Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 13, 2019

Raúl Díaz Reyes na Galeria Raquel Arnaud, São Paulo

Depois de participar de duas exposições coletivas na Raquel Arnaud, em 2016 e 2017, Raúl Díaz Reyes retorna à galeria para sua primeira individual. Em Vocabulário para fixar vertigens o artista espanhol apresenta objetos bidimensionais produzidos em acrílico colorido – azuis, pretos e vermelhos – que nascem a partir da junção de formas puras geométricas – triângulos, círculos e quadrados – em um procedimento que dá origem a novas configurações. O conjunto lembra uma espécie de glossário de ícones e logos que remete ao universo urbano e publicitário.

Os pequenos objetos são acompanhados daquilo que parecem ser seus moldes, também produzidos em chapas de acrílico emoldurados e sustentados por estruturas de ferro. Contudo, os diminutos acrílicos não se encaixam em suas supostas matrizes, rompendo uma hipotética ordem sugerida pelo conjunto. São todos cortados à laser, o que denota certo aspecto industrial, com acabamento primoroso e delicado.

Segundo Izabella Lenzi, que assina o texto expositivo, a aparência que nos leva a crer na ausência do trabalho manual não impede o diálogo entre a produção do artista espanhol com “a experimentação das vanguardas históricas, com a abstração geométrica, com o construtivismo, com o concretismo e o neoconcretismo”. Para Lenzi, os objetos de Reyes estão em permanente redefinição. “As peças de Raúl encontram-se neste terreno, ‘entre’. São quase-pinturas, quase-palavras ou quase-letras que sintetizam e materializam signos presentes na cultura visual contemporânea, na sinalética das cidades e na história da arte. Nesta obra, cruzam-se referências ou contaminações sem citações explícitas e específicas de distintas épocas e procedências”, conclui.

Raúl Díaz Reyes (Madri, 1977) vive e trabalha entre Madri e São Paulo. Seu trabalho rompe as fronteiras entre as disciplinas, levando-nos a uma contemporaneidade decisiva, na qual todas as línguas se afastam do padrão e nos convidam a criar um visual panorâmico de nosso entorno. A união que se estabelece com a arquitetura e a mistura de materiais nos fala das cidades em relação com seus habitantes como sistemas dinâmicos em constante movimento e alteração. Desta forma, não há limites dimensionais, nem leis técnicas: a fotografia é contemplada como uma escultura, e a pintura entra nela. Os resultados dessa reflexão sobre a cidade como lugar de interação e mudança questionam modelos de exibição, alteram códigos e geram novas paisagens com múltiplas possibilidades.

Especialista em gravura pela Escola de Arte nº10 de Madri, Reyes já teve seu trabalho exibido em diferentes lugares entre os quais se destacam, Ponce + Robles, Madri; Osnova, Moscou; Raquel Arnaud, São Paulo; LMCC (Lower Manhattan Cultural Council), Nova Iorque, 3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa; MATADERO MADRID, Madri; Pelaires, Maiorca; Ana Mas Projects, Barcelona; Círculo de Belas Artes, Madri; PIVÔ, São Paulo; Calcografía Nacional, Madri; Biblioteca Nacional, Madri; Emma Thomas, São Paulo; CENTRO CENTRO, Madri; Espacio DAFO, Lleida, + R Galeria, Barcelona; IED, Madri, Ele também participou de feiras internacionais de arte, tais como: ARCO, Madri; VOLTA, Basileia, SP Arte, São Paulo, PARC, Lima e Cosmoscow, Moscou.

Posted by Patricia Canetti at 5:00 AM