Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


dezembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise no blog:
Arquivos:
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 29, 2018

Carlos Fajardo no MON, Curitiba

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura dia 22 de novembro, quinta, às 19h15, a mostra Diáfano - Reflexos, transparências e opacidade na obra de Carlos Fajardo, com curadoria de Henrique Xavier. Neste dia é comemorado o aniversário do MON, com programação especial o dia todo e entrada franca até 21h.

A exposição faz parte de um amplo projeto de exposições e pes­quisa sobre a obra de Carlos Fajardo, apresentando, sobretudo, a produção mais recente do artista, inclusive uma obra foi criada especialmente para a mostra.

As obras recentes, nove ao total, trabalham sobretudo com um tipo de superfície mui­to especial: a reflexiva. São obras marcadas pelo uso estético de vidros, espelhos e superfícies semirreflexivas, transparentes e coloridas, as quais são combinadas não apenas entre si, mas também associadas a fotografias de grandes dimensões, a feltros de lã de ovelha, a prata molda à mão, a caixas e a estruturas tridimensionais.

Há, também, uma obra de luz, proveniente da trajetória de mais de cinquenta anos de carreia do artista. Contudo, não se trada de expô-la de maneira meramente histórica, mas de colocá-la com vida e atualidade em tensão com o material novo.

A obra de Fajardo marca a contínua renovação de uma trajetória que se inicia em 1966 e permanece até os nosso dias em um constante diálogo com os caminhos mais ousados da arte contemporânea. “São desenhos, pinturas, vídeos, esculturas e instalações; sendo, principalmente, obras que possuem um tênue erotis­mo, pois lidam sutilmente com a presença, o corpo e o desejo do espectador”, analisa o curador.

Por meio deste conjunto de materiais são produzidas experiências capazes de brincar, duplicar e fundir espa­ço, cor, arquitetura e a imagem dos próprios espectadores presentes na exposição.

As criações do artista serão dispostas procurando interagir entre si e com o espa­ço ao seu redor, operando como uma única grande instalação. Assim, o espectador não se depara apenas com uma série de obras autônomas, uma ao lado da outra, mas com um conjunto coeso que reflete a si mesmo em um diálogo com o ambiente, apropriando-se esteticamente do próprio espaço do museu.

A mostra fica em cartaz até 28 de abril de 2019. A visitação pode ser feita de terça a domingo, das 10h às 18h. No dia da abertura a entrada é gratuita.

Carlos Alberto Fajardo frequenta o curso de arquitetura na Universidade Mackenzie, em São Paulo, entre 1963 e 1972. Na década de 1960, estuda pintura, desenho, comunicação visual e história da arte com Wesley Duke Lee (1931 - 2010), e música contemporânea com Diogo Pacheco (1925). Participa da criação do Grupo Rex, com Wesley Duke Lee, Nelson Leirner (1932), Frederico Nasser (1945), Geraldo de Barros (1923 - 1998) e José Resende (1945), em 1966, e torna-se co-editor do jornal Rex Time. Em 1970, com Luiz Paulo Baravelli (1942), Frederico Nasser e José Resende, funda a Escola Brasil:. Estuda gravura em metal com Babinski (1931) e litografia com Regina Silveira (1939). No início de sua trajetória, trabalha com diferentes técnicas, realizando objetos, pinturas, colagens, desenhos e gravuras. A partir de 1981, expõe trabalhos em pintura, constituídos por um conjunto de telas e de superfícies em madeira pintada, apenas apoiados nas paredes da sala, criando assim um espaço entre os dois planos. Passa a dedicar-se à realização de esculturas em que explora questões como peso, gravidade ou sustentação da obra no solo. Em 1987, recebe a Bolsa Ivan Serpa da Funarte e, em 1989, a Bolsa Vitae de Artes. Desde 1996, leciona no departamento de artes plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP.

Posted by Patricia Canetti at 1:22 PM