Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 9, 2019

Darks Miranda na UERJ - Candido Portinari, Rio de Janeiro

A Galeria Candido Portinari exibe primeira exposição individual da artista Darks Miranda, com trabalhos antigos e inéditos - leves e pesados, fáceis e difíceis

A exposição Mulher Desfruta propõe mostrar versões de um imaginário brasileiro e gringo, feminino e drag, fetichista e frutífero, uma tristeza travestida de alegria e vice-versa. Com primeira referência na mulher fruta inaugural, Carmen Miranda, Darks incursiona cultura de massa adentro, partindo de meados do século XX, passando pelas mulheres-frutas dos anos dois mil e pouco e pelo flerte com a pós-pornografia e o animismo. Para isso, se faz uso de diversas mídias e formatos, como a instalação, o vídeo em televisão e projeção, banner de revista fictícia, fotografias, lambe-lambe, performance e objetos. Os diferentes trabalhos se contaminam e se completam, formando todos um universo próprio.

Ao cobrir rosto e corpo com seus disfarces, máscaras, lençóis, de forma que possa se proteger. Ser o que quiser, ou deixar que seja sobre ela outras imagens possam ser projetadas, a artista multiplica suas possibilidades de existência enquanto mulher.

A curadora Natália Quinderé define então que “A mulher desfruta não reproduz a imagem da mulher. Ela não é um reflexo ideal nem uma miragem. Nesse sentido, não representa nada nem ninguém. Ela é. (…) Porém, ela não se expõe ao lado da mulher melancia, mulher samambaia, Dany bananinha, loira do banheiro e a mulher de branco que aterroriza, a cada aparição, os moradores de Santana do Agreste em Tieta. A mulher desfruta, com sua cara de abacaxi e braços ásperos da casca do abacaxi, tem um jeito singular daquela mulher que você não esquece. (…) Ela lembra vagamente Carmem Miranda e seus clichês de brasilidade. Ela é uma mulher trans na Praia do Futuro, segurando seu abacaxi”.

Espera-se “uma combinação de auto-ficção e incorporação de forças obscuras e cômicas incontroláveis”, “Darks Miranda é uma entidade pastelão das trevas, de gênero plural (misto).” A artista/persona descreve a origem de sua própria criação enquanto duplo: “Fez sua primeira aparição oficial em 2012, quando equilibrava frutas sobre a cabeça de forma concentrada, assombrada por suas antepassadas - fêmeas espúrias e similares, todas de origens duvidosas e variadas.”

Darks Miranda participou de exposições e mostras coletivas em espaços nacionais e internacionais e estreia na nossa Galeria Candido Portinari (UERJ Maracanã – Rua São Francisco Xavier, 524) no dia 9 de maio, quinta-feira, às 18h, e fica em cartaz até 19 de junho, sempre de segunda a sexta, das 10 às 19h, com entrada franca.

Posted by Patricia Canetti at 8:57 AM