Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 5, 2018

Cristina Canale na Nara Roesler, São Paulo

Desde a sua última exposição na Galeria Nara Roesler SP, Sem palavras, em 2011, uma das mais importantes pintoras contemporâneas brasileiras, egressa da conhecida Geração 80, começou a se interessar pelo universo feminino que, aos poucos, acabou tomando conta de sua produção. Geralmente baseadas em cenas do cotidiano, suas obras resultam de um elaborado trabalho de composição com massas de cor, destacando-se por transitar entre a figuração e a abstração, abrindo possibilidades para o imaginário subjetivo do espectador.

[scroll down for English version]

Nesta exposição - Cabeças/Falantes, Canale traz como eixo uma série de pinturas de cabeças femininas no formato clássico de portrait. Em torno desta narrativa, desdobram-se outras obras em que são representados fragmentos de figuras humanas, partes do corpo e gestos cotidianos. Descoladas de sua totalidade e isoladas, estas partes adquirem, uma outra dimensão.

Em contraponto ao conjunto formado por retratos e referências ao corpo
humano, a artista apresenta uma grande tela (2x3m) de uma cadeira solitária em uma paisagem abstrata. Segundo a pintora, trata-se de um objeto cotidiano que remete à feminilidade e faz lembrar as mulheres sentadas de Giacometti. “Tenho a impressão de que todas estas obras giram em torno da dicotomia entre presença e ausência", afirma Canale.

Cristina Canale, bem como os principais nomes de sua geração, surgiu no circuito de arte a partir de sua participação na emblemática coletiva Como vai você, Geração 80?, realizada na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV Parque Lage), Rio de Janeiro, em 1984. Como muitos de seus colegas, sua produção inicial denota a influência da nova pintura internacional, principalmente a tendência do neoexpressionismo alemão. Carregadas de elementos visuais e volume de tinta, suas primeiras pinturas apresentam um caráter matérico, distinguindo-se pelo uso intuitivo de cores contrastantes e vivas que é notável em suas obras até hoje. No começo da década de 1990, Canale mudou-se para a Alemanha, estudando em Düsseldorf sob orientação do artista conceitual holandês Jan Dibbets. Suas composições passam a adquirir espacialidade, com a sugestão de planos e profundidades, e maior fluidez no uso das cores.

A artista nasceu no Rio de Janeiro/RJ, Brasil, 1961, vive e trabalha em Berlim, Alemanha. Estudou desenho e pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV Parque Lage), Rio de Janeiro, no começo da década de 1980. Seu trabalho vem sendo apresentado em diversas exposições, no que se destacam as seguintes individuais: Cristina Canale: Zwischen den Welten, Kunstforum Markert Gruppe, Hamburgo, Alemanha (2015); Entremundos, Paço Imperial, Rio de Janeiro/RJ, Brasil (2014); Protagonista e Domingo, Instituto Figueiredo Ferraz (IFF), Ribeirão Preto/SP, Brasil (2013); Arredores e Rastros, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), Rio de Janeiro/RJ, Brasil (2010); e Cristina Canale, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo/SP, Brasil (2007). Participou da 6ª Bienal de Curitiba, Curitiba/PR, Brasil (2011), e da 21a Bienal Internacional de Arte de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil (1991), na qual recebeu o Prêmio Governador do Estado. Recebeu bolsa de artes do Estado de Brandenburg, realizando projeto artístico no Künstlerhaus Schloss Wiepersdorf (Castelo Wiepersdorf), Wiepersdorf (1993), e bolsa do Deutscher Akademischer Austauch Dienst (DAAD) [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico] para estudar na Staatliche Kunstakademie Düsseldorf, Düsseldorf (1993-1995), ambos na Alemanha. Possui obras em importantes coleções institucionais, como: Coleção Gilberto Chateaubriand – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), Rio de Janeiro/RJ, Brasil; Coleção João Sattamini – Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC-Niterói), Niterói/RJ, Brasil; Instituto Itaú Cultural, São Paulo/SP, Brasil; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), São Paulo/SP, Brasil; e Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil.


Galeria Nara Roesler | São Paulo presents Cabeças/Falantes [Heads/Tellers], solo exhibition by Cristina Canale, structured around an axis constituted by a series of paintings of female heads in classic portrait format. Around this narrative, other artworks unfold with representations of fragments of human figures, parts of the body and everyday gestures.

Removed from their wholes and isolated, these parts acquire another dimension. In recent years, Canale, who arose with the so- called Geração 80 [80s Generation] – has become interested in the female universe, which has been gradually taking over her production. Generally based on everyday scenes, her works result from an elaborate work of composition with masses of color, shifting between figuration and abstraction, opening possibilities for the spectator’s subjective imagination.

In counterpoint to the group of artworks formed by portraits and references to the human body, the artist presents a large (2 x 3 m) canvas of a chair sitting alone amidst the landscape. According to the painter, it is an everyday object that refers to femininity and recalls the seated women by Giacometti. “I have the impression that all of these works revolve around the dichotomy between presence and absence,” Canale observes.

Posted by Patricia Canetti at 6:06 PM