Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

julho 4, 2011

Fantasias maquínicas por Paula Alzugaray, Istoé

Fantasias maquínicas

Matéria de Paula Alzugaray originalmente publicada no caderno Cultura da revista Istoé em 1 de julho de 2011.

MÁQUINAS/ Oi Futuro, Belo Horizonte/ de 29/6 a 21/8

A fábrica é assunto de fascinação do cinema desde seus primeiros frames de vida. Os irmãos Lumière começaram a história do cinema filmando a saída de operários de uma fábrica na França, em 1895, e essa imagem se tornaria um ícone, citada e apropriada inúmeras vezes nos séculos 20 e 21. A partir dela, o cineasta alemão Harun Farocki criou a videoinstalação “Workers Leaving the Factory in Eleven Decades” (Trabalhadores deixando a fábrica, em 11 décadas), em 2006. Um ano depois, Farocki continuaria imerso no universo das fábricas ao filmar “Comparison Via a Third” (Comparação via um terço), em que coloca lado a lado imagens de uma olaria tradicional na África e uma fábrica com tecnologia de ponta, na Europa. Esse é um dos trabalhos expostos em “Máquinas”, no Oi Futuro de Belo Horizonte. Com curadoria de Alfons Hug e de Alberto Saraiva, a exposição reúne 15 trabalhos em vídeo, performance e audioinstalação que exploram as fantasias maquínicas que povoam a arte contemporânea.

A ideia que orienta as escolhas da exposição é a de que a máquina como sinônimo de progresso não é uma visão compartilhada pela arte. O artista – seja ele turco, brasileiro, chinês ou canadense –, invariavelmente, expressa um posicionamento crítico em relação ao poder e ao efeito das máquinas na sociedade. A abordagem do tema pode ser mais inventiva – caso do coletivo mineiro “O Grivo”, que na instalação “Quarteto para Gravadores” (foto) confere nobreza ao som produzido pelas engrenagens dos aparelhos – ou problematizante, como no vídeo do taiwanês Chen Chieh-Jen, que denuncia a exploração das operárias em uma fábrica têxtil.

Posted by Gilberto Vieira at 2:03 PM