Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 13, 2019

Carlos Zilio na Galeria Raquel Arnaud, São Paulo

Carlos Zilio realizou sua última exposição na Galeria Raquel Arnaud em 2016, quando exibiu trabalhos concebidos entre 1973 e 1977. Para a mostra que abre ao público no dia 15 de junho, Fragmentos, o artista apresenta um conjunto de telas produzido no período subsequente, entre 1978 e 1986, e que demarca, segundo Zilio, o momento no qual o artista opta pela pintura como o suporte principal de sua atividade artística.

Depois de suas primeiras exposições coletivas e individuais realizadas na primeira metade dos anos 70, quando sua produção é relacionada à arte conceitual, Zilio é convidado a participar da Bienal de Paris em 1976 e acaba por passar um período de quatro anos morando na capital francesa. Nesse momento passa a questionar a história da arte e sua relação com a pintura. Segundo o artista, foi um período em que a tradição era algo a ser recusado diante da tábula rasa que a arte de vanguarda demandava para a constituição do novo. “Minhas experiências vividas nesta fase, bem como o crescente olhar crítico sobre o sentido evolucionista e mecanicista desta concepção de vanguarda, me fizeram rever referenciais sobre arte, passando a privilegiar a pintura como uma prática capaz de estabelecer um vínculo entre a História e o presente, indo no sentido oposto da crença, tão divulgada naquele momento, da morte da pintura”. Esse processo de Carlos Zilio acontece nos anos 70, anterior, portanto, do retorno à pintura proposto pela Geração 80.

Ao privilegiar a pintura, o artista elege a reflexão sobre o ato de pintar como um dos seus principais temas. Partindo desse pressuposto, as nove obras selecionadas refletem seu enfrentamento com questões culturais e de linguagem pictórica. A cor, a densidade da tinta, o formato da tela são temas presentes e que o auxiliam na definição de sua produção. Segundo Zilio, a tela A querela do Brasil (1979) procura definir seus recursos básicos para a pintura: “a demarcação do plano, a colagem e a superfície cromática”, afirma.

Em Tico-Tico no Fubá (1979) Zilio explora a arqueologia da pintura: a linha, o ponto e a curva na definição do espaço. Já em Delírio de Thales (1981) aparece o prazer da pincelada ou, como diz o artista, “uma outra possibilidade da geometria, como se o plano e a reta fossem transgredidos por curvas cromáticas que anulam os limites da tela numa continuidade incessante”, completa. Vale ressaltar ainda A queda do tamanduá (1986), obra que alude ao icônico animal, recorrente em sua produção e presente no imaginário do artista carioca desde a sua infância. Segundo Zilio, tal obra vislumbra o longo período de abstração que se iniciaria pouco depois.

O que interessa ao artista é, sobretudo, a temporalidade que a pintura tem na história da arte, sua potencialidade transhistórica. "Está no passado e no presente, permitindo sucessivas retomadas sempre carregadas de uma alta carga de expressão, e isso que me fascina”, completa Zilio.

Carlos Zilio (Rio de Janeiro, 1944). Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Estudou pintura com Iberê Camargo no Instituto de Belas Artes e formou-se em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Participou de algumas das principais exposições brasileiras da década de 1960 – Opinião 66 e Nova Objetividade Brasileira, por exemplo, ambas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro –, e de mostras com repercussão internacional: a 9ª, 20ª e a 29ª Bienais de São Paulo (1967, 1989, 2010), a 10ª Bienal de Paris (1977), a Bienal do Mercosul (2005) e Tropicália, apresentada em Chicago, Londres, Nova York e Rio de Janeiro.

Na década de 1970 morou na França. Desde o retorno ao Brasil, em 1980, participou de inúmeras mostras coletivas e fez diversas individuais, entre as quais Arte e Política 1966-1976, nos Museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro, de São Paulo e da Bahia (1996 e 1997), Carlos Zilio, no Centro de Arte Hélio Oiticica (Rio de Janeiro, 2000), que abrangeu sua produção dos anos 1990, e Pinturas sobre papel, no Paço Imperial (Rio de Janeiro, 2005) e na Estação Pinacoteca (São Paulo, 2006).

As mais recentes exposições coletivas que tomou parte foram: Brazil Imagine no Astrup Fearnley Museet, Oslo 2013, MAC Lyon, 2014, Qatar Museum e DHC/Art, Montreal em 2014 e Possibilities of the Object-Experiments in Modern and Contemporary Brazilian Art, The Fruit Market Gallery, Edinburg. Suas últimas exposições individuais foram na Galeria Raquel Arnaud (São Paulo, 2014), no Museu de Arte Contemporânea do Paraná (Curitiba, 2010), no Centro Universitário Maria Antonia (São Paulo, 2010) e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (2011). Zilio foi professor na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 2008, a editora Cosac Naify publicou o livro Carlos Zilio, organizado por Paulo Venancio Filho, sobre sua produção. Possui trabalho em vários museus como MAC/USP, MAC/Paraná, MAC Niterói, MAM/SP, MAM/RJ, Pinacoteca SP e MoMA. A Galeria Raquel Arnaud representa o artista desde 1997.

Posted by Patricia Canetti at 4:27 AM