Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 11, 2018

Daniel Jablonski na Janaina Torres, São Paulo

Contar a história de uma vida a partir dos objetos acumulados ao longo dos anos é o mote da exposição As Coisas, do artista Daniel Jablonski, que fica em cartaz de 17 de outubro a 15 de dezembro, na Galeria Janaína Torres, em São Paulo. O artista apresenta o resultado de uma longa pesquisa, iniciada em 2017, e parcialmente desenvolvida em residência de seis meses no Programa Pivô Pesquisa 2018, também em São Paulo. Com interlocução do curador Leonardo Araujo Beserra, a obra pretende reconstituir — de forma quase detetivesca — a cronologia dos 33 anos de vida do artista a partir de sua dimensão em aparência mais contingente: a de seus resíduos materiais.

Há tempos, Jablonski vem catalogando exaustivamente todos os seus pertences fora de uso, acumulados arbitrariamente desde seu nascimento até o presente dia. Os mais de 3000 itens vão desde roupas velhas à fotocópias de textos de faculdade, passando por objetos de cozinha, livros, catálogos, até fotografias de família e contas, recibos e boletos. Para além da esfera do consumo, esses objetos também servem como poderosos suportes narrativos. Preferências musicais são gravadas em fitas cassetes e filmes favoritos em VHS. Ideias são registradas em guardanapos, hábitos alimentares em listas de compras e amores em cartões postais. Alguns objetos, ao contrário, evocam a lembrança de quem os ofertou, como brinquedos, roupas, relógios, e até mesmo móveis. Outros trazem ainda nomes próprios impressos e atestam algo sobre eles, como cartas, e-mails, boletins escolares, contas de luz, laudos médicos e passaportes.

Ao repertoriar e tornar públicos quase todos os seus objetos pessoais, o artista aponta para outras possibilidades narrativas no domínio da expressão pessoal. Diferentemente do que acontece em boa parte das autobiografias, que partem das lembranças (e esquecimentos) dos seus autores, em As Coisas o artista utiliza-se dos objetos para forçar sua memória em direções radicalmente imprevistas. Trata-se de tentar compreender o que esses resíduos materiais obrigam a contar: onde estava ele quando comprou aquela camiseta? O que estava pensando enquanto lia aquele livro? Que tipo de criança foi ao jogar com aqueles carrinhos de brinquedo? Ao fazer a memória (e o esquecimento) passar pelo filtro do mundo exterior, a exposição propõe-se menos como o museu pessoal do artista e mais como um arquivo comum de uma geração compartilhada.

O caráter, em geral, trivial dos objetos repertoriados evidencia o caráter também trivial, e mesmo genérico, da vida do próprio artista. Esta nada tem de especial e surge aqui apenas como um “exemplo” para um jogo de identificação e diferença estabelecido pelos públicos: “eu tinha o mesmo álbum de figurinha”, ou “nunca fui a esse país”, etc. A possibilidade de transposição de um indivíduo à outro fica indicada no nome da exposição, a qual retoma o título de um romance do escritor francês Georges Perec, “As coisas: uma história dos anos sessenta”, de 1965. A própria ideia de se fazer uma listagem completa dos itens pessoais de um indivíduo foi tomada de um projeto (não-realizado) do próprio Perec, enunciado em um ensaio de 1977:

“Este pânico de perder meus rastros seguiu-se de uma fúria de conservar e classificar. Eu guardava tudo: as cartas com seus envelopes, ingressos de filmes, passagens aéreas, faturas, talões de cheques, prospectos, recibos, catálogos, convocatórias, jornais diários, canetas-marcadoras secas, isqueiros vazios e até mesmo boletos de contas de gás e eletricidade de um apartamento no qual já não vivia há mais de seis anos e, às vezes, passava um dia inteiro a triar e a triar, imaginando uma classificação que preencheria cada ano, cada mês, cada dia da minha vida”. (“Os lugares de um ardil” In Pensar / Classificar, 1985).

Ao tentar realizar um projeto alheio, As Coisas clarifica aos públicos que qualquer um poderia empreender o mesmo trabalho de memória. Mas, ao mesmo tempo expõe também as dificuldades de tal empreitada: por mais que queiramos organizar nossa vida, por princípio, não se pode eleger um único critério que permita fazê-lo.

A cada vez que escolhemos um novo critério, tudo muda. Para evidenciar isso, a exposição elenca e exibe simultaneamente três formas de organização, cada uma com suas virtudes e limites:

1 - Forma expositiva: todos os objetos físicos (mais de 3000) exibidos sobre estantes modulares, pastas arquivos, escaninhos, revisteiros, prateleiras e prendedores diversos, separados por ano, de 1985 a 2018.

2 - Forma indicativa: uUma extensa lista alfabética, correndo por duas paredes da galeria, com a descrição de todos os objetos apresentados, separados por categorias. Ex: Abridor de garrafas, Acordeom, Adesivo, Bandeira, Bilhete de ônibus, Boletim escolar, Cartão de embarque, Caderno, Caixa, etc.

3 - Forma enunciativa: um audioguia, presente na entrada da exposição, contendo 343 faixas de áudio, contendo breves narrativas que visam a reconstituição da vida do artista, ano a ano, a partir dos objetos arbitrariamente remanescentes. Estes serão elaborados pelo artista ao longo do período da exposição, e serão acrescentados à obra semanalmente.

Assumindo a forma expositiva de uma grande instalação imersiva, a obra remete ainda à forma e à função simbólica de um labirinto. Desde as mais antigas mitologias, estes funcionam como poderosas metáforas do sujeito: perder-se e encontrar-se ali é perder e encontrar a si mesmo.

Junto das múltiplas dimensões de acesso e disposição em As Coisas, Daniel Jablonski e Leonardo Araujo Beserra propõem, ao fim da exibição (15/12), uma conversa pública para o lançamento de uma publicação criada por meio de suas conversas. A brochura, escrita pelo curador e editada pelo artista, tenta contar a história de alguns objetos encontrados na exposição, comentando porém as biografias, factual ao mesmo tempo que ficcional, deles remontam seus contextos de criação e utilidade, para além de seus abandonando os usos e as apropriações feitas deles por Jablonski ao longos dos últimos 33 anos.

Já para o início da exposição, a interlocução dos agentes propõe outra camada interpretativa para os desejos de universalidade impressos em As Coisas. Araujo apresenta um conjunto de Censos sociológico-demográficos respondidos como sede fosse Jablonski, exclusivamente através de sua análise dos mais de 3000 objetos apresentados, sem fazer qualquer pergunta ao artista sobre sua trajetória de vida.

Posted by Patricia Canetti at 5:54 PM