Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 12, 2020

Shizue Sakamoto na Kogan Amaro, São Paulo

Com curadoria de Ana Carolina Ralston, Partitura em cores firma a entrada da paulista no núcleo de artistas da galeria

O universo criativo de Shizue Sakamoto transita entre o som e um profundo estudo sobre as cores. Ao identificar diferentes tonalidades e sons, o cérebro humano os transforma em sensações e ativa áreas que resguardam emoção, memória, movimento e atenção. Essa fusão impetuosa recebe o nome de sinestesia e é o que move a exposição Partitura em cores, em cartaz a partir de 15 de fevereiro, na Galeria Kogan Amaro.

A música e as artes plásticas sempre estiveram presentes na vida de Shizue. Nascida e crescida em São Paulo, estudou violino durante alguns anos, dos quais grande parte foi também habitado pela pintura. “Às vezes quando pinto, é como se eu estivesse tocando. O violino exige de nós gestos precisos, firmes, porém leves, assim como o ato de pintar", explica a artista.

Bem como no som, Shizue vê nas cores uma forma de expressar emoções e sensações puras, traço que aprimorou em um curso realizado em 2012 e 2014 com o artista Paulo Pasta. “O refinamento de sua obra fez com que ela retornasse à produção ao papel, suporte que lhe deu maior confiança para alcançar tons particulares. Nesse novo patamar, Shizue pôde voltar às telas, exibindo nuances nunca auferidas”, explica Ana Carolina Ralston, curadora da mostra.

A exposição reúne dez telas, oito delas ainda inéditas, em tons de rosa e azulados, orquestradas ao longo do mezanino da galeria. Todas nomeadas sem título, despertam no espectador a visão onírica das cores frias, mesmo que sua inspiração tenha vindo dos alaranjados de 12 Girassóis numa jarra (1888), de Van Gogh.

“O calor que reverbera da obra 12 Girassóis numa Jarra (1888), de Van Gogh, foi o gatilho para a produção desta exposição. Foram as milhares de horas olhando para uma reprodução da pintura que fizeram com que Shizue chegasse à cor precisa da única obra dela que vibra na mesma tonalidade da do mestre”, explica Ralston. “É possível viajar por túneis cromáticos que nos conecta a um universo espiritual de sensações. Harmonia almejada para visualizar e definir, enfim, as cores para compor essa partitura”, conclui.

Nascida em Andradina, no interior de São Paulo, Shizue Sakatomo é conhecida por sua pesquisa em pintura à óleo e seu trabalho de captação de luz. A artista, que teve sua primeira exposição individual, intitulada Dueto transcendental, na Galeria Deco, em 2011, participou também das exposições coletivas Grande Exposição de Artes da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), em 2010 e do 46° Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba, cidade onde se encontram algumas de suas obras, no acervo da Pinacoteca Municipal Miguel Dutra, auroras e Galeria Tato.

Posted by Patricia Canetti at 5:07 PM