Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


abril 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 2, 2021

Maria Martins na CRM, Rio de Janeiro

A poética libidinal de Maria Martins ocupará o térreo da Casa Roberto Marinho em mostra de gravuras e documentos doados à instituição por sobrinho-neto da escultora

Única brasileira a participar do movimento surrealista europeu, MM marcou presença na história da arte moderna

Uma das primeiras obras a capturar o olhar do visitante, na Casa Roberto Marinho, é a escultura em bronze O implacável (1944), da mineira Maria Martins (1894-1973), instaurada diante da fachada do casarão neocolonial, no Cosme Velho. A partir do dia 13 de março, o público terá a oportunidade de se aproximar da poética da primeira escultora a explorar o tema da sexualidade no Brasil. Ocupará o térreo do instituto uma mostra com dez gravuras e documentos doados à instituição pelo casal Heloísa e Carlos Luiz Martins Pereira e Souza, ele sobrinho-neto da artista.

A individual Maria Martins reunirá também as esculturas Glebe-ailes (1944) e Insônia infinita da terra (1954), que integram o acervo permanente da Casa, além de cartas e reproduções de livros e fotos. Em paralelo à mostra, o auditório do instituto exibirá Não esqueça que eu venho dos trópicos, documentário de Elisa Gomes sobre a vida e a obra de MM.

“Recentemente, ao organizar arquivos antigos, encontrei gravuras e documentos que pertenceram à minha tia, e julguei importante dar um destino público a esse conteúdo histórico. Entrei em contato espontaneamente com a Casa Roberto Marinho e manifestei meu interesse em doar, já que seu patrono foi um incansável incentivador da arte brasileira”, revela Carlos. “A Tia Maria sempre foi avant-garde, uma mulher à frente de seu tempo. E essa característica, expressa em sua obra de intensa força plástica, exercia um certo fascínio”, comenta o sobrinho-neto da artista.

“Esta mostra, além de celebrar o ato raro e louvável de doação do Carlos Luiz Martins, é um prenúncio da grande retrospectiva da obra dessa notável artista brasileira que faremos em 2022, em parceria com o MASP”, adianta Lauro Cavalcanti, diretor da Casa Roberto Marinho.

Maria de Lourdes Martins Pereira e Souza, nascida em 1894, em Campanha (MG), marcou presença na história da arte moderna. Escultora, desenhista, gravadora e escritora, teve seu trabalho reconhecido tardiamente no Brasil. Grande parte de sua carreira foi desenvolvida no exterior, enquanto acompanhava as atividades de seu segundo marido, o embaixador Carlos Martins, em diversas partes do mundo.

Iniciou-se na escultura em 1926, na França, quando começou a trabalhar com madeira. Mais tarde, já vivendo no Japão, aprendeu a modelar em terracota, mármore e cera perdida. Nos anos 1930, aperfeiçoou-se na Bélgica, com Oscar Jespers (1887 - 1970), passando a utilizar o bronze, que adotou como principal suporte de sua obra.

Em 1939, foi viver com o marido em Nova Iorque onde fixou ateliê, estudou com o escultor lituano Jacques Lipchitz (1891 - 1973) e realizou a primeira individual, em 1941. No mesmo período, conheceu André Breton (1896 - 1966), autor do Manifesto Surrealista, que a apresentou a artistas ligados ao surrealismo e ao dadaísmo, como Max Ernst (1891 - 1976) e Marcel Duchamp (1887 - 1968). Com este último Maria manteve um relacionamento amoroso e trocas artísticas. Ela posou de modelo para a última obra de Duchamp, Étant donnés, e para a capa do catálogo Prière de toucher. A escultora foi a única brasileira a participar do movimento surrealista europeu. Em 1948, mudou-se para Paris e seu ateliê tornou-se ponto de encontro de intelectuais e artistas.

Quando retornou definitivamente ao Brasil, em 1950, sua obra foi tratada com certa hostilidade pela crítica, que a considerava muito próxima do surrealismo e chegou a classificá-la como obscena. Em sua última individual, em 1956, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Maria publicou um texto defendendo a liberdade de expressão artística. Na mesma década, colaborou ativamente na organização das primeiras Bienais Internacionais de São Paulo e na fundação do MAM Rio.

Como escritora, assinou uma coluna no Correio da Manhã e publicou, entre outros livros, A Índia e o Mundo Novo, A Ásia Maior e o Planeta China.

Em 1968, em entrevista concedida à grande escritora Clarice Lispector (1920-1977), declarou: "Um dia me deu vontade de talhar madeira e saiu um objeto que eu amei. E depois desse dia me entreguei de corpo e alma à escultura. Primeiro, em terracota, depois mármore, depois cera perdida, que não tem limitações".

A radicalidade da obra pouco convencional de Maria Martins estará ao alcance dos visitantes de 13 de março a 13 de junho de 2021, na Casa Roberto Marinho, sempre de terça a sábado, das 12h às 18h. Em virtude da pandemia de Covid-19, a instituição funciona sob agendamento on-line através do site.

Posted by Patricia Canetti at 9:46 AM