Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 7, 2019

Alice Shintani na Marcelo Guarnieri, Ribeirão Preto

A Galeria Marcelo Guarnieri apresenta, de 12 de outubro a 9 de novembro de 2019, em sua sede de Ribeirão Preto, as exposições Black Stream de Alice Shintani e Foco Variável de Marcus Vinicius. Alice Shintani ocupará a Sala 1 com pinturas produzidas entre 2007 e 2019, período que marca os doze anos de trabalho com a Galeria Marcelo Guarnieri. Na Sala 2, Marcus Vinicius apresentará trabalhos da série "Listrados", produzidas entre 2013 e 2019 e "Livros", produzidas entre 2018 e 2019.

Formada em ciência da computação pela UNICAMP, Alice Shintani foi montanhista e integrou, no início dos anos 90, a equipe pioneira de trabalho que desenvolveu e implementou a Internet banda-larga no Brasil. Quando fez a transição para o campo da arte, iniciada por cursos e grupos de estudos orientados por artistas estabelecidos, manteve-se instigada a pensar em estratégias de democratização de meios e linguagens e a estabelecer relações de horizontalidade através de sua pesquisa. O espírito da criação e do compartilhamento que norteou a internet em seu início – que hoje está certamente muito mais próximo das práticas de vigilância e controle – e os efeitos que a internet banda-larga podia causar em um país continental como o Brasil pós-ditadura, nos ajudam a situar o trabalho que Shintani desenvolveu posteriormente com tintas, pincéis, linhas de costura e brigadeiros.

Depois de doze anos de produção, a artista apresenta em “Black Stream” pinturas oriundas de séries diversas em uma instalação que ocupa duas grandes paredes da galeria. Poderão ser vistas obras das séries “Quimeras” (2007), “Bakemono” (2010) ou “Lindoya” (em andamento desde 2008), entre outras, dispostas sobre um fundo preto que contrastará com os suaves e rebaixados tons que as compõem. Quando não eram pintadas diretamente sobre as paredes dos espaços expositivos, como em “Éter” (2009) e “Estacionamento” (2008), as obras eram pensadas em conjunto para lugares específicos. A marcação do fundo preto em “Black Stream” funciona, portanto, como uma indicação de que as obras se apresentam em um momento distinto de suas origens, em um encontro que une muitos passados em nosso presente. A tinta de parede utilizada e a paleta de tons escolhida por Alice nestas pinturas partiam de um desejo da artista de “falar mais baixo para também poder ouvir” e a escala de suas telas, muitas vezes próximas à escala humana, também era pensada como uma maneira de aproximação com o espectador. Convocar a cor preta em 2019 pode sinalizar também uma espécie de ponderação em relação a esse esforço pela comunicação e contato que tanto move Alice: doze anos depois, como se estabeleceram essas trocas? Talvez seja um bom momento para considerar os ruídos, comuns em qualquer processo de interlocução – refletir sobre a disseminação descontrolada das fake news na internet no Brasil de agora, pensando na trajetória da artista, pode ser um bom paralelo a ser traçado.

As obras mais atuais, produzidas neste ano de 2019, são os guaches que dão forma à plantas amazônicas, exuberantes em suas cores vivas, flutuam também sobre fundos pretos. Dialogam de maneira mais direta com as “Sanfoninhas” que Shintani vem produzindo desde 2015, apresentadas dois anos depois em “Menas”, sua terceira individual na Galeria Marcelo Guarnieri. Essas obras fazem parte de um processo em que a artista subia o tom de sua paleta de cores, incluindo o vermelho e o verde-bandeira por exemplo, ao mesmo tempo em que reduzia a escala de suas pinturas, experimentando em guache desde 2015 em “Zika” ou organizando sua produção e venda de brigadeiros em um tabuleiro ambulante com o “Óia Brigadeiro”. Nas “Sanfoninhas”, Shintani explora materialmente algo que já investigava em seus trabalhos mais antigos: distorções, ampliações ou sintetizações de imagens do mundo e da memória em formas geométricas e campos de cores. São dobraduras em papel que guardam formas que se movem, contraindo-se e expandindo-se, imagens em transição que se configuram como uma maneira da artista se aproximar de uma realidade cada vez mais difusa e incompreensível.

Alice Shintani integra a publicação “100 painters of tomorrow”, da editora Thames & Hudson (2014) e foi contemplada com o prêmio-aquisição no “II Prêmio Itamaraty de Arte Contemporânea” com a série Bakemono (2013). Durante a edição da sp-arte/2017, Alice Shintani foi vencedora do Prêmio de Residência com a instalação “Menas” e passou três meses na Delfina Foundation, em Londres (Reino Unido). Participou de diversas exposições individuais e coletivas, destacando-se as seguintes instituições: Museu de Arte Contemporânea da USP, São Paulo, Brasil; Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil; Centrum Sztuki Wspólczesnej, Poznán, Polônia; Centro Cultural São Paulo, Brasil; Instituto Itaú Cultural, São Paulo, Brasil; Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil; Museu Rodin, Salvador, Brasil; Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, Brasil; Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil; Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brasil. Em 2019, convidada pela equipe do Programa CCBB Educativo de São Paulo, propôs a intervenção “Compro Ouro” no centro histórico da cidade. Recentemente, participou do programa de residência no Complexo Hospitalar do Juquery, em meio a denúncias de ligações da instituição com o período da ditadura militar.

Posted by Patricia Canetti at 12:02 PM