Página inicial

Cursos e Seminários

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
As últimas:
 

abril 2, 2007

Trânsitos do Pensamento - Programação de cursos na Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro

Trânsitos do Pensamento - Programação de cursos na Fundação Eva Klabin

Inscrições abertas

Fundação Eva Klabin
Av Epitácio Pessoa 2480, Lagoa, Rio de Janeiro - RJ
21-2523-3471 ou cultura@evaklabin.org.br
www.evaklabin.org.br

Trânsitos do Pensamento - Programação:

Sintaxes contemporâneas, com Anna Bella Geiger
Horário: quintas, 17h
Período: 19 de abril a 10 de maio de 2007
Preço: R$ 220 (2 parcelas de R$ 110)

A produção de arte contemporânea tem se caracterizado pela falta de um estilo comum. Através do uso de uma imensa variedade de técnicas e suportes considerados não-tradicionais tem criado novas estratégias, conceitos e procedimentos. Não sendo a fruição visual a única questão a ser considerada, produzir um trabalho hoje significa repensar a própria idéia de arte, seus suportes, suas convenções e seus limites. O objeto de arte deve ser entendido como materialização de idéias, que não só refletem, mas atuam no nosso contexto cultural. Idéias estas profundamente relacionadas com a nossa época e conseqüentemente com a própria história da arte.
12 abril - Suportes tradicionais da arte x multiplicidade de suportes na arte contemporânea.
19 abril - Media (Mídia) e Arte: a desestabilização dos limites entre Arte e Cultura de Massa.
26 abril - A multiplicação das imagens: crise do "original". As técnicas de reprodução e suas conseqüências.
03 maio - Metáfora da matéria ou verdade dos materiais? A função poética dos materiais e seu poder de gerar significados.


Arte Conceitual: algumas aproximações, com Ricardo Basbaum
Horário:segundas, 19h
Período: 8 a 29 de maio de 2007
Preço: R$ 220 (2 parcelas de R$ 110)

O curso se propõe a levantar as principais questões associadas à chamada 'arte conceitual'. Além de apontar para o contexto histórico de sua emergência, dentro do panorama da arte contemporânea do final do século XX - destacando os principais artistas e críticos envolvidos, internacionais e brasileiros -, serão indicados os tópicos significativos que configuram sua permanência e pertinência para a discussão dos desdobramentos recentes da arte, já no início deste novo século, tanto no Brasil como no exterior.
08 maio - "Arte conceitual x conceitualismo". O surgimento da arte conceitual como corrente particular da arte contemporânea,dentro dos anos 1960, confrontado com a presença de uma vertente conceitualista mais ampla, que aponta o conceitualismo como traço característico da contemporaneidade artística, que se instala desde meados dos anos 1950.
15 maio - "Relações entre arte conceitual, linguagem e filosofia". Os artistas conceituais reivindicaram uma nova relação entre obra de arte e texto. Em que medida isto aponta para um impasse da produção sensível? Como palavra e imagem podem reciprocamente potencializar-se? Aproximações entre arte e filosofia.
22 maio - "Arte Conceitual, circuito de arte, sistema de arte". A noção de circuito ou sistema de arte é uma das principais conseqüências da prática dos artistas conceituais. Em que medida esta forma de compreensão modifica a produção e recepção da obra de arte?
29 maio - "Possibilidades e desvios do conceitualismo: politização e organicidade". A recepção da arte conceitual e sua contextualização na arte brasileira recente. Possibilidades de seu desdobramento dentro do novo regime político-econômico globalizado. Presença de um conceitualismo 'naturalizado' e perspectivas de repotencialização.


Poéticas do infinito. Convergências entre arte, ciência e filosofia, com Luiz Guilherme Vergara
Horário:segundas, 19h
Período: 4 a 25 de junho de 2007
Preço: R$ 220 (2 parcelas de R$ 110)

O curso propõe apresentar através do conceito de "Poéticas do Infinito" uma arqueologia da arte contemporânea em toda a sua diversidade de sentidos. Propõe apresentá-la como síntese de uma consciência histórica em expansão, aberta a múltiplas fluências de espaços. Daremos enfoque especial à fenomenologia da percepção do espaço-tempo sensorial, que envolve a construção de estruturas cognitivas, sistemas de signos e sistemas e de inter-relações arteciência- filosofia. Estabeleceremos um dialogo entre os diferentes aspectos da arte do século XX, buscando construir uma visão sistêmica entre passado-presente-futuro na cultura contemporânea.
04 junho - Origens do Infinito transcendental na Arte-Ciência-Filosofia: O principio do infinito como espaço transcendental na idade média até o surgimento da perspectiva. Apresentação comparativa entre a arte contemporânea e os conceitos de paisagem nas peregrinações poéticas e sagradas e a land art (esculturas caminho de Richard Long).
11 junho - Poéticas do Infinito entre os Séculos XV e XIX: Arqueologia dos limites da razão na arte. Construções espaciais da matemática para a arte segundo os horizontes da razão sensível e a perspectiva. Surgimento de um leitor fixo de mundo e a janela renascentista. Representação e dominação projetiva entre passado-presente e futuro. Dilemas da percepção e poiesis - entre Decartes e Giambattista Vicco. O infinito como fronteiras entre a razão e ser poético. O surgimento do conceito de Sublime.
18 junho - Século XIX-XX: O princípio do infinito e do sublime nas mudanças de paradigmas ligadas ao fim da representação. As investigações sobre a quarta-dimensão. As relações de tempo-espaço e simultaneidade nas mudanças cubistas. Viradas construtivistas do espaço e as experimentações ambientais. O conceito de palimpsesto. O surgimento de um leitor móvel. Perspectivas múltiplas para uma geometria das redes.
25 junho - Arte Pós 60 - geografia da arte como espaços de fluxos e interações: O princípio de infinito como interseção entre arte-cultura visual em movimento e construções
de mundos/ territórios de leituras múltiplas. O conceito de obra de arte aberta, o indeterminado, o transitório, o relativo e a dimensão vital como território de vivências e jogos de construção coletivas de conhecimento.

Posted by João Domingues at 2:33 PM