Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

julho 7, 2011

A arte de desiludir por Paula Alzugaray, Istoé

A arte de desiludir

Matéria de Paula Alzugaray originalmente publicada no caderno Cultura da revista Istoé em 7 de julho de 2011.

Espelhismos e simulacros diluem as fronteiras entre realidade e ficção em exposição em São Paulo


Assim é se lhe parece/ Paço das Artes, SP/ até 18/9

A desilusão teria sido o complô da arte contemporânea contra a representação do mundo em imagem. Quem argumenta é o filósofo francês Jean Baudrillard (1929-2007), teórico do simulacro, das aparências, dos artifícios e do “excesso de realidade” da cultura moderna. Desiludir seria combater o real – e todo espaço representativo herdado do Renascimento. Isso porque, ao contrário do que se poderia prever, “a ilusão potencializa o real”. Essas ideias, que durante a vida de Baudrillard fizeram barulho e geraram polêmica, revivem nas obras da exposição “Assim É Se Lhe Parece”, no Paço das Artes, em São Paulo.

A mostra é formada por 11 obras de artistas brasileiros e estrangeiros que jogam com as possibilidades do engano e da ilusão. “Lousa”, de Bruno Dunley, pode ser considerada uma imagem referencial, um ponto de partida para o entendimento desse tipo de partido artístico. Graças às qualidades de simulação atingidas pela técnica pictórica, o óleo sobre tela ganha a aparência de giz sobre lousa. Assim, a pintura de Dunley é um simulacro de uma lousa real. Com isso, evoca a expectativa, que vigorou do Renascimento ao modernismo, de que a pintura é uma janela para o real.

A fotografia, o cinema e o vídeo viriam depois a tomar emprestada essa função da pintura. E a exposição no Paço das Artes dá conta de informar que a ilusão é a linha que costura a pintura a todas as novas mídias: da fotografia à videoinstalação em animação 3D.

A qualidade de colocar a realidade em suspensão está presente, por exemplo, nas fotografias do argentino Leandro Erlich. As três fotos apresentadas partem de uma instalação, na qual é utilizado o recurso do reflexo. Nela, as pessoas desafiam as leis da realidade quando, num jogo de espelhos, se posicionam sobre imagens de fachadas de prédios e casas.

Os trabalhos expostos em “Assim É Se Lhe Parece” assimilaram a crise da representação e ao mesmo tempo devolvem à ilusão o seu papel decisivo. O título faz referência à peça homônima do dramaturgo italiano Luigi Pirandello (1867-1936) – “Così È, Se Vi Pare”, escrita em 1917.

Posted by Gilberto Vieira at 1:27 PM | Comentários(1)
Comments

que bosta...

Posted by: r.schmidt at julho 19, 2011 4:26 PM
Post a comment









Remember personal info?