Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 27, 2018

Zanini de Zanine na Luciana Caravello, Rio de Janeiro

Premiado designer apresenta obras inéditas, em madeira de demolição de espécies brasileiras, na Luciana Caravello Arte Contemporânea

Luciana Caravello Arte Contemporânea inaugura, no dia 1 de dezembro para convidados e no dia 3 de dezembro para o público, a exposição Planos Maciços, com cerca de treze obras inéditas do premiado designer Zanini de Zanine, que ocuparão todo o terceiro andar da galeria. Produzidas este ano, especialmente para esta mostra, as peças fazem parte de uma nova pesquisa do designer e foram produzidas com madeira de demolição de espécies brasileiras, valorizando e preservando as técnicas manuais de trabalho.

[scroll down for English version]

A exposição terá peças de mobiliário – poltronas e bancos – e escultura de parede e de mesa, produzidas com ipê-tabaco e eucalipto vermelho, explorando as especificidades físicas e sensoriais de cada espécie, destacando suas cores e texturas. O ipê-tabaco, por exemplo, é uma madeira que tem veios fortes e bem definidos e isso sobressai no mobiliário. Apesar de serem de naturezas diferentes, as obras da exposição dialogam entre si. “Algumas esculturas nasceram do mobiliário e vice-versa”, conta Zanini de Zanine.

Como são feitas de madeira de demolição, o designer aproveitou, em muitos casos, a geometria original das peças para criar os novos trabalhos, inspirados no traço da geometria e no encaixe das formas. “As obras têm uma geometria forte e muitos ângulos são baseados nos encaixes e cortes das peças originais. Algumas, por exemplo, eram colunas e as peças novas nascem desses ângulos”, explica Zanini de Zanine.

Uma novidade é a utilização, pela primeira vez, de volumes cilíndricos em madeira nas peças de mobiliário, que são introduzidas como se estivessem perfurando as poltronas. “São peças fora do comum, diferente do que fiz até agora, com perfurações nas quais experimento o tarugo de madeira nos planos”, conta o designer.

Na exposição, haverá, ainda, alguns múltiplos, que fazem uma “tradução contemporânea de objetos da atualidade”, diz Zanini. Um exemplo é a escultura “Rivotril”, em madeira, que faz alusão ao medicamento tão em voga atualmente.

SOBRE O ARTISTA

Zanini de Zanine nasceu no Rio de Janeiro em 1978 e cresceu vendo o pai, José Zanine Caldas, trabalhar. Estagiou com Sergio Rodrigues, quando produziu seu primeiro móvel. Em 2002 graduou-se em Desenho Industrial pela PUC-Rio.

A partir de 2003, começou a produzir móveis em madeira maciça, com peças de demolição – colunas, vigas e mourões de casas antigas – batizadas como “Carpintaria Contemporânea”. A partir de 2005, começa a criar uma nova linha de móveis com peças produzidas industrialmente, usando além de madeira com origem controlada, materiais diversos como plástico, metacrilato, metais e partes de outros produtos industrializados. Para representar os móveis dessa nova linha, Zanini cria em 2011 o Studio Zanini.

Recebeu os mais importantes prêmios de Design do Brasil e fora pelos móveis que criou nos dois segmentos e expôs nos principais eventos nacionais e internacionais da área. Hoje assina peças para grandes marcas nacionais e internacionais como a francesa Tolix, as italianas Cappellini, Slamp e Poltrona Frau, ESPASSO entre outras.

Nomeado Designer do Ano pela Maison & Objet Americas 2015 e contemplado pelo Philadelphia Museum of Art como um dos jovens talentos que mais contribui para o desenho autoral na atualidade, Zanini de Zanine tem suas criações em acervos de museus da Europa, Estados Unidos e Brasil.


Award-winning designer presents new work using Brazilian timber from demolition sites at Luciana Caravello Arte Contemporânea

Opening on 1 December for invited guests, the Luciana Caravello Arte Contemporânea exhibition Solid Planes will open for the public on the third of the same month. The show contains around thirteen previously unseen works by the award-winning designer Zanini de Zanine and will occupy the entire third floor of the gallery. The pieces were produced this year especially for the show, as part of a new research project, and are crafted by hand out of Brazilian timber from demolition sites, in accordance with traditional techniques.

The exhibition contains furniture—armchairs and benches—and a wall and table sculpture, all made of ipê-tabaco and red eucalyptus, in a manner that explores the specific physical and sensorial features of each species, in particular their color and texture. Ipê-tabaco, for example, has sturdy, clearly-defined veins, which feature prominently in the furniture. Despite their differences, the works on display form a coherent whole. “Some sculptures came out of the furniture and vice versa”, Zanini de Zanine explains.

As they are made of wood from demolition sites, in many cases the designer exploited the original geometry of the pieces to create new works based on the original geometry and the way shapes fit together. Zanini de Zanine notes that “the works are solidly geometrical and many of the angles derive from the way the original pieces were cut and fitted. Some, for example, were columns and the angles are reflected in the new pieces.”

One novelty is the use, for the first time by this artist, of cylindrical wooden pieces which appear to bore through the furniture. “These are unusual pieces, different from anything I have done before, with holes, which I use experimentally for dowelling of the wooden planes”, the designer says.

The exhibition also contains some multiple pieces that form part of a “contemporary translation of present-day objects”, as Zanini puts it. One example is the wooden sculpture “Rivotril”, which alludes to the medication that is much in vogue these days.

ABOUT THE ARTIST

Zanini de Zanine was born in Rio de Janeiro in 1978 and grew up watching his father, José Zanine Caldas, work. He interned with Sergio Rodrigues, for whom he produced his first furniture. In 2002, he received a degree in Industrial Design from PUC-Rio.

Since 2003, he has been producing furniture in heavy wood, using timber from demolition sites—columns, beams and posts from old buildings—which he calls “Contemporary Carpentry”. As of 2005, he began a new line of industrially-produced furniture, using both controlled source wood and various other materials, such as plastic, methacrylate, metal, and parts of other industrial products. Zanini set up Studio Zanini in 2011 to promote this new line of furniture.

His furniture has received major awards in the field of Design, both in Brazil and around the world, and he has exhibited at prestigious national and international events. He now produces work for big national and international brands, such as Tolix in France, Cappellini, Slamp and Poltrona Frau in Italy, ESPASSO and others.

He was named Designer of the Year by Maison & Objet Americas 2015 and received recognition from the Philadelphia Museum of Art as one of the young contemporary designers who has contributed most to the field. Zanini de Zanine’s work is featured in museum collections in Europe, the United States and Brazil.

Posted by Patricia Canetti at 6:17 PM