Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 12, 2018

Monica Barki no Midrash, Rio de Janeiro

No dia 16 de outubro, terça-feira, às 19h30, a artista Monica Barki abre a exposição Bagagem, com curadoria de Frederico Dalton, no Centro Cultural Midrash. Composta por 19 colagens, 3 assemblages e uma pintura de grande formato, produzidas entre os anos de 1998 e 2004, a mostra incorpora ao conjunto, colagens inéditas produzidas em 2018.

Em “Bagagem”, Barki revisita a sua série ‘Colarobjeto’ e se apropria de fragmentos de memórias, recolhendo imagens de peles, bordados, colchas, sacolas, bolsinhas, carteiras, colares, novelos, fitas, cacos de cerâmica, brinquedos e toda sorte de objetos do cotidiano.

Como uma colecionadora de imagens, objetos, cores, formas, texturas e tramas, a artista cria um jogo de sobreposição e justaposição, reconstruindo seu pequeno-grande-mundo de modo peculiar e à maneira das vísceras de um organismo. “É uma espécie de trouxa que levo comigo. Carrego algumas relíquias, louça, roupa, cadernos de anotações, tapetes, resquícios de um bordado, livros, enfim, objetos originários da minha ‘tribo’... Quando estou trabalhando, vejo tudo isso fragmentado e as peças me implorando para serem atadas ... Sinto também um odor de mofo misturado a especiarias. Falo de um passado que me deixou marcas profundas”, explica a artista.

Nas palavras do curador e artista Frederico Dalton “Os fragmentos permanecem íntegros, resultando num todo que transcende sua soma. Filha das migrações, Monica Barki equipa-se para o futuro reconfigurando o passado”.

Sobre a artista

Graduada em Comunicação Visual e em Licenciatura em Artes Plásticas pela PUC-RIO. Entre 1970 e 1976 frequentou o Centro de Pesquisa de Arte, sob orientação de Ivan Serpa e Bruno Tausz. Na década de 1980, fez cursos de cerâmica, litografia e pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2009 e 2010 estudou Arte e Filosofia com Fernando Cocchiarale, no Rio.

Entre as principais exposições individuais estão: “Eu me declaro”, Paço Imperial (Rio de Janeiro, 2017), “Desejo”, Galeria TAC (Rio de Janeiro, 2014), “Arquivo sensível”, Museu Nacional de Belas Artes (Rio de Janeiro, 2011), “Colarobjeto”, Paço Imperial e Galeria Anna Maria Niemeyer (Rio de Janeiro, 2000) e “Pinturas”, Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro, 1992). Monica Barki também participou de diversas coletivas no Brasil e no exterior, entre elas, The Role of image, TerrArteGallery, Buckinghamshire (Londres, UK, 2016), Contemporary Brazilian Printmaking, International Print Center New York (Nova Iorque, 2014), Colarobjeto, Centro Cultural Recoleta (Buenos Aires), “Gravura em campo expandido”, Estação Pinacoteca (São Paulo, 2012), “Arte Brasileira Hoje”, Coleção Gilberto Chateaubriand, MAM-RJ (2005), 11ª Bienal Ibero-Americana de Arte (México,1998) e 21ª Bienal Internacional de São Paulo (1991).

Suas obras estão presentes em diversas coleções, entre elas MAM-RJ, MAM-SP, Itaú Cultural (São Paulo), IBM (São Paulo e Rio), Museu de Arte da Pampulha (Belo Horizonte) MAC-Niterói/RJ (coleção João Sattamini), Centro de Arte e Cultura Dragão do Mar (Fortaleza), Museus Castro Maya (Rio), e Museu de Arte Contemporânea do Paraná (Curitiba).

Posted by Patricia Canetti at 10:50 AM