Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 11, 2019

Rosana Paulino e Maria Fernanda Lucena na dotArt, Belo Horizonte

A memória do passado e do futuro liga as novas exposições individuais da dotART galeria, que serão inauguradas no dia 15 de maio, com as consagradas artistas Rosana Paulino e Maria Fernanda Lucena. Estas são as primeiras mostras de 2019 na galeria e trazem uma temática que está em voga como o feminismo, o ativismo negro e as políticas sociais brasileiras.

São artistas de destaque nacional, portanto a vinda a Belo Horizonte será de grande importância para a agenda de artes visuais da cidade. Rosana Paulino, por exemplo, ganhou uma retrospectiva recente na Pinacoteca de São Paulo, que passou também pelo Museu de Arte do Rio (MAR). As obras que estarão expostas na capital mineira vieram do The Frank Musem of Art, nos Estados Unidos e são inéditas no Brasil. Em setembro ela segue para uma mostra em Harvard, sempre com essa temática do feminismo negro.

“A dotART vai celebrar as questões do feminino e suas novas nuances do feminismo trazendo Rosana Paulino, uma artista que tem uma trajetória internacionalmente conhecida com suas ações focadas nas questões da mulher e da mulher negra perante a sociedade brasileira. Fazendo um contraponto com Maria Fernanda Lucena, artista que busca uma memória do futuro, no qual o que ela desenvolve nessas histórias contadas em suas pinturas não, realmente, interessa, e sim, o que se tornará a partir da realização de sua obra”, comenta Wilson Lazaro, diretor artístico da galeria.

Sobre as exposições

Em Histórias Revisitadas, na galeria 1, a paulista Rosana Paulino mostra que, muitas vezes, é preciso olhar o passado ancestral para construir o futuro. Sua obra ultrapassou regras e transborda em pesquisa que concretiza a criação repleta de história revisitada. Essa busca por identidade pode se dar a partir de elementos pessoais da artista, embora sua força representativa se realize no coletivo.

“Essas histórias contadas em pedaços fazem transparecer o ‘eu’ na criação, porém não se apresentam como relato, mas como campo de inserção de leitura, como espaços para a compreensão do outro, como o ato de escrever uma história sem lhe convir. O que permanece são apenas as pausas – para a artista, o momento mais importante da leitura da sua obra – e seus pensamentos políticos e pensamentos de acolhimento. Rosana Paulino é verdadeira artista nesse momento tão delicado por que passamos”, afirma Lazaro.

Já Maria Fernanda Lucena pensou Intermédios, exposta na galeria 2, especialmente para sua primeira individual fora do Rio de Janeiro, cidade onde nasceu e trabalha. Seu trabalho é marcado pela memória, afeto e passagem do tempo. As narrativas propostas m suas obras refletem realidade e ficção ao apresentar um alguém, um lugar, um objeto e ela mesma.

“Para esta exposição busquei juntar pessoas e objetos de tempos e lugares distintos em uma só imagem, promovendo encontros inusitados. Como, por exemplo, o trabalho ‘Casa Amarela’ que retrata Luzinete nos anos 70, em um bairro de Recife ao lado de Sofia, em um jardim na Toscana em 2018. Para mim, a memória é como uma ilha de edição, onde fragmentos de imagens se juntam para formar um só bloco, no qual encontros, inevitavelmente, acontecem”, comenta a artista.

SOBRE AS ARTISTAS

Rosana Paulino é bacharel em Gravura e Doutora em Artes Visuais pela USP, além de especialista em gravura pelo London Print Studio, de Londres. Foi bolsista do Programa Bolsa da Fundação Ford nos anos de 2006 a 2008 e CAPES de 2008 a 2011. Em 2014 foi agraciada para residência no Bellagio Center, da Fundação Rockefeller, em Bellagio, Itália. Como artista vem se destacando por sua produção ligada a questões sociais, étnicas e de gênero. Seus trabalhos têm como foco principal a posição da mulher negra na sociedade brasileira e os diversos tipos de violência sofridos por esta população decorrente do racismo e das marcas deixadas pela escravidão.

Possui obras em importantes museus tais como MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo; UNM – University of New Mexico Art Museum, New Mexico, USA e Museu Afro-Brasil – São Paulo. Tem participado ativamente de exposições, tanto no Brasil como no exterior, das quais, além de diversas coletivas, se destacam as individuais na Pinacoteca de São Paulo, São Paulo, Brasil - A costura da memória (2018-2019); Museu de Arte do Rio, Rio de Janeiro, Brasil - A costura da memória (2019); The Frank Museum of Art, Columbus, Ohio, Estados Unidos (2019); Clifford Art Gallery – Colgate University, EUA – Assentamento (2018); Atlântico Vermelho – Padrão dos Descobrimentos – EGEAC, Lisboa Portugal (2017); Galeria Superfície (Atlântico Vermelho, 2016); Mulheres Negras – Obscure Beuaté du Brésil. Espace Cultural Fort Grifoon à Besançon, França (2014); Assentamento. Museu de Arte Contemporânea de Americana, São Paulo, (2013) Tecido Social – Galeria Virgílio, São Paulo, (2010); Rosana Paulino: Obra Gráfica. Galeria Nello Nuno, Fundação de Arte de Ouro Preto (2007) e Centro Cultural São Paulo, (2000).

Maria Fernanda Lucena tem formação em Indumentária e design de moda, além de diversos cursos da EAV, Parque Lage. A artista se interessa por lugares, personagens, objetos e, sobretudo histórias. Seus trabalhos são caixas de lembranças, relicário de um tempo da vida que alguém viveu.

Entre as exposições coletivas e salões que participou, destacam-se “Somos todos Clarice”, curadoria de Isabel Sanson Portella, RJ / 2016, “29 de Setembro”, curadoria de Marcelo Campos e Efrain Almeida, Largo das Artes, RJ / 2015;” Visão de Emergência”, curadoria de Marcelo Campos, Galeria Colecionador, RJ; “À Primeira Vista”, curadoria de Brigida Baltar, Efrain Almeida e Marcelo Campos, Galeria Artur Fidalgo, RJ / 2014; 12º Salão Nacional de Arte de Jataí, Museu de Arte Contemporânea de Jataí, Goiânia; 31º SAPLARC, XXXI Salão de Artes Plásticas de Rio Claro, SP – Prêmio de Menção Honrosa/ 2013; 19º Salão de Artes Plásticas de Praia Grande, Palácio das Artes, SP; II Salão dos Analfabetos, Universidade Federal de Santa Maria, RS / 2012.

Posted by Patricia Canetti at 12:53 PM