Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28    
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 12, 2019

Os fins do sono na Oma, São Bernardo do Campo

Exposição Os fins do sono reúne importantes nomes da arte contemporânea, com curadoria de Paula Braga e Aléxia Bretas, mostra inédita discute o sono como território de recusa à gestão capitalista do tempo

Levamos um modo de vida no qual tentamos constantemente nos adequar ao tempo que nos resta e à necessidade de estar sempre despertos: daí, para muitos, o sono ter se tornado sinônimo de ócio improdutivo e perda de tempo. Sabemos, no entanto, que o estado de sono proporciona não apenas uma pausa, interrupção ou descanso para o “eu” consciente, como também exerce um papel fundamental para a sobrevivência e o bem-estar do corpo e da mente, sobretudo, em meio à cultura da vigilância e da gestão produtivista do tempo durante vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana.

Trazendo à luz importantes questões sobre os propósitos e a finitude do sono, a exposição terá sua abertura na sexta-feira, dia 15 de fevereiro, às 19 horas, na Oma Galeria. Intitulada Os fins do sono, a mostra reúne cerca de 11 obras, entre desenhos, fotografias, instalações, audiovisuais, montagens e plotagens. Sob curadoria das professoras e também pesquisadoras Paula Braga e Aléxia Bretas, a mostra coletiva explora o sono como reserva existencial e política, trazendo para o Grande ABC importantes nomes da arte contemporânea, como Ana Teixeira, Beanka Mariz, Fernando Velázquez, Dani Tranchesi, Gustavo Von Ha e Ricardo Basbaum.

Segundo as curadoras, “as obras da exposição tratam dos aspectos curativos do sono, tanto no âmbito individual quanto coletivo. Dormir é transgressor pois estabelece um território de recusa à lógica do capitalismo tardio”. O espectador que visitar a exposição terá a oportunidade de se deparar com diferentes nexos e sensações produzidas pelas múltiplas tensões entre o dormir, o sonhar, a insônia e o despertar.

Na obra da artista Ana Teixeira, o desenho plotado na parede se reporta à gravura “O sono da razão produz monstros” do artista espanhol Francisco Goya, seguido de uma frase de Fernando Pessoa que contradiz o senso comum, indicando importantes afinidades entre o sonho e o raciocínio lógico. A carioca Beanka Mariz expõe uma cama hospitalar junto a um soro intravenoso, que alude à patologia da convivência com a insônia. “Penso o meu trabalho como uma investigação incessante entre Natureza e Método – bata-se ou não, a porta sempre se abrirá”, observa a artista.

As fotografias de Dani Tranchesi nos remetem a espectros que perambulam em meio a um parque de diversões torturante numa espécie de pesadelo recorrente, enquanto no vídeo de Gustavo Von Ha, depoimentos exaltam os delírios provocados pelos sonhos. Já Ricardo Basbaum apresenta um áudio e diagramas plotados na parede, a nos lembrar que dormir não é a única estratégia para estar no aqui e agora: “sem sonho, sem sono”. É preciso resistir à normatização dos comportamentos também na vigília, recuperando uma racionalidade desperta, que recusa o imperativo do consumo e da vigilância no ritmo 24/7.

Fernando Velázquez, o último aqui apresentado, explora a luz do néon que atua como impeditivo do sono, em uma espécie de loop de um contínuo estado de vigília. “Os humanos têm a capacidade de articular dados objetivos e subjetivos sobre o mundo exterior de uma forma particularmente densa e intrincada”, afirma o artista. Revelando um lado poético entre linguagens, Velázquez trabalha livremente alguns aspectos abordados pela mostra, principalmente pela ótica de uma sociedade cada vez mais individualista e seduzida pelos excessos.

A exposição “Os fins do sono” é a primeira exposição da Oma Galeria em 2019. Com entrada gratuita de terça a sábado, a mostra ficará aberta para visitação até o dia 23 de março.

Posted by Patricia Canetti at 12:42 PM