Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 2, 2019

Milú Villela passa a presidência do MAM para a empresária e colecionadora Mariana Guarini Berenguer

Novo comando foi eleito pelo Museu para o biênio 2019-2021. Milú segue na instituição como Presidente de Honra

O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-São Paulo) confirmou nesta segunda-feira, 29, a eleição da advogada, colecionadora e ex-professora do Insper, Mariana Guarini Berenguer, para a presidência da diretoria do museu no biênio 2019-2021. Ela irá substituir Milú Villela, que foi eleita Presidente de Honra, após mandato de 24 anos à frente da instituição. A executiva tem grande experiência em gestão e ocupou anteriormente os postos de diretora jurídica de grandes grupos empresariais.

“É uma honra e uma responsabilidade muito grande assumir um museu que se tornou referência para o cenário cultural brasileiro”, diz Mariana Guarini Berenguer. “Agradeço à confiança da Milú, do Conselho e dos diretores do MAM. Vamos trabalhar para fortalecer ainda mais o museu neste momento em que a cultura atravessa grandes desafios no país”.

Milú Villela assumiu a presidência do MAM em 1995 e promoveu uma profunda transformação na instituição. “Quando cheguei ao MAM, o museu vivia um estado de dificuldade. O prédio apresentava problemas estruturais, o acervo não era relevante, o público não tinha uma relação com a instituição. Fui literalmente arregaçando as mangas, articulando arquitetos, especialistas, amigos, juntando forças e vontade de trazer de volta ao Museu a importância que ele merecia”, conta Milú.

Passadas mais de duas décadas, o MAM se converteu numa das instituições de cultura mais importantes do país. A sede da instituição foi inteiramente reformada logo em 95 e rapidamente conquistou padrões museológicos e museográficos de nível internacional, atingindo patamares equivalentes aos melhores museus do mundo no que diz respeito a climatização, segurança e conservação de obras.

Começava ali a trajetória de recuperação do MAM. Em pouco mais de duas décadas de gestão, o acervo do museu saltou de 2 mil para 5,5 mil obras e hoje reúne alguns dos trabalhos mais representativos da arte contemporânea brasileira.

O MAM se tornou referência também em arte educação, atividade em que foi pioneiro no país. Entre 1995 e 2019, o Educativo do museu recebeu um público de mais de um milhão de pessoas, principalmente crianças e adolescentes de escolas públicas e privadas da grande São Paulo. Com esta experiência, o museu passou a ser convidado para dar formação e compartilhar tecnologia educacional com diversas instituições do país, como Sesc, Centro Cultural Banco do Brasil, Museu de Arte Moderna da Bahia, Universidades Federais e Estaduais, além de instituições internacionais como Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (MALBA), Smithsonian Museum of the American Indian (EUA), Guggenheim (EUA), entre outras.

O MAM passou a ser, desde 1998, o primeiro museu com prioridade em acessibilidade no país. A instituição foi pioneira no atendimento de pessoas surdas, pessoas com deficiência visual, física e intelectual, além do público da saúde mental e pessoas em situação de vulnerabilidade social. Em 2002, foi criado o programa Igual Diferente, que começou recebendo instituições do terceiro setor e de educação especial para atividades dedicadas à fruição artística, melhora da qualidade de vida e integração social. O programa Igual Diferente recebeu reconhecimento internacional e foi apontado no VSArts, em Washington, como uma das iniciativas mais representativas do gênero praticadas por museus em todo o mundo, entre outros prêmios.

Hoje, esse público vem ao museu por meio dessas parcerias ou de forma autônoma, frequentando não apenas os cursos do programa Igual Diferente, mas toda a programação do MAM, além de integrar sua equipe profissional. O conceito de acessibilidade transversal envolve todas as áreas do MAM, que trabalham na permanente construção de um museu para todos.

O MAM também avançou substancialmente na gestão de recursos materiais. O museu criou uma estrutura profissionalizada para captação de recursos. Hoje o MAM mantém uma eficiente rede de financiamento composta por recursos captados por meio de leis de incentivo à cultura, empresas, área governamental e sócios. Em 1994, o MAM contabilizava 60 sócios (pessoas físicas); ao longo das últimas duas décadas mais de 1,2 mil associados passaram a colaborar com o museu. O programa de patrocinadores, que contava com duas empresas, hoje contabiliza 103. Ainda para potencializar a arrecadação de fundos, o MAM criou sua própria loja, à semelhança do que fazem alguns dos mais prestigiados museus do mundo.

Com essa estrutura de gestão sólida, a área curatorial conseguiu avançar em suas atividades de expansão do acervo, produção de mostras representativas e internacionalização da arte brasileira. Entre 1995 e 2019 o MAM recebeu mais de 5,3 milhões de pessoas em suas exposições e atividades.

“A Milú transformou o MAM numa instituição vibrante e bem-sucedida. Agora tenho a missão de dar continuidade a este projeto potente, buscando novos caminhos de expansão para o museu”, diz Mariana Guarini Berenguer. “Vamos passar por um período de aprendizado e depois vamos apresentar nossas propostas para esta nova fase da instituição”, diz.

“Desejo à Mariana todo o sucesso do mundo. É um prazer passar a presidência do museu a uma outra mulher. A Mariana certamente dará uma grande contribuição para o MAM, garantindo vida longa e vibrante ao nosso Museu de Arte Moderna de São Paulo”, afirma Milú.

A assembleia geral do MAM realizada hoje elegeu os membros da diretoria e novos membros para o conselho.

Diretoria

Presidente
Mariana Guarini Berenguer

Vice-Presidente
Daniela Villela

Diretora Jurídica
Maria Elisa Gualandi Verri

Diretor Financeiro
Rodolfo Henrique Fischer

Diretora Administrativa
Paula Azevedo

Diretores
Camila Granado Pedroso Horta
Cesar Giobbi
Eduardo Saron Nunes

Novos membros do Conselho
Alfredo Egydio Setúbal
Ana Carmen Longobardi
Andrea Pereira
Caio Luis de Carvalho
Eduardo Brandão
Fábio Magalhães
Luís Terepins
Marcos Amaro
Maria Fernanda Mello
Martin Grossmann
Michel Claude Julien Etlin
Paulo Gaio de Castro Jr.
Sérgio Ribeiro da Costa Werlang
Sergio Silva Gordilho
Susana Steinbruch
Telmo Giolito Porto
Vera Negrão

Posted by Patricia Canetti at 3:12 PM