Página inicial

Como atiçar a brasa

 


abril 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

março 3, 2021

Carta aberta sobre a crise da cultura em Goiás por Divino Sobral, seLecT

Carta aberta sobre a crise da cultura em Goiás

Carta de Divino Sobral originalmente publicada na revista seLecT em 1 de março de 2021.

Coletivos reagem e se mobilizam para impedir desmonte do setor cultural e artístico goiano

A crise vivida pelo setor cultural goiano se agravou muito durante o atual governo estadual, que em pouco mais de dois anos empossou três secretários.

Neste período, o processo de desmontagem da cultura adquiriu velocidade acelerada e largo alcance: a lei de apoio à cultura, nos moldes do mecenato, se tornou inoperante com a extinção do contrato que permitia repasses fiscais; o Fundo de Arte e Cultura teve grande parte da verba redirecionada à própria SECULT e não mais ao fomento de artistas e produtores culturais; o Centro Cultural Oscar Niemeyer, maior equipamento estadual, foi entregue à gestão da Goiás Turismo e está fechado; os outros equipamentos estão sucateados e alguns estão à deriva, com suas vocações desvirtuadas por interesses opacos; a sombra da economia criativa tenta encobrir a produção autônoma de arte e de cultura; a visão deturpada dos processos de interiorização acha que tampando a produção da capital a interiorana se destacará; a manipulação ideológica anacrônica e bandeirantista do Plano Goiás 300 apareceu como delírio colonialista para comemorar os três séculos da invasão bandeirante; e por último, uma comissão especial, não prevista em edital, formada por membros da SECULT, da Secretaria Estadual de Economia e da OAB, decidirá quais projetos já aprovados em editais de anos anteriores do FAC receberão as verbas a que têm direito, numa atitude arbitrária e descabida.

No final do ano passado, a área de artes visuais sofreu um grande abalo com o desvirtuamento de função do Centro Cultural Octo Marques – inaugurado em 1988 com a abertura do Museu de Arte Contemporânea. O processo de instalação da Gerência de Inovação e Empreendedorismo Cultural tentou fechar as duas galerias e a Escola de Artes Visuais com seu programa de residência Artística Ateliê Livre. Para a área representava uma enorme perda pois o MAC posto em mãos erradas está sufocado e inativo, e somente estas duas galerias estão instaladas em espaço com características arquitetônicas adequadas à função. Além do mais, a Escola de Artes Visuais está instalada lá desde sua criação em 1992. Portanto, são 31 anos de atividades das artes visuais neste local.

Para se opor ao desmonte surgiu a Frente de Defesa das Artes em Goiás que iniciou suas ações com a publicação de uma carta ao Governador de Goiás expondo a crise e solicitando medidas de contenção. Diante de toda forma de ataque à classe e de desmonte das instituições e equipamentos, os profissionais da cultura se organizaram para tentar barrar o processo destrutivo, e em uma ação conjunta a Frente, o Fórum Permanente de Cultura e o Fórum de Mulheres da Cultura realizaram uma grande carreata para pressionar o governo a receber a categoria e ouvir suas demandas. A ação dos coletivos teve bastante divulgação pela imprensa e resultou em convite do Secretário interino da Cultura para uma reunião de negociação.

Desde então a Secretaria de Cultura tem tentado resolver numa parcela dos problemas: recuou no fechamento das duas galerias e da Escola de Artes Visuais. Porém não basta retomar no ponto precário em que estavam funcionando. É preciso um programa de revitalização com investimentos em recursos humanos e em tecnologias para estes espaços, é necessário ativar suas potencialidades. Logo, ainda há muito a trilhar.

Quanto aos demais pontos levantados pela classe cultural, o Governo do Estado ainda não se pronunciou. Segue o temor do desmonte continuar a galope.

Divino Sobral
Artista visual e curador independente

Posted by Patricia Canetti at 11:54 AM