Página inicial

Como atiçar a brasa

 


dezembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise em
Como atiçar a brasa:
Arquivos:
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

novembro 29, 2017

Masp cancela mostra após americano Basquiat ser tema do CCBB por Silas Martí, Folha de S. Paulo

Masp cancela mostra após americano Basquiat ser tema do CCBB

Matéria de Silas Martí originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 27 de novembro de 2017.

Todos querem Basquiat. Depois de anos de planejamento, o Masp decidiu cancelar sua aguardada exposição do americano, carro-chefe de seu calendário do ano que vem, porque o Centro Cultural Banco do Brasil vai fazer sua própria retrospectiva do pioneiro da arte de rua.

Oitenta trabalhos de Jean-Michel Basquiat, morto de overdose aos 27, em 1988, vão ocupar o CCBB paulistano a partir de janeiro, contrariando o Masp, que pretendia abrir sua exposição em abril.

"Estamos cancelando Basquiat porque achamos que duas mostras do mesmo artista ao mesmo tempo na cidade seriam um mau uso de recursos públicos num país onde eles estão cada vez mais escassos", disse Heitor Martins, presidente do Masp, sobre a decisão da instituição.

O museu da avenida Paulista planejava investir cerca de R$ 2,5 milhões na mostra do artista que entrou para o circuito dos museus e galerias de arte depois de deixar suas marcas nos muros e vagões de metrô de Nova York.

Negociações de empréstimos de obras com acervos de todo o planeta estavam avançadas, mas foram descartadas de última hora, deixando um vácuo no programa da instituição no ano que vem.

Diretores do Masp chegaram a negociar com o CCBB, para que o centro cultural adiasse a sua mostra, mas não chegaram a um acordo.

"Está havendo uma competição. O Basquiat está muito na moda agora. Todo mundo quer", diz Pieter Tjabbes, à frente da mostra do CCBB. "Havia muita procura pelo produto Basquiat. Não fazia sentido ter duas grandes exposições ao mesmo tempo."

O dinheiro, no caso, parece ter vencido a queda de braço na briga pelo artista do momento –o CCBB vai gastar R$ 15 milhões em recursos incentivados, seis vezes mais do que o Masp, para montar a sua exposição de Basquiat.

Mas há uma diferença fundamental. Enquanto o Masp negociava empréstimos com uma série de museus, aos quais poderia oferecer outras obras de sua coleção em troca, o CCBB fechou um esquema milionário com um único –e poderosíssimo– acervo.

Todas as obras da exposição do centro cultural vêm dos armazéns de Jose Mugrabi, megacolecionador israelense que vive em Nova York. Segundo pessoas próximas às negociações, ele teria recebido quase R$ 5 milhões para emprestar suas obras.

Seu acervo tem mais de 800 trabalhos de Warhol e joias de Basquiat, artista que ele passou a colecionar depois de fazer a limpa no mercado do mestre da arte pop.

"Tudo vem da coleção dele", disse Tjabbes, que esteve em Nova York na semana passada negociando os empréstimos. "Tínhamos de ser práticos. Você não pode fazer uma exposição retrospectiva emprestando de 40 coleções. Então isso foi uma solução fantástica, porque a qualidade do acervo dele é inegável."

Posted by Patricia Canetti at 9:30 AM

Radicada em Pernambuco, Bárbara Wagner vence o Prêmio PIPA 2017, Jornal do Commercio

Radicada em Pernambuco, Bárbara Wagner vence o Prêmio PIPA 2017

Matéria originalmente publicada no Jornal do Commercio em 20 de novembro de 2017.

O mais relevante prêmio brasileiro de artes visuais premiou a brasiliense que mora no Estado

A final do Prêmio Pipa 2017 - o mais relevante prêmio brasileiro de artes visuais - aconteceu, no último sábado (18), no Rio de Janeiro. E a ganhadora do prêmio de arte contemporânea moderna foi a brasiliense Bárbara Wagner, escolhida pelo júri da competição.

O artista recebeu uma doação financeira e uma participação de três meses em um programa de residência artística da Residency Unlimited, em Nova York, em 2018. O valor total da doação é de R$130 mil. Como vencedora, a artista também doará uma obra para o Instituto PIPA.

Bárbara Wagner nasceu em Brasília em 1980 e vive e trabalha no Recife, tendo passado pela agência JC Imagem, do JC, como estagiária. Sua prática em fotografia está centrada no ‘corpo popular’ e suas estratégias de subversão e visibilidade entre os campos da cultura pop e da tradição.

Desde 2011, trabalha em colaboração com o artista Benjamin de Burca (Munique, 1975), com quem participou do 33º e 35º Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, Brasil), da 4ª Bienal do Oceano Índico (La Réunion, França), da 36ª EVA International (Limerick, Irlanda), da 5ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça, da 32ª Bienal de São Paulo (São Paulo, Brasil), do 5º Skulptur Projekte Münster e do 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc Videobrasil.

VEJA UM VÍDEO DO PIPA 2017 SOBRE BÁRBARA WAGNER

Posted by Patricia Canetti at 9:23 AM

novembro 28, 2017

Estúdio Bijari completa 20 anos com exposição retrospectiva que inaugura a nova galeria Anti-Pop, FHOX

Estúdio Bijari completa 20 anos com exposição retrospectiva que inaugura a nova galeria Anti-Pop

Matéria originalmente publicada no FHOX em 27 de novembro de 2017.

"Arquivo Bijari 1997-2017" apresenta desde peças gráficas para lambe-lambe, projeções em larga escala, videomapping, intervenções urbanas, videodança, entre outras obras.

No dia 2 de dezembro, sábado às 12h, a nova galeria Anti-Pop vai receber a exposição Arquivo Bijari 1997-2017, que marca o aniversário de 20 anos do coletivo de artistas Bijari.

Nesta exposição, que ficará aberta até 3 de fevereiro, o público poderá conhecer trabalhos emblemáticos da produção artística do grupo, além de obras inéditas. Com curadoria dos próprios artistas, a exposição celebra projetos que ajudaram a discutir e a propor reflexões sobre as dinâmicas urbanas.

“É consenso entre nós quais são os projetos mais interessantes, as imagens mais fortes e as ações que ainda repercutem. Os trabalhos que ainda ecoam e permitem ser revistos com um frescor, mesmo 15, 20 anos depois, são aqueles que escolhemos mostrar nessa retrospectiva e que nos representam melhor como grupo”, explica Maurício Brandão, um dos seis artistas do Bijari.

A exposição “Arquivo Bijari 1997-2017” apresenta desde peças gráficas para lambe-lambe, projeções em larga escala, videomapping, intervenções urbanas, videodança, além dos projetos para arquiteturas táticas e trabalhos desenvolvidos ao longo dos últimos anos com outros coletivos artísticos e comunidades urbanas. É o caso dos projetos “Zona de Ação”, cujas intervenções refletem sobre o processo de renovação urbana do Largo da Batata e revisita as primeiras ações do projeto “Realidade Transversa”, que retratava o cotidiano dos trabalhadores urbanos informais e os convidavam para protagonizarem performances em exposições de arte.

Entre os destaques da retrospectiva está “Galinha”, de 2002, vídeo em que uma galinha é solta em lugares com distintos perfis socioculturais, como o Largo da Batata em São Paulo e o calçadão em frente ao Shopping Center Iguatemi. As reações das pessoas e da galinha são registradas pelo grupo. Este projeto foi reeditado em Cuba para a 8ª Bienal de Havana, em 2003.

Um dos projetos mais conhecidos do Bijari, o Praças (Im)possíveis, também estará na exposição. O grupo criou bicicletas adaptadas que se transformam em praças articuláveis, cujos espaços temporários de convivência e desaceleração se confrontam com a brutalidade dos territórios viários onde se instalam de forma nômade.

O Estúdio Bijari ainda realizou as intervenções da série “Natureza Urbana” em veículos abandonados nas ruas de São Paulo, transformando-os em jardins, trincheiras verdes que brotam da lataria recortada de carros, caçambas e ônibus inutilizados. Um destes veículos ocupará a fachada da Galeria Anti-Pop. O nome do novo espaço é uma referência à primeira série de intervenções gráficas criadas pelo Bijari, que se expandiu para sets de live-images exibidos em grandes festivais de música eletrônica no começo dos anos 2000. A Galeria Anti-Pop será aberta para veiculação de projetos, conversas e exposições de artes.

Os 20 anos do Bijari

Formado por estudantes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP nos anos 90, o grupo iniciou os trabalhos com foco em design gráfico e cenografia em um espaço na rua Bijari, no Butantã, zona Oeste da capital. De lá para cá foi expandindo sua atuação e hoje desenvolve projetos em motion graphics, cenografia, realidade virtual e produção de vídeos em formatos e escalas não convencionais.

O grupo é formado por especialistas em diferentes áreas, entre artistas, arquitetos, designers, planejadores e videomakers e possui uma plataforma comercial consolidada em paralelo ao trabalho autoral, sendo ela, em grande medida, que permite uma independência no modo de pensar e produzir os trabalhos de arte.

O Biajri conta com trabalhos expostos na Kollective Kreativitat em Kassel-Alemanha, em 2006, La Normalidad/Ex-Argentina no Palais de Glace, Buenos Aires, em 2006, MDE11 em Medellin, Colombia, em 2011 e na Creative Time em Nova York, em 2012. Atualmente o grupo está com a obra “Contando con Nosotros” na LA/LA Pacific Standard Time em Los Angeles até o próximo dia 10 de dezembro.

O Bijari vem explorando diferentes linguagens visuais e práticas artísticas que se instalam nas frestas entre os espaços institucionalizados da arte e o espaço comum das cidades. Essa opção sublinha a intenção do grupo por (re)afirmar a responsabilidade da atuação do artista num campo expandindo, onde as subjetividades estéticas se mesclam necessariamente ao engajamento social e (micro)político.

Sobre o Bijari

Núcleo de criação em artes visuais e multimídia composto por um time de profissionais como artistas visuais, arquitetos, cenógrafos, designers, planejadores, diretores de vídeo e de arte. Bijari existe desde 1998 e possui um trabalho de pesquisa calcado na convergência entre arte, design e tecnologia, e tem como objeto de interesse as narrativas, poéticas e conflitos que moldam e dão vida à paisagem urbana, seja para a criação conceitual de suas obras públicas ou entregas para o mercado de entretenimento multimídia brasileiro. Mais informações em www.bijari.com.br.

Posted by Patricia Canetti at 11:44 AM

Com protesto silencioso e pedido de ‘desculpas’, CPI ouve curadores de exposições polêmicas por Thiago Faria, Estado de S. Paulo

Com protesto silencioso e pedido de ‘desculpas’, CPI ouve curadores de exposições polêmicas

Matéria de Thiago Faria originalmente publicada no jornal O Estado de S. Paulo em 23 de novembro de 2017.

Curadores da 'Queermuseu', Gaudêncio Fidélis, e da '35º Panorama da Arte Brasileira', Luiz Camillo Osorio, à CPI dos Maus-Tratos no Senado

“Queria pedir desculpas pela forma como tudo isso está sendo tratado”. A frase, da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), resumiu o sentimento de parte dos parlamentares que acompanharam ontem os depoimentos de curadores da exposição Queermuseu, Gaudêncio Fidélis, e 35º Panorama da Arte Brasileira, Luiz Camillo Osorio, à CPI dos Maus-Tratos no Senado.

As duas mostras foram alvo de críticas em redes sociais por conteúdos considerados inapropriados para crianças e adolescentes. No caso da Queermuseu, a exposição financiada pelo banco Santander foi cancelada em setembro após acusações de promover pedofilia e zoofilia.

Fidélis chegou a ser alvo de um pedido de condução coercitiva – quando a pessoa é obrigada a comparecer -, cancelado na véspera. “Entendo minha vinda à CPI como uma convocatória. Num primeiro momento eu declinei pelo fato de eu discordar do objeto da CPI. É difamatório. Estou aqui cumprindo a lei”, disse ele.

Um grupo de artistas e representantes da cena cultural de Brasília acompanhou a reunião no Senado e exibiu cartazes com dizeres como “visitem museus” e “a arte é libertadora”. Ameaçados de serem expulsos da sala caso fizessem protestos ruidosos, ficaram em silêncio a maior parte do tempo.

Houve ainda momentos de constrangimentos envolvendo o relator da CPI, senador José Medeiros (Podemos-MS), e o presidente da comissão, Magno Malta (PR-ES). Em um deles, Medeiros questionou Fidélis sobre uma obra que não estava na exposição. Depois, quis saber se crianças que visitavam a mostra eram incentivadas a “se tocar sexualmente” com base na obra O eu e o tu, de Lygia Clark. Após ouvir a negativa de Fidélis, se disse aliviado. “O senhor me tira uma laje da cabeça ao dizer que não tinha criança se tocando sexualmente na exposição”, disse Medeiros.

Em diversas ocasiões, Malta afirmou que sua intenção não era censurar a arte, mas sim preservar crianças e adolescentes de possíveis “maus tratos psicológicos”. “O debate que se deu em cima de arte não é o nosso foco. Nosso debate é maus tratos contra crianças. Tudo poderia ter sido esclarecido se eles tivessem aceitado o nosso convite lá atrás”, disse ele.

A intenção da CPI era ouvir também o coreógrafo Wagner Schwartz, que protagonizou uma performance nu na exposição 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo. Schwartz, porém, está na França e não compareceu. Ele também foi alvo de um pedido de condução coercitiva da CPI, derrubado pelo ministro Alexandre de Moraes.

A polêmica em torno da performance, batizada de La Bête e inspirada em outra obra de Lygia Clark, ocorreu após uma criança ser filmada interagindo com Schwartz.

Posted by Patricia Canetti at 9:44 AM

novembro 17, 2017

Justiça condena criador do Instituto Inhotim por lavagem de dinheiro, G1

Justiça condena criador do Instituto Inhotim por lavagem de dinheiro

Matéria originalmente publicada no portal G1 em 16 de novembro de 2017.

A irmã de Bernardo Paz, Virgínia Paz, também foi condenada. A denúncia afirma que o Inhotim, um dos maiores museus a céu aberto do mundo, era usado no esquema.

A 4ª Vara do Tribunal Regional Federal em Belo Horizonte condenou o empresário e idealizador do Instituto Inhotim, Bernardo Paz, a nove anos e três meses de prisão por lavagem de dinheiro. A irmã dele, Virgínia Paz, foi condenada pelo mesmo crime a cinco anos e três meses, em regime semiaberto. A defesa já recorreu da decisão.

O Inhotim fica em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e é um dos maiores museus a céu aberto do mundo, sede de um dos acervos de arte contemporânea mais importantes do Brasil.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), entre 2007 e 2008, um fundo chamado Flamingo Investiment Fund, sediado no exterior, repassou US$ 98,5 milhões para a empresa Horizontes, criada por Bernardo Paz para manter o Inhotim a partir de contribuições de seus outros empreendimentos.

O dinheiro, diz o MPF, foi recebido a título de doações e empréstimos para o instituto, mas logo depois foi repassado "para o pagamento dos mais variados compromissos de empresas de propriedade de Bernardo de Mello Paz, tendo sido constatados diversos saques em espécie nas contas do grupo, sem que se pudesse identificar o destino final dos valores".

O advogado de Bernardo e Virgínia Paz, Marcelo Leonardo, afirma que as operações financeiras são regulares.

“Eles são inocentes e a decisão é injusta. Esperamos que seja revertida no Tribunal Regional Federal em Brasília”, disse. Segundo o advogado, as operações envolvem apenas as empresas de mineração e siderurgia das quais Bernardo era sócio, não tendo nenhuma ligação com o Inhotim.

Ainda de acordo com o advogado, a condenação de Virgínia é absurda, já que ela nunca foi gestora de nenhuma empresa. Os irmãos Paz estão respondendo ao processo em liberdade.

Em nota, o Inhotim informou que "é uma instituição sem fins lucrativos, qualificada pelo governo estadual como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), sem ligação com as empresas de Bernardo Paz, não respondendo ou participando, portanto, de nenhuma questão de âmbito pessoal que o envolva".

O instituto informou ainda que "é mantido com recursos de doações de pessoas físicas e jurídicas, de maneira direta e incentivada, com amparo na Lei Federal e Estadual de Incentivo à Cultura".

Esquema

Até 2010, Bernardo Paz era dono do Grupo Itaminas, um conglomerado que reunia 29 empresas do setor de metalurgia. O grupo era controlado pela empresa BNP Participação e Empreendimentos, também de Paz. De acordo com o MPF, o dinheiro era “pulverizado” entre os empreendimentos do réu para dificultar o seu rastreamento.

Segundo a juíza Camila Velano, "ficou claramente constatada existência de enorme confusão patrimonial e contábil entre as diversas empresas do Grupo Itaminas”. Ainda de acordo com a magistrada, ficou demonstrado que "a conta da Horizontes não visava unicamente à manutenção do Instituto Cultural Inhotim, mas também servia de conta intermediária para diversos repasses às empresas do Grupo Itaminas".

A participação de Virgínia Paz seria na dissimulação dos valores vindos do exterior. Ainda de acordo com a sentença, "não se pode conceber que uma movimentação financeira, a qual chegou a 1.419% acima da renda declarada, tenha passado desapercebidamente pela ré”. De acordo com o MPF, Virgínia efetuava todos os pagamentos relativos ao Inhotim em sua conta pessoal, sabendo que as transações vinham da Horizonte.

Dívidas

Na sentença, a juíza resaltou que Paz teria um comportamento de "não cumprimento de obrigações fiscais e previdenciárias, revelando completo descaso das empresas em relação ao Fisco". As dívidas da Itaminas com a Fazenda Pública chegam a mais de R$ 600 milhões.

“Tanto Bernardo De Mello Paz, (...) quanto as testemunhas de defesa, por diversas vezes, afirmaram que todos os compromissos das empresas do grupo eram pagos com dinheiro oriundo da BMP Participação, pois evitava-se a utilização de contas correntes em nome próprio das pessoas jurídicas do Grupo, a fim de impedir eventual bloqueio judicial de valores devido ao não pagamento de obrigações fiscais, trabalhistas, etc.", disse a juíza na sentença.

Naquele período, movimentos irregulares efetuados pela BMP foram detectados pelo Ministério da Fazenda.

Inhotim

O Inhotim ocupa uma área de mais de 100 hectares em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. Jardins botânicos, cinco lagos artificiais e um acervo artístico com 500 peças fazem parte do complexo.

Pinturas, esculturas, desenhos, fotografias, vídeos e instalações de artistas brasileiros e estrangeiros estão em espaços espalhados em meio à natureza. São 18 galerias dedicadas a obras permanentes, outras quatro para mostras temporárias e diversas espalhadas pelos jardins.

As permanentes foram criadas para abrigar obras de Tunga, Adriana Varejão, Cildo Meireles, Marilá Dardot, Miguel Rio Branco, Hélio Oiticica, Neville D’Almeida, Doris Salcedo, Victor Grippo, Matthew Barney, Rivane Neuenschwander, entre outros. As temporárias – Lago, Fonte, Praça e Mata – têm cerca de mil metros quadrados cada uma.

Posted by Patricia Canetti at 4:28 PM

Nota de Esclarecimento, Inhotim

A propósito da nota divulgada hoje pelo Ministério Público Federal (MPF), replicada, na íntegra ou em partes, por diversos veículos de comunicação, o Instituto Inhotim esclarece que é uma instituição sem fins lucrativos, qualificada pelo governo estadual como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), sem ligação com as empresas de Bernardo Paz, não respondendo ou participando, portanto, de nenhuma questão de âmbito pessoal que o envolva.

Para realização de suas ações socioeducativas e manutenção de seus acervos botânico e artístico, o Instituto é mantido com recursos de doações de pessoas físicas e jurídicas, de maneira direta e incentivada, com amparo na Lei Federal e Estadual de Incentivo à Cultura.

O Inhotim reforça, por oportuno, que todas as contas da instituição são públicas e que passam por criteriosa prestação junto ao Ministério da Cultura, além de serem submetidas a um rigoroso processo de auditoria realizado pela empresa britânica Ernst & Young, ambos em periodicidade anual.

No anseio de esclarecer os fatos e evitar possíveis equívocos acerca de organizações distintas, e de diferentes naturezas jurídicas, o Instituto Inhotim reforça seu compromisso com a sociedade, com seus parceiros e com a comunidade em seu entorno, na busca incessante pelo desenvolvimento humano através da arte e da botânica.

Posted by Patricia Canetti at 4:22 PM

Criador de Inhotim é condenado à prisão por lavagem de dinheiro por Marcos de Moura e Souza, Valor Econômico

Criador de Inhotim é condenado à prisão por lavagem de dinheiro

Matéria de Marcos de Moura e Souza originalmente publicada no jornal Valor Econômico em 16 de novembro de 2017.

BELO HORIZONTE - O empresário mineiro Bernardo Paz, idealizador e principal nome de Inhotim, um dos maiores empreendimentos de arte contemporânea do país, foi condenado a nove anos e três meses de prisão em regime fechado pelo crime de lavagem de dinheiro. A decisão, da 4ª Vara Federal, é de primeira instância e cabe recurso.

A informação foi divulgada na tarde desta quinta-feira pelo Ministério Público Federal de Minas Gerais, que havia denunciado Paz.

O MPF afirmou, por meio de nota, que a condenação levou em conta operações envolvendo sua mineradora Itaminas e Inhotim. Paz teria usado de artifícios para "lavar dinheiro proveniente da sonegação de contribuições previdenciárias".

A nota do MP diz que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, detectou movimentações irregulares, efetuadas especialmente pela BMP Participação e Empreendimentos Ltda - que era a controladora de todas as empresas que compunham o grupo Itaminas - e pela Horizontes Ltda.

"A Horizontes foi criada por Bernardo Paz com a finalidade de manter o Instituto Cultural Inhotim a partir de doações de suas outras empresas. Ocorre que a maior acionista da Horizontes, a Vine Hill Financial Corp Ltda, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, é uma empresa cujo endereço é o mesmo de diversas pessoas físicas e jurídicas acusadas de cometer crimes de lavagem de dinheiro", continua o MP explicando a condenação.

Segundo o material divulgado, entre 2007 e 2008, a Horizontes recebeu US$ 98,5 milhões do Flamingo Investiment Fund, um fundo sediado nas Ilhas Canárias. "Esses valores foram recebidos a título de doações e/ou empréstimos para o Instituto Cultural Inhotim, mas logo depois foram repassados de diversas formas", disse o MP.

De acordo com a sentença, os recursos foram usados "para o pagamento dos mais variados compromissos de empresas de propriedade de Bernardo de Mello Paz, tendo sido constatados diversos saques em espécie nas contas do grupo sem que se pudesse identificar o destino final dos valores".

Em outro trecho, o MPF diz que a Justiça afirmou que "ficou claramente constatada existência de enorme confusão patrimonial e contábil entre as diversas empresas do Grupo Itaminas."

Ainda segundo a sentença, informou o MP, "a conta da Horizontes não visava unicamente à manutenção do Instituto Cultural Inhotim, mas também servia de conta intermediária para diversos repasses às empresas do Grupo Itaminas".

Virgínia de Mello Paz, irmã de Paz, também foi condenada por lavagem a cinco anos e três meses, em regime semiaberto.

Posted by Patricia Canetti at 4:18 PM

novembro 14, 2017

Filósofo Georges Didi-Huberman reflete sobre o sentido da revolta por Bianca Dias, O Estado de S. Paulo

Filósofo Georges Didi-Huberman reflete sobre o sentido da revolta

Artigo de Bianca Dias originalmente publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 11 de novembro de 2017.

Pensador esteve no Brasil para lançar seu livro 'Cascas' e participar da exposição 'Levantes', em cartaz no Sesc Pinheiros

Despertar sonhos, modelar o heterogêneo, inventar a vida mesmo na mutilação, ter a força para fazer de outra forma: com essa convocação Georges Didi-Huberman iniciou sua fala no Sesc Pinheiros, apresentando um vigoroso panorama crítico de uma pesquisa que resultou na exposição Levantes, sustentada em indagações éticas. Para onde vai a raiva? Qual nossa resposta diante do que oprime e mortifica? São questões que apostam na indestrutibilidade do desejo e recusam o ressentimento. Num levante, essas dimensões são ultrapassadas para dar espaço ao gesto inventado na fineza dos dias. Diferente de uma ação que visa colocar um acento na mágoa, o gesto de sublevação inclui uma radicalidade que faz a existência operar por uma nova fúria, cultivando atitudes em que o político pode se apresentar como a força que dignifica a fragilidade constitutiva das relações.

A partir dessa precariedade, Didi-Huberman relata uma visita que fez ao museu Auschwitz-Birkenau, de onde retornou com algumas cascas de bétulas e um punhado de fotografias. A partir desses resíduos, deu início a um estudo sobre a memória do Holocausto e o potencial subversivo das imagens e escreveu Cascas (lançado na abertura da exposição).

Trata-se então de saber que forma dar ao desespero, com a investigação passando por uma constelação de imagens e de pensadores que sustentam o gesto da revolta num mais além da representação: Goya erguendo os braços numa invocação trágica diante do massacre e dos desastres da guerra; a dimensão do gesto em Zéro de Conduit de Jean Vigo, em que crianças empreendem atos de rebeldia diante de um sistema educativo burocrático e repressivo; o antropólogo Pierre Clastres e a fala sagrada dos índios guarani; e a possibilidade aguda de uma revolução que acontece quando cada um canta seu próprio canto, numa espécie de murmúrio invocador de uma ética.

Voz e musicalidade são questões centrais da pesquisa de Didi-Huberman. Para a psicanálise, o sujeito nasce na relação com a voz do outro e o psiquismo se estrutura ao redor desse ponto. Jacques Lacan nomeou a voz como pulsão invocante e ensinou a respeito de um chamamento em que nossa própria voz deve encontrar lugar. Didi-Huberman lembra do canto negro estudado por W.E.B. Du Bois, que foi vital para que os escravos sobrevivessem à opressão a que estavam submetidos.

A palavra resgatada como possibilidade de enunciação foi um verdadeiro levante contra o poder instituído. Sigmund Freud fundou, através de histéricas, a clínica da escuta e, pelos gritos e convulsões de mulheres, estabeleceu uma nova relação de desejo com a linguagem dando lugar e fazendo erigir o feminino em sua força e contradição. A partir de fotografias de histéricas do asilo La Salpêtrière, Didi-Huberman escreveu o vigoroso ensaio Invenção da Histeria: Charcot e a Iconografia Fotográfica de Salpêtrière.

Algumas dessas fotografias estão em Levantes. Com outras imagens, escritos e vídeos, circulam e desestabilizam verdades, numa espécie de atlas que transmite a força da relação entre imagens, através do recurso da montagem – ideia presente no pensamento de Aby Warburg, teórico central para Didi-Huberman que, ajudado por outros pensadores, o conduz eticamente por um caminho simbólico, por meio de questões filosóficas, históricas, políticas e estéticas que preservam o grão da inquietude das revoltas e manifestações, em que o sujeito tomado por uma convocação que atravessa seu corpo, expõe a ferida, destrói a norma, transforma o luto em desejo, a paralisia em projeção, num gesto de emancipação que não está garantido, que precisa ser recolhido entre ruínas, no dissenso radical, na luta imprevista. Não se trata, portanto, de uma antologia de imagens e, sim, de pensar sobre seu uso.

Na invenção de gestos, canções e imagens a partir de resíduos, celebra-se o informe, a música dos párias, dos sem-nome – a música armênia, o canto cigano andaluz, os tangos poéticos dos subúrbios de Buenos Aires – ou, ainda, lembra-se das mães trágicas da Grécia antiga e das mães de maio em busca de notícias de seus filhos, fazendo com que o mais radicalmente singular se misture ao público em gestos profundamente políticos.

Num levante cada corpo protesta por meio de todos os seus membros, cada boca se abre e exclama o não da recusa e o sim do desejo, que pode estar abrigado até na brutal imagem de uma mãe chorando sobre o filho morto pois, segundo Didi-Huberman, são justamente essas lágrimas que contém a força da sublevação. Não há uma escala para os levantes: eles vão do minúsculo gesto de recuo ao mais gigantesco movimento de protesto. Há imagens e palavras que se inscrevem com impressionante poder de fogo, a fim de nos levantar e nos fazer tomar posição diante da agonia inominável da imobilização.

Entre gestos delicados e vulcânicos que confrontam mas se deixam atravessar pelo insondável, se destaca algo que irá cortar e unir. Num chamamento ao sexual como força que nos levanta, Didi-Huberman chama a atenção para o juntar das mãos que revira o sentido do órgão sexual feminino, lugar que desliza e se reinventa. Esse gesto, utilizado pelas feministas nos anos 1970, ergue ao alto uma dupla vitória e inscreve a potência e a maldição do feminino nomeado por ele como um “gesto-punção”. Didi-Huberman invoca Lacan para nomear esse pequeno-grande levante, subvertendo a lógica do poder pela enunciação da fissura estrutural como um espaço que se coloca em aberto ao heteróclito da existência e faz erigir a força e o tremor para combater tudo que é opaco à vida.

A punção, que retira uma parte do tecido traumatizado e recolhe da ferida uma possibilidade de escrita para o acontecimento, é também uma maneira de se elevar a questão homem-mulher a partir de um novo ponto. Como será? Ainda não sabemos. E a resposta deve ser buscada no mundo, no atrito entre os corpos, na revolta dos levantes em sua arquitetura provisória distribuída entre as coisas moventes, na inflamação e no espanto de habitar a língua sem domicílio fixo. E é preciso que nessa deriva cada um possa inscrever sua marca no mundo e que, desse caleidoscópio de imagens, possamos criar frestas para pequenas-imensas revoluções.

*Bianca Dias é psicanalista, crítica de arte, autora do livro 'Névoa e Assobio' (Editora Relicário)

Posted by Patricia Canetti at 7:42 PM

novembro 13, 2017

Mostra do Masp sobre sexualidade supõe que qualquer nu liga-se ao sexo por Jorge Coli, Folha de S. Paulo

Mostra do Masp sobre sexualidade supõe que qualquer nu liga-se ao sexo

Coluna de Jorge Coli originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 12 de novembro de 2017.

Post-porn é o que eu chamo, para meu uso pessoal, de pornô-cabeça e resumo assim: emprego da pornografia como meio de reflexão. Os debates em torno disso têm mais de 30 anos, mas atingiram um paroxismo nas artes dos últimos tempos.

Artistas e exposições que tomam a sexualidade como tema andam surgindo por todos os lados, e o Masp decerto não quis ficar na rabeira. Inventou a mostra intitulada "Histórias da Sexualidade", aberta mês passado.

A qualidade de várias das obras exibidas é muito alta, começando por aquelas que pertencem ao acervo do museu. A estas se juntaram outras, vindas de várias instituições e coleções particulares.

Mas o tema foi tratado de modo superficial. É verdade que o título autoriza juntar coisas sem grande rigor. Para ordenar um pouco, a curadoria estabeleceu tópicos que lembram o índice de algum manual: corpos nus, totemismos, religiosidades, voyeurismos, linguagens, performatividades de gênero e assim por diante.

A mostra pinça exemplos aqui e ali. Um pouco de cerâmica pré-colombiana, um pouco de Mapplethorpe, um pouco de Carlos Zéfiro, sem que nenhum desses pouquinhos conduza a qualquer aprofundamento.

Algumas obras estão lá sob pretextos forçados, como o autorretrato bigodudo de Gauguin porque ele se interessava pela androginia, ou a maravilhosa "Bailarina de 14 Anos" de Degas, ilustrando o voyeurismo —quando o Masp possui a coleção completa dos nus femininos em bronze desse autor, raramente mostrada.

A moda atual de expor produções de tempos históricos diferentes, comparando-as, é fecunda em certos casos. Aby Warburg foi o genial teórico que teve a ideia de fazer uma história da arte sem palavras em seu "Atlas Mnemosyne", no qual justapõe apenas imagens, fazendo intuir formidáveis relações.

A exposição do Masp sugere um Warburg simplificado, escolar e classificatório. Ela está vazada em museografia saturada, que dificulta a concentração.

A exposição não se deu conta de que existiram vários momentos na história em que as artes se vincularam fortemente ao sexo e, de modo voluntário ou não, os ignorou.

Nada trouxe do decadentismo baudelairiano, por exemplo: entre tantos outros, nem Gustave Moreau, Aubrey Beardsley ou Félicien Rops, este com suas obscenidades blasfemadoras. E nada de surrealismo!

Como imaginar histórias da sexualidade no campo das artes que ignore Delvaux ou Masson, as colagens de Ernst (na falta de telas) ou "A Pintura em Pânico", de Jorge de Lima, para ficar apenas em alguns poucos escolhidos ao acaso? Ok, apontar lacunas é fácil. Mas uma perspectiva minimamente histórica teria proporcionado alguma profundidade e coerência a um conjunto bem desconexo.

Tanto as roupas quanto a nudez podem ser marcadas pela sexualidade. Há roupas eróticas como há nus castos, e vice-versa. No Masp, a mostra supôs que um nu, qualquer nu, por si só, liga-se ao sexo.

Nisto —de modo involuntário, assim espero— coincide com os conservadores de hoje em dia (porque os antigos pelo menos sabiam da existência do "nu artístico" que se vincula à beleza, não ao sexo).

Tanto é que esses novos moralistas invadiram o MAM-SP por causa daquela performance em que a nudez era tão inocente. No caso do Masp, é difícil achar que "As Banhistas" de Manet ou o nu pequenino pintado por Flávio de Carvalho, com formas mal e mal sugeridas, tenham algo a ver com sexualidade.

No entanto, o problema que tem chamado mais a atenção na mostra surgiu de modo imprevisto. Imagino que, para negociar obras e obter empréstimos, a preparação deva ter exigido ao menos entre um ano e meio e dois.

Ora, as mentalidades mudaram muito rapidamente e a exposição começa no momento exato em que o moralismo no Brasil vem animado por uma histeria sem precedentes, vinculando-se a um futuro político de prognóstico aterrador.

Em meio a tantas manifestações contra a cultura e contra os museus, o que deveria ser uma exposição radical chique virou uma batata quente. Daí, o Masp recuou e proibiu para menores a exibição. Até o catálogo —livro de imagens com poucos textos curtos e simplistas— vinha com tarja proibindo a venda para os inocentes com menos de 18 anos!

E agora, graças à lúcida iniciativa do Ministério Público Federal, o museu voltou atrás, liberando a entrada com o acompanhamento dos pais: vexatória contradança.

A gravidade destes fatos não é circunstancial, porque significam um sintoma grave de autocensura. O MPF, por felicidade, tirou a camisa de força com que o Masp havia vestido sua própria inteligência.

HISTÓRIAS DA SEXUALIDADE
QUANDO de ter. a dom., das 10h às 18h; qui., das 10h às 20h; até 14/2/2017
ONDE Masp, av. Paulista, 1578, tel. (11)3251-5644
QUANTO R$ 30, grátis às terças
CLASSIFICAÇÃO 18 anos

Posted by Patricia Canetti at 12:22 PM

Masp abre 'Histórias da Sexualidade' com obras que vão além do nu artístico por Isabella Menon, Folha de S. Paulo

Masp abre 'Histórias da Sexualidade' com obras que vão além do nu artístico

Matéria de Isabella Menon originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 19 de outubro de 2017.

Engana-se quem acredita que o Masp aproveita a onda de conservadorismo que vem resultando em críticas a exposições no Brasil para chamar atenção para a mostra que inaugura nesta quinta (19) e que dialoga sobre questões de sexualidade e gênero.

Na verdade, a instituição colocou a mostra em sua programação em 2016, quando foi introduzido o projeto "Histórias da Sexualidade", que inclui além dela um ciclo de palestras sobre o tema.

A exposição, que se distribui em três espaços do museu, "nunca foi tão necessária", afirma Lilia Schwarcz, curadora-adjunta de história do Masp, em entrevista à Folha."Uma série de direitos que julgávamos assegurados, na verdade, encontra-se em risco".

Com conteúdo de violência, sexo explícito e linguagem imprópria, a exposição foi classificada para 18 anos.

A faixa, autoatribuída pelo museu, impede que um menor, mesmo se acompanhado dos responsáveis, tenham acesso à mostra –o Ministério da Justiça não determina a classificação para instituições culturais, que devem fazê-lo por si, seguindo manual da pasta.

A exposição conta com um batalhão de 150 nomes fortes para o ambiente artístico, que vão desde Renoir (1841-1919), a contemporâneos, como Adriana Varejão –o Masp escolheu sua "Cena de Interior 2", que foi alvo de críticas no "Queermuseu" em Porto Alegre, por, segundo manifestantes, fazer incitação à zoofilia.

As mais de 300 obras estão divididas em nove temas, como "Corpos Nus", "Jogos Sexuais", "Religiosidades".

Cibelle Cavalli Bastos e Alexandre da Cunha, por exemplo, estão na ala "Totemismo", dedicado à representação dos órgãos sexuais.

A obra "Xannayonnx Portal" pode parecer só uma grande espuma rosa. Bastos explica que o trabalho foi construído sobre uma indagação: "E se todos tivéssemos uma genitália híbrida?".

"A alma de uma pessoa não tem gênero, e a energia do masculino e feminino não garante o que a pessoa é."

Para ela, um mundo ideal seria o do filme "Avatar" (2009), onde o alienígena "gruda o rabinho no cabelo [para reproduzir]. Seria incrível se fizéssemos isso".

Do título ao uso de materiais, a obra de Cunha carrega um forte teor sexual."Morning", para ele, é uma expressão que remete à "sensualidade, do acordar para um ciclo".

Além disso, ele utiliza a camiseta como fundo do quadro, em vez da tela habitual; a peça de roupa, diz, está ligada ao "comum uso sobre a pele e o corpo humano". Materiais que a sobrepõem formam relevos que fazem alusão "até mesmo à genitália", explica.

QUEBRA DE PARADIGMAS

Militante dos direitos LGBTs e de profissionais do sexo, Amara Moira participou do ciclo de seminários do projeto em 2016.

Moira, que é travesti, diz ver o Masp como uma instituição "elitizada", "excessivamente pautada por padrões europeus, brancos, masculinos, colonizadores". "Para apreciá-la, a pessoa precisa ter intimidade com os valores e ideais que a produziram."

Por isso, Amara Moira defende a introdução de temas como a sexualidade e gênero para dentro do museu.

"A sociedade começa a se dar conta de que, se quer mesmo discutir sexualidade, pessoas trans e prostitutas devem obrigatoriamente participar do debate."

HISTÓRIAS DA SEXUALIDADE
ONDE Masp - av. Paulista, 1.578; tel. (11) 3149-5959
QUANDO abertura hoje, às 20h, para convidados; de 20/10 a 14/2; ter. a dom. das 10h às 18h; qui., das 10h às 20h
QUANTO R$ 30 (inteira); 18 anos

Posted by Patricia Canetti at 12:14 PM

Masp trata sexualidade como pornografia em mostra superficial por Fabio Cypriano, Folha de S. Paulo

Masp trata sexualidade como pornografia em mostra superficial

Crítica de Fabio Cypriano originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 31 de outubro de 2017.

"Histórias da Sexualidade", a mostra que se tornou polêmica antes mesmo de sua abertura, por conta da proibição a visitação por menores de 18 anos, está muito distante do que se pode imaginar a partir da temática prometida pelo título.

A exposição no Masp (Museu de Arte de São Paulo), dividida em oito segmentos, explora a sexualidade, uma área tão vibrante e cheia de contradições na humanidade, de forma classificatória e frígida. Com isso, o conteúdo, apesar de vibrante na individualidade de cada uma das obras, no conjunto se torna superficial.

O primeiro segmento, por exemplo, Corpos Nus, reúne de obras-primas do museu, como "A Banhista e o Cão Griffon" (1870), de Renoir, junto a uma deslumbrante tela de Francis Bacon, "Estudo do Corpo Humano" (1949) e "David 10" (2005), de Miguel Ángel Rojas, entre as cerca de 30 selecionadas. Contudo, a repetitiva sucessão de nus aponta para uma quantidade excessiva que se assemelha a uma mirada cientificista.

BRANCO E NEUTRO

Ora, uma exposição sobre sexualidade merece um ambiente mais quente, mas a curadoria da mostra, tendo à frente o diretor artístico do Masp, Adriano Pedrosa, tende a ignorar o legado da arquiteta Lina Bo Bardi, tão fetichizado em sua gestão. As paredes brancas e neutras, que suportam as obras, apenas atestam a falta de ousadia ao tratar do tema.

Nesse sentido, o conjunto que se sobressai é o denominado "Religiosidades", ao mesclar o sensual retrato de São Sebastião, realizado por Pietro Perugino, entre 1500 e 1510, do acervo do museu, com uma foto de Robert Mapplethorpe, uma pintura de Leonilson, desenhos de Leon Ferrari e o vídeo de Virgínia de Medeiros, "Sergio Simone", entre outros trabalhos.

Aí, pode-se perceber como artistas ao longo dos séculos trataram de sexo e religião de forma complexa e crítica, o que também falta nos demais segmentos da mostra.

APELO

Finalmente, proibir uma exposição a menores de 18 anos e colar um selo no catálogo como o texto "Sexo explicito, violência, linguagem imprópria" é tratar a sexualidade como pornografia.

Um museu de arte não deveria se acovardar a esse ponto, até porque está apenas sucumbindo a pressões de grupos desinformados e mal-intencionados.

O que se vê no museu está longe de todo o sexo explícito disponível a qualquer um na internet. No atual contexto, "Histórias da Sexualidade" poderia ser um farol sobre o papel da arte e de suas instituições. Entretanto, nem a curadoria nem o Masp estão em condições de exercer o papel que lhes cabe.

HISTÓRIAS DA SEXUALIDADE (regular)
QUANDO de ter. a dom., das 10h às 18h; qui., das 10h às 20h; até 14/2/2017
ONDE Masp, av. Paulista, 1578, tel. (11)3251-5644
QUANTO R$ 30, grátis às terças
CLASSIFICAÇÃO 18 anos

Posted by Patricia Canetti at 12:07 PM