Página inicial

Cursos e Seminários

 


setembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

setembro 22, 2020

Trajetórias internacionais da arte latino-americana no IAC Online

IAC promove o curso Trajetórias internacionais da arte latino-americana: antecedentes históricos, desenvolvimentos recentes, tendências e desafios do processo de internacionalização.

Neste curso, tendo como pano de fundo um mundo globalizado e desigual, pretende-se discutir criticamente a internacionalização da arte brasileira e latino-americana, e também a internacionalização da perspectiva das instituições, importante tanto para a sua sustentabilidade e desenvolvimento, quanto para o processo de pesquisa, reconhecimento, validação e valoração artística. Quais as determinantes, os caminhos, as estratégias, as condições e as medidas da internacionalização? Qual a importância e o impacto da internacionalização no funcionamento do sistema da arte brasileiro e de suas diferentes instâncias? De que forma os agentes do sistema das artes participam do debate internacional? Como o atual contexto da pandemia covid19, com a suspensão por um período indeterminado das viagens internacionais, transforma os modelos de internacionalização que observamos até recentemente?

Com Gabriel Pérez-Barreiro, Kiki Mazzuchelli, Jacopo Crivelli Visconti e coordenação / concepção de Ana Letícia Fialho

29 de setembro, 6, 13 e 20 de outubro de 2020, terças-feiras, das 10h às 12h

O curso acontece na plataforma Zoom e é dirigido a profissionais que atuam no sistema das artes visuais, artistas, estudantes, professores e pesquisadores. 30 vagas / R$300,00. Regulamento, condições, formas de pagamento e política de descontos AQUI. Dúvidas e inscrições: cursos@iacbrasil.org.br

PROGRAMA DE AULAS

Calendário: 29 de setembro, Gabriel Pérez-Barreiro; 6 de outubro, Kiki Mazzuccheli; 13 de outubro, Ana Letícia Fialho; 20 de outubro, Jacopo Crivelli Visconti.

Aula 1 - (29 de setembro): Os caminhos da internacionalização - antecedentes históricos 1

Convidado: Gabriel Pérez-Barreiro

Entre a identidade e o universalismo: arte latino-americana no cenário internacional

A internacionalização da arte latino-americana nos contextos europeu e estadounidense se gera por vários fatores e com diferentes ideologias ao longo do tempo. Nesta aula faremos um repasse histórico por momentos chaves nesse processo, analisando os modelos de construção de narrativas curatoriais e estruturas ideológicas desde 1990 até 2010. Como casos de estudo veremos exposições como Art in Latin America (Hayward Gallery), Brazil: Body and Soul (Guggenheim), Latin American Artists of the 20th Century (MoMA), Heterotopias (Reina Sofia) e outros para analisar os modelos atuantes de forma crítica. Faremos uma análise específico da arte abstrata/concreta nessemodelos, e os desafios específicos dessa linguagem ‘internacional’ nos modelos identitários da arte latino-americana.

Aula 2 - (6 de outubro): Os caminhos da internacionalização - antecedentes históricos 2

Convidada: Kiki Mazzucchelli

A expansão das fronteiras do mundo da arte, das bienais às feiras, o lugar da América Latina no mapa internacional das artes.

Proposta resumida

Neste curso propomos discutir criticamente o processo de internacionalização da arte latino-americana e brasileira, partindo de uma perspectiva histórica para pensar as transformações e desafios dos processos de internacionalização no atual contexto da crise desencadeada pela pandemia da covid 19.

Quais as determinantes, os caminhos, as estratégias, as condições e as medidas da internacionalização da arte da Latino-americana? Qual a importância e o impacto da internacionalização no funcionamento do sistema da arte brasileiro e de suas diferentes instâncias? De que forma os agentes do sistema das artes participam do debate internacional? Como o atual contexto da pandemia covid19, com a redução/suspensão por um período indeterminado das viagens internacionais, transforma os modelos de internacionalização que observamos até recentemente?

A partir da virada do século XXI, a internacionalização da arte brasileira vem passando por um processo de aceleração inédito em sua história. Tomando a 24a. Bienal de São Paulo (1998), com curadoria de Paulo Herkenhoff, como um importante ponto de inflexão, esta apresentação examinará o papel dos diferentes agentes deste processo ao longo dos últimos 20 anos. De uma perspectiva interna, serão discutidos a expansão e a profissionalização do panorama institucional e do mercado, bem como a criação de um circuito de feiras de arte regionais. No âmbito internacional, serão examinados alguns dos principais mecanismos de inserção da arte brasileira, incluindo a participação em bienais e exposições institucionais, a representação por galerias estrangeiras, as residências artísticas e os comitês de aquisição dos grandes museus.

Aula 3 - (13 de outubro): Determinantes, caminhos, estratégias, condições e medidas da internacionalização do sistema da contemporânea no Brasil a partir dos anos 2000

Ana Leticia Fialho

Da visibilidade ao reconhecimento internacional, o crescente protagonismo do mercado de arte

No Brasil, o sistema da arte contemporânea registrou recentemente um período bastante positivo, de grande visibilidade, dinamismo, expansão e internacionalização. Nesse processo, o crescimento do mercado e os interesses mobilizados por seus agentes parecem ter sido determinantes. Neste encontro, discutiremos o protagonismo do mercado no funcionamento do sistema da arte no Brasil e o seu papel no processo de internacionalização da arte brasileira na última década.

Aula 4 - (20 de outubro): Desafios, transformações e tendências: arte contemporânea e internacionalização

Convidado: Jacopo Crivelli Visconti

Arte contemporânea e internacionalização - reflexões a partir do projeto da 34a Bienal de São Paulo.

A Bienal de São Paulo foi concebida nos anos 1950 para colocar o Brasil no mapa da produção artística contemporânea da época. Mesmo com todas as ressalvas que podem e devem ser feitas hoje a uma divisão do sistema da arte em centros hegemônicos e periferias, da qual a proliferação de bienais pelo mundo é fruto, a Bienal de São Paulo mantém uma grande importância no panorama nacional e latino-americano. O projeto da 34a Bienal, com sua expansão no tempo e no espaço, reforça o papel da Bienal e sua relação vibrante com outras instituições da cidade, buscando tanto a definitiva internacionalização do cenário, quanto aprofundar e matizar a relação com os diversos públicos locais. Este encontro apresenta um sucinto histórico de edições da Bienal particularmente relevantes no processo de internacionalização da arte brasileira e latino-americana, até chegar no processo, ainda em curso, de concepção e construção da 34a Bienal.

PALESTRANTES

Ana Letícia Fialho é gestora cultural, professora e pesquisadora. É atualmente professora visitante do Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Doutora em Ciências da Arte e da Linguagem na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais - EHESS/Paris, Mestre em Gestão Cultural na Universidade de Lyon II e Bacharel em Direito pela UFRGS. Foi Diretora do Departamento de Estratégia Produtiva da Secretaria da Economia da Cultura do Ministerio da Cultura de 2016 a 2018, Consultora em Inteligência Comercial e Coordenadora de Pesquisa do Programa Latitude/Associação Brasileira de Arte Contemporânea entre 2012 e 2019 e Curadora Executiva do Fórum Permanente de 2007 a 2013. Participou de diversas publicações, entre elas, Sociologia das artes visuais no Brasil (Ed. SENAC, 2012), O valor da obra de arte (org. GRACA-COUTO, Ronaldo, Metalivros, 2014); Art et société : Recherches récentes et regards croisés, Brésil/France. (org. QUEMIN, Alain: VILLAS BÕAS, Gláucia., Marseille: OpenEdition Press, 2016). É co-organizadora, com Leandro Valiati, do Atlas Econômico da Cultura Brasileira (MINC/UFRGS, 2017), finalista do prêmio Jabuti em 2018.

Gabriel Pérez-Barreiro é curador e historiador da arte. Foi diretor e curador chefe da Coleção Patricia Phelps de Cisneros (2008-2018), atualmente é assessor sénior da Coleção. Curador da 33ª Bienal de São Paulo (2018). De 2002 a 2008 foi curador de arte latinoamericana no Blanton Museum of Art da Universidade do Texas em Austin. Em 2007 foi curador geral da VI Bienal do Mercosul em Porto Alegre. É doutor em Teoria e História da Arte pela Universidade de Essex, Reino Unido, e mestrado em história da arte e estudos latinoamericanos pela Universidade de Aberdeen. De 2000 a 2002 foi diretor de artes visuais da The Americas Society em Nova York. Foi também coordenador de exposições na Casa de América em Madrid. De 1993 a 1998 foi curador fundador da Coleção de Arte Latino Americana da Universidade de Essex. Publicou varios libros e artigos sobre história da arte iberoamericana e tem participado de conferências em diversas universidades pelo mundo.

Kiki Mazzucchelli é curadora independente, editora e escritora. Entre suas exposições recentes, encontram-se Flávio de Carvalho (S2 Gallery, Londres / Galeria Almeida & Dale, São Paulo, 2019), Conjuro de ríos - Selva Cosmopolítica (Museo de Arte de la Universidad Nacional, Bogotá, Colombia, 2018) e Site Santa Fe Biennial (Site Santa Fe, Novo México, 2016). É autora de diversos ensaios e publicações com foco em artistas da América Latina e organizou as monografias de Tonico Lemos Auad (Koenig, Londres, 2018) e Marcelo Cidade: Empena Cega (Cobogó, Rio de Janeiro, 2016).

Jacopo Crivelli Visconti é crítico e curador independente. Doutor em Arquitetura pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Novas derivas (2014). É curador da 34ª Bienal de São Paulo (2020). Entre seus trabalhos recentes mais representativos estão: Untimely, Again, Pavilhão da República de Chipre – 58ª Biennale di Venezia (2019); Brasile – Il coltello nella carne, Padiglione d’arte contemporanea, Milão (2018); Matriz do tempo real, Museu de Arte Contemporânea da USP (2018); Memories of Underdevelopment, Museum of Contemporary Art of San Diego (2017); Héctor Zamora – Dinâmica não linear, Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo (2016); Sean Scully, Pinacoteca do Estado de São Paulo (2015); Ir para volver, 12a Bienal de Cuenca (2014). É colaborador regular de revistas de arte contemporânea, arquitetura e design, além de escrever para catálogos de exposições e monografias de artistas.

Posted by Patricia Canetti at 9:24 AM