Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


março 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise no blog:
Arquivos:
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 1, 2019

Daisy Xavier na Galeria A2 + Mul.ti.plo, Petrópolis

O mês de dezembro de 2014 marcou a inauguração da galeria A2. Na época com uma relevante exposição da artista Daisy Xavier. Passados mais de 5 anos, a galeria A2 + Mul.ti.plo volta a mostrar trabalhos da artista em uma nova exposição.

São aproximadamente 20 obras em formatos, suportes e materiais diversos das séries “O último Azul” (2012); “Pequenas Gravidades” (2016), “Porque não somos naturais” (2016) e desenhos mais recentes da série “O agudo das coisas” (2018).

Essas obras parecem ter em si um lugar para acolher o imponderável, um olhar ali se ilumina como se tudo o que se passa a sua volta não lhe fosse alheio. Por isso mesmo há uma recusa – de um jeito ou outro – desses trabalhos em aderir a pasmaceira turística da cultura digitalizada dos dias que correm, diz Maneco Muller sócio da galeria.

Maneco também afirma que gosta muito da ideia da Ligia Canongia sobre a rede "pela fragilidade de suas tramas, e pelos vazios que assume..." em outro momento a crítica de arte reforça essa ideia ao afiançar: "... telas envolvidas por uma rede de fios metálicos que se movimentam como ondas líquidas sobre o plano, projetando sombras...”.

No dia 2 de março às 19h, também será lançado no Vale das Videiras, o novo livro da artista intitulado "Horizontes de Eventos". Trata-se de uma esmerada edição que contém uma exímia apresentação do curador Franklin Pedroso e um denso texto crítico de Lígia Canongia. A artista estará presente para os autógrafos e a boa conversa sobre arte.

Sobre a artista

Daisy Xavier, 1952. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. As imagens de forte carga poética presentes nas obras de Daisy Xavier discutem o corpo como o lugar de zonas permeáveis. Nos vídeos, fotos, instalações, pinturas e desenhos, a água e a rede são apresentadas como elementos recorrentes que criam campos intercambiáveis, em constante mutação.

No Paço Imperial no Rio de Janeiro, realiza em 2017 a mostra intitulada “Pequenas Gravidades”, um panorama de sua trajetória com mais de 70 obras. Em 2015, apresenta a exposição “Três Tempos“ na Galeria A2 - Vale das Videiras – Rio de Janeiro, Brasil; 2013 “Arqueologia da Perda” na Galeria Eduardo Fernandes – São Paulo, Brasil; 2012 “Arqueologia da Perda” na Galeria Anita Schwartz – Rio de Janeiro, Brasil; em 2011 realiza a exposição “Último Azul” no Museu de Arte Moderna – Rio de Janeiro, Brasil e a mostra individual “Para medir um mar” na Galeria Eduardo Fernandes – São Paulo, Brasil. Entre as exposições coletivas, algumas que se destacam: em 2017 “A Natureza Muda de Lugar” na Galeria Eduardo Fernandes – São Paulo, Brasil, 2016 “Hiato” – na SIM Galeria, Curitiba/ Paraná e “Plural” – Galeria Eduardo Fernandes - São Paulo em 2015.

Participa da V Bienal do Mercosul em 2005 e em mostras no Museu de Arte Moderna-RJ, Galeria Florência Loewenthal (Chile), Instituto Tomie Ohtake (SP), Galeria da Funarte (RJ), Galerias do IBEU (RJ), Parque Lage (RJ), Caixa Econônica (RJ), Sesc Pinheiros (SP), LOKAL 30 (Varsóvia, Polônia), Centro Cultural Telemar (RJ), Oi Futuro (RJ), Itaú Cultural (SP), CCBB-RJ, Centro Cultural Recoleta (Buenos Aires), MAM-Salvador, Museu Nacional de Belas Artes (RJ) e no Centro Cultural CEMIG (MG).

Daisy Xavier é formada em Psicologia e Psicanálise. Estudou História da Arte com Paulo Sergio Duarte, pintura com João Magalhães, pintura com Milton Machado e Daniel Senise. Apresentou sua primeira individual no Centro Cultural Brasil-Colômbia em Bogotá em 1992, e foi indicada ao renomado Prêmio Pipa de arte contemporânea em 2010.

Posted by Patricia Canetti at 2:44 PM