Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28    
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 7, 2019

MASP recebe vídeo de Jenn Nkiru sobre a experiência negra

Diretora, conhecida por trabalhos como a direção artística de ‘Apeshit’, clipe gravado por Beyoncé e Jay-Z no Louvre, estreia ‘Rebirth is necessary’ na Sala de Vídeo em 7.2

A Sala de Vídeo do MASP recebe a partir de 7 de fevereiro Rebirth is necessary (2017, 10min38seg, 8mm, 35mm, digital), vídeo da cineasta anglo-nigeriana Jenn Nkiru vencedor no ano passado da categoria Melhor Curta Documentário do Festival de Cinema Independente de Londres e da categoria Melhor Curta de Arte do prêmio Voice of a Woman, em Cannes. A obra, uma colagem de trechos de vídeos de diversos autores e épocas, fala sobre a experiência negra no mundo —e a necessidade de discuti-la e reinventá-la. Em cartaz até 24 de março no segundo subsolo do museu, o trabalho faz parte da transição entre “Histórias afro-atlânticas” e “Histórias das mulheres, histórias feministas”, eixos temáticos da instituição em 2018 e 2019, respectivamente.

Jenn Nkiru vive e trabalha Estados Unidos e Inglaterra, onde nasceu, e dedica sua obra a um retrato amplo, investigativo e reflexivo sobre a condição negra desde a diáspora africana. É autora de videoclipes, curtas-metragens e videoinstalações. Na música, se destacou no ano passado como diretora artística de segunda unidade para o visual do clipe Apeshit, que o casal de músicos pop Beyoncé e Jay-Z gravou no Louvre. O vídeo, dirigido por Ricky Saiz, traz sequências que questionam a relação hierárquica entre brancos e negros, o papel relegado aos afro-descendentes e o eurocentrismo das histórias da arte e dos museus, como o Louvre.

Em Rebirth is necessary, Nkiru faz uso de imagens próprias e de autores diversos. A maioria das cenas é datada dos anos 1960 e 70, período que registrou o ápice do movimento por direitos civis nos EUA e o surgimento do afrofuturismo. O movimento estético-artístico, que só ganharia este nome nos anos 1990, foi retomado por Hollywood no ano passado com o blockbuster Pantera Negra. Sua proposta é misturar fantasia, tecnologia e referências africanas pré-diáspora para tecer narrativas afrocentradas que apontem tanto para o passado como para o futuro, e inverter a narrativa dominante no mainstream, capitaneada por brancos.

No curta, há trechos de filmes, de comerciais de TV e de clipes. O resultado são sequências oníricas em que surgem ora anônimos ora a organização política dos Panteras Negras e os jazzistas Alice Coltrane e Sun-Ra, considerado um dos pilares do afrofuturismo. A justaposição de passado, presente e futuro, de símbolos de resistência e transcendência, resulta em algo novo e provocativo, e também universal.

“Jenn Nkiru tem fortes referências da música, do cinema africano e do cinema diaspórico. Ela faz parte de uma geração de negros que busca recompor a sua ancestralidade, criou uma linguagem própria ao imprimir velocidade na edição de imagens e alcançou protagonismo em um meio ainda muito dominado por homens brancos”, diz Horrana de Kassia Santoz, assistente de mediação e programas públicos do MASP e responsável pela curadoria desta mostra. “Tem uma linguagem própria e encontra consonância entre os dois ciclos.”

Posted by Patricia Canetti at 11:46 AM