Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

junho 2, 2013

Passado e presente dialogam no pavilhão dedicado a brasileiros por Antonio Gonçalves Filho, Estado de S. Paulo

Passado e presente dialogam no pavilhão dedicado a brasileiros

Matéria de Antonio Gonçalves Filho originalmente publicada no jornal Estado de S. Paulo em 30 de maio de 2013.

Biennale di Venezia - Partecipazioni Nazionali: Dentro/Fora, La Biennale di Venezia - Padiglione Brasile, Veneza, Itália - 01/06/2013 a 24/11/2013

A ideia era estabelecer uma relação entre artistas brasileiros e estrangeiros do passado e do presente, mas o Pavilhão do Brasil abriu ontem para a preview da imprensa sem a obra que historicamente introduziu a linguagem abstrata na arte brasileira, em 1951, na 1.ª Bienal de São Paulo - a escultura Unidade Tripartida, do artista suíço Max Bill, que ainda não chegou para a mostra O Palácio Enciclopédico, titulo da 55.ª Bienal de Veneza.

Com curadoria do venezuelano Luis Pérez-Oramas, responsável pela 30.ª Bienal de São Paulo, a mostra brasileira tem dois artistas contemporâneos convidados para dialogar com obras de Max Bill e Lygia Clark e, retrocedendo ainda mais no tempo, com a mais conhecida invenção de August Ferdinand Moebius, sua "fita". Em 1858, ele realizou essa peça em que uma extremidade colada à outra resultou na obra que inspirou tanto os Trepantes (de 1965), de Lygia Clark (1920-1988), como um trabalho da série Bauhausiana, de Odires Miaszho, um dos contemporâneos a quem o curador encomendou obras, alem de Hélio Fervenza.

Outra referência histórica adotada no pavilhão brasileiro é a obra do italiano Bruno Munari (1907-1998), Concavo/Convexo (1945). A abertura oficial do Pavilhão do Brasil será amanhã, quando os organizadores esperam ter em Veneza a obra de Max Bill, que não embarcou com os demais trabalhos da mostra por problema com a transportadora e a empresa aérea encarregada de trazer essa raridade premiada na primeira edição da Bienal paulista, hoje pertencente ao acervo do MAC.

As obras encomendadas aos contemporâneos, no entanto, não decepcionam. A representação brasileira na mostra Dentro/Fora é uma bela reflexão sobre as relações históricas que forjaram a linguagem artística contemporânea de um PaÍs que é mundialmente reconhecido por sua vocação construtivista.

Posted by Patricia Canetti at 9:34 PM