Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

abril 18, 2011

Abril de muitas formas por Júlia Lopes, O Povo

Abril de muitas formas

Matéria de Júlia Lopes originalmente publicada no caderno Vida & Arte do jornal O Povo em 15 de abril de 2011.

Começa hoje o 62° Salão de Abril. Este ano, o evento homenageia Zé Tarcísio e traz como tema Subjetividades das Formas do Eu. Apesar de nacional, o salão traz 30 artistas de cinco estados. Dois deles são cearenses

A subjetividade – elemento praticamente onipresente e indispensável em qualquer trabalho de arte –fundamenta o tema do 62° Salão de Abril. A mostra intitulada Subjetividades das Formas do Eu começa hoje, com abertura marcada para as 19 horas, na Galeria Antônio Bandeira (dentro do Centro de Referência do Professor). Com 30 artistas selecionados em todo território nacional, o salão traz um número minguado de cearenses em sua lista (apenas dois: Diego dos Santos e o Grupo Acidum) com trabalhos provenientes de apenas cinco estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Rio Grande do Sul e Pernambuco). Ao todo, a curadoria recebeu 613 inscrições.

Esta 62° edição presta homenagem ao artista Zé Tarcísio, que dispensa classificações (foi gravurista, cenógrafo, pintor...) e em fevereiro último completou 70 anos. Na ocasião, Zé vai ter sua série Pedras exibida (leia quadro ao lado). Acompanhando um movimento delineado já há três anos, o salão ramifica seu campo de ação para outros espaços, que não os expositivos, e desta vez, à exemplo do que fez nos terminais de ônibus e no Centro, leva obras de arte para o Instituto Penal Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II). É a mostra Qual é o lugar da arte?. Maíra Ortins, coordenadora de artes visuais da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor), que promove o evento, explica que a escolha do tema e o inusitado espaço de exposição são mais imbricados que se imagina.

“Fizemos um diálogo com o processo de mortificação do eu de (Irving) Goffman, que é um dos autores que nos baseamos pra escrever a teoria do salão desse ano”, explica. Por essa teoria, detalha Maíra, o sujeito “que entra num ambiente fechado, com determinadas regras fixadas, passa a perder a identidade”. O presídio, portanto, seria o lugar ideal para experimentar as novas ideias incorporadas ao evento. Diego dos Santos, por exemplo, descreve o trabalho que vai levar até o IPPO: uma casa metade submersa, metade acima da superfície. “Uma casa que não tem mais origem, que se desprendeu, viajando por fora e por dentro da terra. Ela precisava percorrer esses dois espaços, desprendida dos seus alicerces”. Diego não sabe onde a casa vai ficar, nem se os presos vão ter oportunidade de vê-la.

O artista foi um dos 30 escolhidos pelas mãos de Ana Valeska Maia, do Ceará, Andréz Hernandez, cubano radicado em São Paulo, e Agnaldo Farias, paulista, o grande nome do salão – ele foi o último curador da Bienal de São Paulo (a 29° edição) e é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Os três ainda escolherão dois artistas nesse universo dos selecionados (já agraciados com R$ 2,5 mil) que receberão R$ 12 mil cada. “E ainda vamos fazer três livros a partir de três residências, que acontecerão em julho, setembro e novembro”, detalha Maíra, apesar de não saber ainda quem serão os convidados a ministrar as residências. As ações, segundo Maíra, apontam para a proposta de formação. Os projetos de formação, ela concorda, são precários na cidade.

Para quem vai à abertura do Salão de Abril hoje, espere mais um pouco, por favor: o Grupo Acidum só começa a atuar amanhã, com uma oficina sobre o trabalho que eles apresentam, a Ciclocor. “Lá vai ter um teaser com fotos da ação Ciclocor em outros lugares. É um convite pra que as pessoas venham aprender os mecanismos para pintar a rua”. No sábado, às 14 horas, em frente ao Centro de Referencia do Professor. “Na oficina, onde a gente explica de onde vem o projeto. No outro dia, 17, a gente chama o pessoal pra sair no flashmob”, descreve um dos membros. Eles não se identificam individualmente. Não há “eu” - mas “nós”.


O quê

ENTENDA A NOTÍCIA

Mais longevo salão de artes do Ceará, o Salão de Abril enfrentou problemas em seu curso, deixando de acontecer durante alguns anos. Em 2011, o Salão se amplia para mostras paralelas com o tema “Qual é o lugar da arte?”.

NÚMEROS
79 OBRAS INSCRITAS

Do total de 613 obras inscritas, o Ceará inscreveu 79 e classificou duas para a mostra

SAIBA MAIS

Zé Tarcísio é homenageado

Década de 70, quando o País vivia uma luta urgente de um mundo mais possível, a força da luta ecológica ainda era incipiente . O Zé, no entanto, já movia seu trabalho artístico nessa direção - ao mesmo tempo em que se posicionava politicamente. Pedras, série a ser exibida no lançamento do 62° Salão de Abril, vai nessa direção. A série ganhou o prêmio nacional do XXIII Salão Nacional de Arte Moderna , no Rio de Janeiro, em 1974.

Posted by Cecília Bedê at 11:08 AM