Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 3, 2018

Evandro Soares na Referência, Brasília

O artista visual radicado em Goiânia segue em sua investigação poética, distendendo os limites do desenho, da fotografia e da escultura

No dia 7 de novembro, quarta-feira, às 19h, a Referência Galeria de Arte inaugura a mostra Traço expandido, de Evandro Soares, com curadoria de Mario Gioia. Antes da abertura, o artista visual e o curador participam de uma conversa com o público sobre a mostra e os processos criativo e de produção e de uma visita orientada. A exposição fica em cartaz até o dia 30 de novembro, com visitação de segunda a sexta, das 12h às 19h, e sábado, das 10h às 15h. A Entrada é gratuita e a classificação indicativa é livre para todos os públicos. A Referência Galeria de Arte fica na 202 Norte Bloco B Loja 11 – Subsolo, Asa Norte, Brasília-DF. Telefone: (61) 3963-3501.

Esta é a primeira mostra individual do artista em Brasília. Em “Traço expandido”, Evandro Soares apresenta suas mais novas linhas de pesquisa em linguagem e materiais. Extrapolando os limites do papel, o artista apresenta os recentes trabalhos em fotografia sobre ACM – chapa metálica de alumínio composto -, além de desenho e esculturas com linhas de ferro. Para a mostra na Referência, o artista apresenta desenhos, fotografias e site specific.

As obras de Evandro Soares dialogam com processos construtivos que envolvem matemática, geometria e serralheria, dando origem a objetos escultóricos que saem das telas para se projetar no espaço. Com técnica apurada, Evandro Soares reúne em suas obras o conhecimento popular e questões da arte contemporânea. Sua longa trajetória com a serralheria (que confere à sua produção qualidade técnica irrepreensível) se junta às questões que surgem dos códigos construtivistas, minimalistas, do design e da arquitetura.

“Evandro Soares persiste em eleger o elemento-linha como o vetor poético mais vigoroso de sua produção, mas o desenho se traveste agora de outras linguagens”, afirma o curador da mostra Mario Gioia. A produção deixa as páginas em branco e o grafite de seu caderno de artista para se materializar em objeto/instalação, site specific e fotográfico. O desenho, continua Mario, muito presente na produção contemporânea. Mario lembra que na 33ª Bienal de São Paulo, que acontece até 7 de dezembro, as obras Dibujo sin papel (1986), de Gego (1912-1994), e a linha contínua em animação de ,,Betweenness” (2018), de Oliver Laric, são exemplos mais claros de sua importância nas artes visuais.

Formal e simbólico

Na mostra que apresenta na Referência, Evandro dá continuidade a experimentos iniciados no final do ano passado, com a série em que parte de uma base fotográfica – retratando edificações contemporâneas já finalizadas ou sendo erigidas – para construir objetos escultóricos com uma linha predominante de metal que invade o espaço. Do ponto de vista formal, a série é relevante por avançar na investigação visual “nessa zona hibrida e não linear entre distintos suportes”.

Mario afirma que no campo simbólico vale ressaltar a base fotográfica das obras. Ela apresenta uma arquitetura de arranha-céus comum a todas as cidades, onde há uma congestão verticalizada de prédios indistintos entre si, ao que o arquiteto e teórico holandês Rem koolhaas chamou de “cidade genérica”. Quando apresentada em uma cidade como Brasília, “as configurações jogam com outros vetores, como o fracasso da arquitetura de traços modernistas, como índice de agrupamentos urbanos mais organizados e, por que não, de conceitos mais utópicos; as novas edificações quase a totemizar as paisagens predominantemente horizontais do cerrado e de planificações urbanas mais próximas da escala humana; a agressividade e violência advinda dessa estandardização distante de parâmetros de urbanismos mais generosos”, completa o curador.

Conversa e percurso

No dia 7 de novembro, às 17h, artista e curador participam de um encontro com o público interessando em conhecer os processos criativo e de produção de Evandro Soares. O curador acompanhará o a conversa que será seguida de uma visita orientada à mostra. A entrada é gratuita e livre para todos os públicos.

Sobre o artista

De Mundo Novo (BA), Evandro Soares vive e trabalha em Goiânia (GO). Com dois livros já publicados, e obras no acervo do Museu do MAR do Rio de Janeiro, no Centro Cultural da UFG em Goiânia, e no MUnA em Uberlândia constam em seu currículo uma exposição individual internacional na Galeria Trema em Lisboa. Duas individuais institucionais no Museu de Arte e Palácio da Cultura, ambos em Goiânia, e um Solo Show na feira Art Rio. Além de participação em feiras internacionais em Londres, Madrid e Lisboa, se destacam exposições coletivas institucionais no Centro Dragão do Mar em Fortaleza, a TRIO Bienal no Rio, e o MARP em Ribeirão Preto. Entre as principais exposições e prêmios mais recentes, o artista realizou recentemente a mostra “Arquiteturas inventadas”, ArtHall, São Paulo (SP); participou da mostra coletiva “Fronteiras da pintura – Fronteiras da ilusão”, no Museu Correios Brasília (DF); realizou uma instalação a céu aberto no SESC Thermas, Presidente Prudente – SP, das mostras “Labirinto”, coletiva na Referência Galeria de Arte – DF, e da individual “Metadesenhos”, na galeria Trema, Lisboa (Portugal). Além disso, participou das exposições “Triangulações”, no Centro Cultual UFG (GO); Museu De Arte Da Bahia (Salvador); Dragão Do Mar – MAC Museu De Arte Contemporânea do Ceará – Fortaleza (CE); 6º Salão dos artistas sem galeria (SP). Em 2014, foi premiado no Situações Brasília Prêmio de Arte Contemporânea (DF); ARTIGO RIO Prêmio 2014 Solo Projects Acompanhamento Curatorial (RJ); Arte Londrina 3; 39º Salão de Arte de Ribeirão Preto (SP); LAB O Saber da Linha – exposição coletiva (SP); entre outros.

Sobre o curador

Curador independente, Mario Gioia é graduado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Integrou o grupo de críticos do Paço das Artes desde 2011, instituição na qual fez o acompanhamento crítico de Luz Vermelha (2015), de Fabio Flaks, Black Market (2012), de Paulo Almeida, e A Riscar (2011), de Daniela Seixas. Foi crítico convidado de 2013 a 2015 do Programa de Exposições do CCSP (Centro Cultural São Paulo) e fez, na mesma instituição, parte do grupo de críticos do Programa de Fotografia 2012. Em 2015, no CCSP, fez a curadoria de Ter lugar para ser, coletiva com 12 artistas sobre as relações entre arquitetura e artes visuais. Já fez a curadoria de exposições em cidades como Brasília (Decifrações, Espaço Ecco, 2014), Porto Alegre (Ao Sul, Paisagens, Bolsa de Arte, 2013), Salvador (Fragmentos de um discurso pictórico, Roberto Alban Galeria, 2017) e Rio de Janeiro (Arcádia, CGaleria, 2016), entre outras. Em 2016, a sua curadoria para a mostra Topofilias, no Margs (Museu de Arte do Rio Grande do Sul), em Porto Alegre, foi contemplada com o 10º Prêmio Açorianos, categoria desenho. É colaborador de periódicos de artes como Select e foi repórter e redator de artes visuais e arquitetura da Folha de S.Paulo de 2005 a 2009. De 2011 a 2016, coordenou o projeto Zip'Up, na Zipper Galeria, destinado à exibição de novos artistas e projetos inéditos. Na feira ArtLima 2017 (Peru), assinou a curadoria da seção especial CAP Brasil, intitulada Sul-Sur, e fez o texto crítico de Territórios Forjados (Sketch Galería, 2016), em Bogotá (Colômbia).

Posted by Patricia Canetti at 3:24 PM