Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


dezembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise no blog:
Arquivos:
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 28, 2018

Aonde vamos? na Lume, São Paulo

Galeria Lume estreia coletiva com tom crítico e reflexivo

Com trabalhos de artistas de diferentes gerações, exposição curada por Paulo Kassab Jr. sugere reflexão acerca de questões políticas e sociais que assolam o País

Uma pausa em meio às intempéries sociais e políticas que tomam conta do País no momento presente. Uma lacuna com indagações para quem busca respostas. Como enxergamos os períodos de transição do passado e do presente? Essas são algumas das questões que conduzem a coletiva Aonde vamos?, exposição que a Galeria Lume realiza a partir de 1º de dezembro, com obras de artistas do corpo representado e também de convidados.

Com curadoria de Paulo Kassab Jr., a mostra reúne trabalhos de Adolfo Montejo Navas, Ana Vitória Mussi, Clara Ianni, Ile Sartuzi, Kilian Glasner, Nazareth Pacheco, Ole Ukena e Tiago Tebet. Direta ou indiretamente, as obras dialogam com o momento que o Brasil atravessa e, sem apresentar respostas, propõem uma série de indagações sobre a relação de uma intolerância crescente cultivada em nossa sociedade com hábitos de consumo fugazes e a imponência das redes sociais em nossas vidas.

"Enquanto nos adaptamos e reinventamos formas mais sustentáveis de conviver e compartilhar, o consumo e as redes sociais continuam a crescer como uma fonte de prazer quase orgástica. Tudo se vende, tudo se compra, tudo se expõe, tudo se posta. As eleições tornaram-se concursos de popularidade em vez de serem um debate racional de propostas. Enquanto isso, insuspeitos eleitores se deleitam com falsas notícias (fake news), posts revoltos e engajados, uma sucessão infinita de likes e deslikes", afirma Paulo Kassab Jr. "Vivemos um momento de reticência: a transição incerta entre dois governos temerários insinua uma sociedade que se instala entre a euforia e tristeza", completa.

Cenas de violência do passado e do presente se fundem nas projeções de Bang, videoinstalação de Ana Vitória Mussi, artista catarinense e radicada no Rio de Janeiro, precursora no uso da fotografia vinculada à linguagem audiovisual. Neste trabalho, ela une a ficção à realidade ao intercalar cenas de filmes que retratam a Segunda Guerra Mundial, registros fotojornalísticos da guerrilha urbana que tem sobrevida nas favelas cariocas e ainda frames aleatórios e nem por isso menos significativos: o voo do avião de combate e o salto de um atleta olímpico do documentário de Leni Riefenstahl, cineasta alemã que ganhou notoriedade por seus filmes propagandas do governo de Adolf Hitler.

Em War II, a paulistana Clara Ianni faz uma referência ao jogo de tabuleiro que divide jogadores entre continentes e seus respectivos exércitos. Nos seis painéis que compõem o trabalho, a identificação mais do que clara de um inimigo a ser, literalmente, destruído.

Nazareth Pacheco integra a exposição com duas das peças de Objetos Aprisionados, série de caixas que reúnem objetos e documentos de caráter autobiográfico, frutos de tratamentos médicos e estéticos a que a artista foi submetida durante a infância e adolescência. Aqui, os trabalhos chamam atenção justamente para a violência latente na busca incessante por um padrão de beleza socialmente estabelecido - dinâmica hoje reforçada pelas redes sociais. "O modo de vida dedicado ao externo, à aparência, impõe padrões massacrantes e, de certo modo, inatingíveis. E uma vez que o mundo real não nos permite as correções de aplicativos como Facetune ou Airbrush, recorremos a cirurgias plásticas, tratamentos e remédios que se vendem como milagrosos.

Tiago Tebet surge na mesma toada. O artista paulistano traz AssimComoEuOuAssimComoVocê e Canalhada, trabalhos que apresentou em 2017, na coletiva Fábula, frisson, melancolia, no Instituto Tomie Ohtake. Tomando sua cidade como território, faz uso de uma arquitetura que diverge daquela que é ensinada nas universidades, reforçando um descompasso sem fim com um mundo que se especializou em consumir sonhos. Ao artista, interessa o fazer passado de geração em geração. No primeiro dos trabalhos, por exemplo, sobre uma tela branca, padrões típicos de pinturas de casa. E sobre o painel que se diz parede, alguns rabiscos, que evocam aqueles que o cercam.

Posted by Patricia Canetti at 11:38 AM