trabalhando sobre projetos urbanos no centro do Rio de Janeiro. De um modo geral, o centro do Rio, e o Porto, especificamente, têm sido constantes objetos de reflexão, propostas e, mesmo, intervenções em seu percurso acadêmico e profissional, desde a graduação, em projeto que recebeu o prêmio Opera Prima, concedido pela Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo, em 1995, até o período em que atuou como gerente do Programa Novas Alternativas da Secretaria Municipal de Habitação. Mais recentemente atuou como consultora na área de reabilitação urbana e introdução do uso habitacional em centros de cidades brasileiras. Em 2011, foi professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de São João del Rei e professora convidada no mestrado em filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Atualmente, é professora da Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense, onde desenvolve o projeto de pesquisa "Cidade em aberto", que inclui a realização de caminhadas no Porto, em parceria com o geógrafo francês Nicolas Bautès. Em 2012, em parceria com o artista visual Alê Souto promoveu um happenning no bairro da Gamboa. Participa da rede transnacional Universidade Nômade, composta por militantes, intelectuais, artistas, grupos de pesquisa e coletivos.

Clarissa Diniz é crítica de arte, graduada em licenciatura em educação artística/artes plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É editora da Tatuí, revista de crítica de arte. Publicou os livros Crachá – aspectos da legitimação artística (2008), Gilberto Freyre (2010) – em coautoria com Gleyce Heitor –; Montez Magno ( 2010, em coautoria com Paulo Herkenhoff e Luiz Carlos Monteiro); e Crítica de arte em Pernambuco: escritos do século XX (coautoria com Gleyce Heitor e Paulo Marcondes Soares (2012). Entre as curadorias desenvolvidas, destacam-se O abrigo e o terreno (cocuradoria com Paulo Herkenhoff), no MAR, Rio de Janeiro, 2013; Zona tórrida – certa pintura do Nordeste (cocuradoria com Paulo Herkenhoff), no. Santander Cultural, Recife, 2012; Contrapensamento selvagem (cocuradoria com Cayo Honorato, Orlando Maneschy e Paulo Herkenhoff), no Itaú Cultural, São Paulo, 2011; Refrações – arte contemporânea em Alagoas (cocuradoria com Bitu Cassundé), na Pinacoteca da Ufal, Maceió, 2010; e contidonãocontido (cocuradoria com Maria do Carmo Nino e EducAtivo Mamam), no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife, 2010. Foi curadora assistente do Programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais 2008-2009 e, entre 2008 e 2010, integrou o Grupo de Críticos do Centro Cultural São Paulo. Atualmente, é gerente de Conteúdo do Museu de Arte do Rio.

Felipe Ribeiro é artista interdisciplinar, professor do Departamento de Artes Corporais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutorando do Instituto de Artes Visuais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e mestre em cinema studies pela New York University. Escreveu e dirigiu Trans-Tv, em que atores contracenavam com imagens editadas ao vivo, projetadas sobre um plano-relevo. Em parceria com a coreógrafa Denise Stutz, realizou os espetáculos de dança e vídeo Espalha pra Geral! e Justo uma Imagem. Atualmente, ambos trabalham na montagem de Eu, um Branco.

Gleyce Kelly Heitor é graduada em licenciatura em história pela Universidade Federal de Pernambuco e mestre em museologia e patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Desde 2005 trabalha com educação em museus no desenvolvimento de projetos de mediação cultural, de pesquisas e de formações com professores sobre história dos museus, história da arte e arte contemporânea. Atuou nos programas educativos do Instituto Ricardo Brennand, Museu Murillo La Greca, Fundação Joaquim Nabuco e Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Atualmente, é assessora pedagógica no Museu de Arte do Rio.

Janaina Melo é historiadora com pós-graduação em ensino e pesquisa em arte contemporânea pela Escola Guignard da Universidade Estadual de Minas Gerais. Foi professora da mesma instituição entre 2009 e 2012 e curadora educativa do Instituto Inhotim de 2008 a 2012. Atualmente é gerente de Educação do Museu de Arte do Rio.

Julia Baker é formada em ciências sociais pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro e produção cultural pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente, cursa a pós-graduação em história da arte e da arquitetura no Brasil na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Já participou de diversos cursos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, entre eles o programa Fundamentação – com os professores Franz Manata, Guilherme Bueno e Orlando Molica – e Workshop de Curadoria e Crítica – com os professores Guilherme Bueno, Felipe Scovino e Daniela Labra. Participou com artigos no I Congresso de Engenharia do Entretenimento e no II Encontro Nacional de Estudos do Consumo. É coautora do artigo Civilização como bárbarie, publicado na Revista Global em 2012.

Julio Groppa Aquino é professor associado (livre-docente) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, onde realiza atividades de docência, pesquisa e extensão voltadas à formação docente inicial e continuada. É também pesquisador do CNPq e da Fapesp. Graduado pela Universidade Estadual de São Paulo (1987), cursou o mestrado (1990) e o doutorado (1995) no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, e o pós-doutorado (2003) na Universidade de Barcelona. É autor, coautor e organizador de mais de duas dezenas de obras dedicadas aos impasses concretos da educação brasileira e, em particular, seus efeitos desagregadores sobre o éthos docente.

Luciana Souza é graduada em história pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em museologia e patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atuou como historiadora do Grupo Memória Arquitetura, pesquisando bens tombados e registrados por municípios de Minas Gerais. Atualmente é assistente de museologia do Museu de Arte do Rio.

Luís Antonio dos Santos Baptista é professor titular do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação Estudos da Subjetividade da Universidade Federal Fluminense. Doutor em psicologia pela Universidade de São Paulo, realizou o estágio de pós-doutorado no Departamento de Sociologia Urbana da Universidade de Roma. Entre outros, publicou os livros A cidade dos sábios (Summus, 1999), A fábrica de interiores, A formação psi em questão (Eduff, 2000), O veludo, o vidro e o plástico e Diversidade e desigualdade na metrópole (2ª edição, Eduff, 2012).

Paulo Herkenhoff é crítico de arte e curador. Dirigiu o Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte, entre 1983 e 1985. Foi curador-chefe do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, entre 1985 e 1990, e diretor do Museu Nacional de Belas Artes, de 2003 a 2006. Foi curador geral da 24ª Bienal Internacional de Artes de São Paulo, em 1998, e curador do The Museum of Modern Art, Nova York. Entre exposições curadas, destacam-se Guignard e o Oriente: China, Japão e Minas, no Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, 2010; Guillermo Kuitca, no Museu Reina Sofia, Madri; e Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires, 2003; Tempo, no The Museum of Modern Art, Nova York, 2002; Cildo Meireles, geografia do Brasil, no Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães, Recife, e Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador, 2002; Arte brasileira na coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, 2002; e Trajetória da luz na arte brasileira, Itaú Cultural, São Paulo, 2001. Realizou palestras em universidades de vários continentes e tem textos publicados em revistas, catálogos e livros de instituições como a Tate Modern (Londres), o Centre Georges Pompidou (Paris), o Museu de Arte Moderna de Paris, a Fondació Antoni Tàpies (Barcelona), entre outras. Atualmente, é diretor cultural do Museu de Arte do Rio.

Rafael Borges Deminicis é historiador graduado pela Universidade Federal Fluminense, mestre em sociologia política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense, mestre em arqueologia pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador no campo da história de temas como movimento operário, sindicalismo revolucionário, anarquismo no Brasil e história da China; e na sociologia, de temas como movimentos sociais e teoria dos movimentos sociais. Na arqueologia, tem experiência com pesquisas em arqueologia histórica e arqueologia de sociedades tribais remotas ou indígenas no Brasil. Atua há mais de oito anos em projetos de preservação do patrimônio cultural.

Sabrina Parracho Sant’Anna é doutora em sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, professora adjunta da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da mesma universidade. Especialista em sociologia da cultura e sociologia da arte, tem pesquisado museus e memória. Publicou Construindo a memória do futuro: uma análise da fundação do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, (Editora FGV, 2011).

Sylvio Gadelha graduou-se em psicologia pela Universidade Federal do Ceará. É especialista em psicopedagogia pelo Instituto Sedes Sapientiae, mestre em sociologia pela Universidade Federal do Ceará, doutor em educação pela Universidade Federal do Ceará/Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-doutor em educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Atua como professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará, como professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da mesma instituição e professor do Programa de Pós-Graduação em Artes do Instituto de Cultura e Artes da Universidade Federal do Ceará. Possui vários artigos e livros publicados nas áreas de psicologia e filosofia da educação. Foi co-organizador de várias edições do Simpósio Nietzsche e Deleuze, em Fortaleza.

Yuri Firmeza é professor do curso de cinema e audiovisual da Universidade Federal do Ceará. É mestre em poéticas visuais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – financiado por bolsa de pesquisa Fapesp. Realizou exposições em diversas cidades do Brasil e do exterior. Foi curador – em parceria com Beatriz Lemos – do Encontro Sul-Americano Inventando o Lugar; do ciclo de conferências internacional A Imagem-Pensamento de Letícia Parente – em parceria com André Parente e Solon Ribeiro –; e do Simpósio Internacional A Vida Secreta dos Objetos, edição em Fortaleza – em parceria com Cesar Baio. Publicou textos em jornais e revistas de arte e cultura.

Posted by Patricia Canetti at 7:40 AM

Palestra de Katia Maciel, seguida de lançamento do livro “Poesia e videoarte”, na EAV Parque Lage, Rio de Janeiro

A artista Katia Maciel vai falar ao público, no dia 16 de outubro, das 13h às 17h, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage – espaço da Secretaria de Estado de Cultura – sobre noções de repetição, relação e duração presentes em seu trabalho. A palestra “Repetir é esquecer o esquecimento...” faz parte do evento “Cinemáticos: cinemas de artista no Brasil” – um seminário fruto de uma parceria do Núcleo de Tecnologia da Imagem (N-Imagem) da Escola de Comunicação da UFRJ com o Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR) e apoio da FUNARTE, da FAPERJ e da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. O objetivo é mostrar ao público interessado a produção de filmes, vídeos e instalações experimentais realizadas por artistas brasileiros contemporâneos.

Após a palestra, vai ser lançado o livro “Poesia e videoarte”, escrito pelos artistas e pesquisadores Renato Rezende e Katia Maciel. A obra contribui de forma original para o pensamento da poesia no campo expandido, ao atualizá-la sob o viés da produção contemporânea e, especificamente, da presença do vídeo, também como parte de ambientes performativos e instalações.

Posted by Patricia Canetti at 7:08 AM

Zonas de Reflexão: encontros debatem a linguagem vídeo nos anos 80 no Sesc Pompeia, São Paulo

O Videobrasil promove um seminário para debater a linguagem vídeo no contexto histórico dos anos 80 no Brasil. O evento, que acontecerá no Sesc Pompeia, integra a programação do 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, cujas mostras inauguram em novembro e que celebra 30 anos de existência. O debate abrange temas suscitados pela emergência das experimentações em vídeo naquele momento, quando a cena brasileira de videoarte ainda se configurava. Em meio à dissolução do regime militar, a televisão surgia no imaginário de uma geração como um espaço para revelar outras vozes, culturas e expressões.

Palestrantes: José Celso Martinez Corrêa, Marcelo Machado, Marcelo Tas, Pedro Vieira, Tadeu Jungle, Walter Silveira

16 e 17 de outubro de 2013, quarta e quinta-feira, às 20h

Sesc Pompeia
Rua Clélia 93, São Paulo

APRESENTAÇÃO

O encontro dá prosseguimento aos novos Programas Públicos Videobrasil, que se organizam em três frentes de ação: uma plataforma online colaborativa de produção de conteúdos e pesquisa, com uma estrutura rizomática, em que contribuições de diferentes disciplinas revelam associações e excitam novas possibilidades de pensamento; Ativações – encontros voltados à renovação das experiências e percursos no espaço expositivo; e Zonas de Reflexão, debates públicos como estes dos dias 16 e 17 de outubro.

Os Programas Públicos buscam provocar experiências e debates que iluminam e expandem temas e questionamentos que surgem da pesquisa curatorial do Videobrasil. O Videobrasil se dedica a pensar e difundir o Sul geopolítico, como território complexo e movente, um conjunto de culturas que têm muito com que contribuir mutuamente, em processos de coexistência e dissolução. Assim, os Programas Públicos pretendem criar um espaço multidisciplinar, um ambiente de pensamento e troca que extrapole o campo da arte e dialogue com outras áreas do conhecimento, como um laboratório de interações e experimentações, com participação direta e horizontal.

Nesses dois dias, o seminário tratará do tema a partir de uma multiplicidade de vozes: na primeira mesa, que reúne José Celso Martinez Corrêa, Tadeu Jungle, Walter Silveira e Pedro Vieira, experiências como as do Teatro Oficina e da produtora TVDO, assim como o legado de Glauber Rocha, Oswald de Andrade e Chacrinha, entre outros temas, servirão de mote para analisar a contribuição do vídeo para a materialização de ideias e questionamentos. Já no segundo encontro, Fernando Meirelles, Marcelo Tas, Marcelo Machado e Goulart de Andrade desenvolverão essa análise, principalmente à luz do espaço criado pelo Videobrasil, primeiro festival regular dedicado ao vídeo. Ambos os encontros incluem a exibição de trabalhos integrantes do Acervo Videobrasil.

PROGRAMAÇÃO

16 de outubro, quarta-feira, às 20h
Zona de Reflexão | Tudo pode ser um programa de televisão
Com José Celso Martinez Corrêa, Tadeu Jungle, Walter Silveira e Pedro Vieira

17 de outubro, quinta-feira, às 20h
Zona de Reflexão | Invadir a programação
com Fernando Meirelles, Marcelo Tas, Marcelo Machado e Goulart de Andrade

Posted by Patricia Canetti at 6:50 AM

Café D'Atelier - Arte contemporânea e processo criativo com Fernanda Chieco no atelier a pipa, São Paulo

Café D'Atelier - Arte contemporânea e processo criativo

Série de atividades inspiradas em situações informais, onde os artistas se encontram para tomar café e conversar sobre os seus trabalhos, projetos e questões profissionais. O curso é constituído por dez encontros que englobarão uma verdadeira maratona de discussões sobre arte contemporânea, processos de criação e análises de portfólio.

Com a artista Fernanda Chieco

De 15 de outubro a 17 de dezembro de 2013, terças-feiras, das 16h às 19h (10 encontros X 3 horas) - R$600 ou 2 X R$325

Atelier A Pipa
Rua Fidalga 958, Vila Madalena, São Paulo
Inscrições e informações: 11-2506-0096 ou email

SOBRE O CURSO
Os encontros realizados durante o Café D'Atelier têm como objetivo principal instigar, fervorosamente, diálogos entre os participantes, incentivando uma dinâmica de produção de trabalhos e elaboração de discursos críticos.

Durante a primeira hora de cada encontro, a artista plástica Fernanda Chieco realizará uma aula expositiva sobre arte contemporânea, explorando assuntos pertinentes aos interesses do grupo.

As duas horas seguintes serão dedicadas as apresentações individuais. Aqui, os participantes terão a oportunidade de apresentar ao grupo seus trabalhos/projetos/pesquisas a serem comentados livremente, sob a orientação de Fernanda Chieco.

FERNANDA CHIECO
Fernanda Chieco é artista, formada pela ECA/USP, mestre em Artes Visuais pelo Goldsmiths College, University of London. Tem participado de diversas exposições e residências artísticas no Brasil e no exterior. Atualmente é representada pelas galerias Eduardo Fernandes e Laura Marsiaj. Sua prática é principalmente voltada à produção de desenhos, objetos e instalações.

Posted by Patricia Canetti at 6:34 AM

Workshop Arte e Mobilidade: Múltiplas Direções com Claudio Bueno no Paço das Artes, São Paulo

O artista multimídia Claudio Bueno ministra uma oficina teórico-prática, que abordará múltiplas noções de mobilidade na arte. Bueno discutirá o tema tanto sob a perspectiva de circulação das obras, dos artistas e das práticas site-specific, quanto das manifestações mais recentes com dispositivos tecnológicos móveis.

15, 16 e 17 de outubro de 2013, terça a quinta-feira, das 14h às 18h

Paço das Artes
Avenida da Universidade 1, Cidade Universitária, São Paulo
Inscrições: 11-3814-4832 ou e-mail
Atividade gratuita – inscrições abertas (20 vagas)

Claudio Bueno é artista, doutorando em artes visuais na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e professor do Istituto Europeo di Design (IED). Por meio de performances e instalações, seus trabalhos articulam principalmente noções de espaço, corpo, participação, redes e informação. Para saber mais, acesse: www.buenozdiaz.net

Posted by Patricia Canetti at 6:08 AM

outubro 2, 2013

Dynamic Encounters - Inhotim

Após 21 anos de atuação e mais de 100 viagens nacionais e internacionais, o Dynamic Encounters considera o museu do Inhotim um dos lugares mais apropriados para suas atividades educacionais. Composto de vários pavilhões, Inhotim é um espaço em transformação onde a arte convive em relação única com a natureza e onde existe um acervo de importância internacional de aproximadamente 500 obras de mais de 100 artistas, entre eles: Adriana Varejão, Anri Sala, Chris Burden, Cildo Meireles, Dan Graham, Dominique Gonzalez-Foerster, Doris Salcedo, Doug Aitken, Ernesto Neto, Giuseppe Penone, Hélio Oiticica, Janet Cardiff & George Bures Miller, Janine Antoni, Jarbas Lopes, Jorge Macchi, Lygia Pape, Luiz Zerbini, Matthew Barney, Olafur Eliasson, Pipilotti Rist, Rirkrit Tiravanija, Rivane Neuenschwander, Simon Starling, Tunga, Valeska Soares, Vik Muniz

Professores: Charles Watson e Paulo Miyada

14 a 17 de novembro de 2013

Dynamic Encounters
Informações: 21-2553-3748 / 9224 ou por email

PROGRAMAÇÃO

14 de novembro, quinta-feira
13h - Traslado ao hotel
(Para aqueles que não forem usar o traslado do grupo, existe conexões do aeroporto de Confins até o centro de Belo Horizonte: ônibus executivo 5260 e ônibus convencional 5250, com partida do aeroporto a cada meia hora, o ponto final sendo na Av. Álvares Cabral 387. O Hotel encontra-se na Av. Álvares Cabral 1181.)
14h30 - Check in no hotel
Hotel San Diego Suites, Av. Álvares Cabral 1181, Lourdes, Belo Horizonte
19h - Reunião com Charles - lobby hotel
Apresentação do projeto, da equipe, da programação e respostas a eventuais dúvidas,
20h15 - Jantar do grupo

15 de novembro, sexta-feira
7h - Café da manhã
8h - Traslado ao complexo museológico Inhotim
9h30 - Galeria Praça
Obras: Abre a Porta John Ahearn e Rigoberto Torres, Forty Part Motet Janet Cardiff, Copulônia Ernesto Neto, Public Sculture Alexandre da Cunha, Rodoviária de Brumadinho John Ahearn e Rigoberto Torres, Swoon Janine Antoni
Galeria Cildo Meireles: Através, Glove Trotter
12h30 - Almoço
13h45 - Galeria Fonte
Obras: The Last Silent Movie Susan Hiller, La VI historia del rostro (El Rojo Cmino Negro) e Ninguna huella (Ahorcado Negro) – da série Pintura aeropostal Eugenio Dittborn, Strassenfest Isa Genzken, Fragmento Brasil Lothar Baumgarten, Once upon a time Steve Mcqueen
Galeria Adriana Varejão: Carnívoras, Celacanto provoca maremoto, Linda do rosário, O colecionador, Panacea Phantastica, Passarinhos de Inhotim a Demini
Galeria Lygia Pape: TTeia 1C
16h30 - Traslado ao hotel
20h - Jantar livre

16 de novembro, sábado
7h - Café da manhã
8h - Traslado ao complexo museológico Inhotim
9h30 - Doug Aitken: Sonic Pavilion 2009
Matthew Barney: De lama lâmina
Galeria Doris Salcedo: Neither
12h30 - Almoço
13h45 - Galeria Lago: Confronto (da série Unos Mundus) Cinthia Marcelle, Samson Chris Burden, Restore Now Thomas Hirschhorn
Galeria Jardins: Bisected triangle, Interior curve Dan Graham, Boxhead Paul McCarthy, By Means of a Sudden intuitive realization Olafur Eliasson, Deleite Tunga,
Escultura para todos os materiais não transparentes Waltércio Caldas, Gigante Dobrada Amílcar de Castro, Inmensa Cildo Meireles, Pioneer Saint Clair Cemin, Sem Título Edgard de Souza, The Mahogany Pavillion (Mobile Architecture No.1) Simon Starling
15h - Matthew Barney: De lama lâmina
Hélio Oiticica: Penetrável Magic Square #5
Galeria Mata: Drawing (as a drop I am going of my home) Diango Hernandez, Máquina do mundo Laura Vince, Seção diagonal Marcius Galan
17h30 - Traslado ao hotel
20h - Jantar livre

17 de novembro, domingo
7h - Café da manhã
8h - Traslado ao complexo museológico Inhotim
9h30 - Chris Burden: Beam Drop Inhotim, Beehive bunker
Jorge Macchi: Piscina
Giuseppe Penone: Elevazione
Galeria Cosmococas: Cosmococas #1 a 5
Jarbas Lopes: Troca-troca
12h30 - Almoço
13h30 - Galpão Cardiff & Miller: The murder of crows 2008
Galeria Tunga: A bela e a fera, Ão, Palíndromo incesto, Sem título da Série Vanguarda Viperina
15h30 - Traslado para o aeroporto de Confins

PROFESSORES / EQUIPE

Charles Watson, professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage - RJ
Paulo Miyada, curador e professor do Instituto Tomie Ohtake – SP

Posted by Patricia Canetti at 9:36 AM

Dynamic Encounters - Bienal Mercosul

O Dynamic Encounters realiza há vinte e um anos workshops com foco em arte contemporânea e, em outubro de 2013, fará uma programação especial em Porto Alegre. A cidade é sede da 9ª Bienal Mercosul, Se o clima for favorável. O título é um convite para refletir sobre quando e como, por quem e por que certos trabalhos de arte e ideias ganham ou perdem visibilidade em um dado momento no tempo. Esta edição da bienal pode ser considerada um ambiente para defrontar-se com recursos naturais sob uma nova luz, e especular sobre as bases que marcaram distinções entre descoberta e invenção, assim como os valores de sustentabilidade e entropia.

Professores: Charles Watson, Frederico Carvalho, Paulo Miyada, Pedro França

10 a 13 de outubro de 2013

Dynamic Encounters
Informações: 21-2553-3748 / 9224 ou bcawats@attglobal.net

PROGRAMAÇÃO

Para além da Bienal Mercosul, o grupo de alunos fará visitas acompanhado por uma equipe de professores a ateliês de artistas e exposições em destacadas instituições culturais ao longo dos 4 dias em Porto Alegre.

Alguns artistas da Bienal Mercosul: Allora & Calzadilla, Bik Van der Pol, Cao Fei, Carolyn Christov Barkagiev, Cinthia Marcelle, Daniel Steegmann Mangrané, David Medalla, Eduardo Kac, Erika Verzutti, Hans Haacke, Mario Garcia Torres, Mira Schendel, Robert Rauschenberg, Sara Ramo, Thiago Rocha Pitta, Tony Smith

10 de outubro, quinta-feira
12h - Chegada em Porto Alegre
13h - Almoço
14h30 - Bienal Mercosul, Santander Cultural

11 de outubro, sexta-feira
8h - Café da manhã
9h30 - Saída do hotel
10h - Bienal Mercosul, MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul
12h - Almoço
14h - Bienal Mercosul, Memorial do Rio Grande do Sul

12 de outubro, sábado
8h - Café da manhã
9h - Saída do hotel
10h - Ateliê
12h - Almoço
14h - Fundação Iberê Camargo:

Alfabeto Infinito
A questão “é o mundo que se organiza para que possamos decodificá-lo ou somos nós que projetamos significado sobre as coisas?” é o ponto de partida desta exposição e da pesquisa artística de Angela Detanico e Rafael Laim. A exposição apresenta 10 anos de reflexão dos artistas sobre sentido e representação gráfica, sobre relações entre abstrato e concreto, forma e conteúdo, coisas e seus nomes, a imagem, o texto, o som.

Xico, Vasco e Iberê – O ponto de convergência
Uma exposição enxuta e direta como o trabalho desses artistas. Organiza-se a partir da produção que se inaugura com a volta de Iberê Camargo para Porto Alegre, no começo dos anos 1980, depois de uma longa temporada no Rio de Janeiro.

13 de outubro, domingo
8h - Café da manhã
9h - Saída do hotel
10h - Bienal Mercosul, Usina do Gasômetro
12h - Almoço
14h30 - Ateliê
16h - Fim da programação

PROFESSORES / EQUIPE

Charles Watson - professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage – RJ
Frederico Carvalho - professor da UFRJ e da Escola de Artes Visuais do Parque Lage – RJ
Paulo Miyada - curador e professor do Instituto Tomie Ohtake – SP
Pedro França - professor do Instituto Tomie Ohtake e do MAM – SP

Posted by Patricia Canetti at 9:15 AM