Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise no blog:
Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 10, 2018

Helena Trindade no Tomie Ohtake, São Paulo

Como parte de uma preocupação constante com a produção contemporânea, o Instituto Tomie Ohtake traz a exposição A letra é a traça da letra, de Helena Trindade, formada por quatro instalações em grandes dimensões. O conjunto revela a particular potência poética construída pela artista a partir da letra, matéria seminal de sua obra. “A minha maneira, digo que a letra é um pré-texto para um jogo poético”, diz a artista. A exposição, com curadoria de Glória Ferreira, que esteve no Paço Imperial, Rio de Janeiro, de 21 de março a 27 de maio deste ano, evidencia como Trindade desdobra o alfabeto em diferentes narrativas e suportes, estabelecendo um amplo campo de Poesia Visual, traço comum na obra da artista, há mais de vinte anos.

As instalações, compostas por esculturas, vídeos, fotografias, objetos e performance no dia da abertura, reúnem cerca de 40 trabalhos, a maioria de 2018. Em cada instalação há elementos que remetem às demais, reafirmando o interesse da artista em trazer ao seu vocabulário plástico a inesgotável articulação da linguagem escrita. “Romper a forma linear da escrita, tratar a letra como vetor de significados, um contínuo trabalho de rearticulação, próprio ao funcionamento da linguagem, é o que, ao meu ver, Helena Trindade realiza em sua poética”, afirma a curadora.

Em (a)MURO, que abre a exposição, dois muros são (des)construídos a partir de estênceis de letras. Eles abordam, segundo a artista, aspectos do funcionamento da linguagem e evocam Lacan, que se refere a um “muro de linguagem que se opõe à fala”.

Remetem também ao neologismo lacaniano (a)mur, que conjuga as palavras “amor” e “muro”. Já (A)MOR, que destaca as letras A, M, O, R, relacionando-se, assim, à primeira sala, aborda diferentes aspectos do afeto amoroso por meio de vídeos (Afastamentos e díptico A-M-O-R, projetado no chão) e de uma escultura (Insular), construída com os recortes retirados do trabalho de outra instalação, A letra é a traça da letra..

MEDIDA DE TODAS AS COISAS reúne 22 objetos que evocam as várias referências que alimentam a obra da artista carioca. Do sofista grego Protágoras – “O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são” –, passando por Lacan, grande influenciador do pensamento da artista, pelo poeta catalão Joan Brossa, com o Poema a Brossa, por Heidegger, cujo livro A origem da obra de arte é retomado pela artista e impresso de modo a reproduzir a cada folha seu título, por Derrida com Poema a Derrida, até Carvaggio, Lygia Clark, entre outros.

Por sua vez, em A LETRA É A TRAÇA DA LETRA, instalação que dá nome à exposição, encontra-se um dicionário etimológico (origem das palavras), perfurado por Trindade, ao modo das traças, com pequenos tipos de máquina de escrever. Na mesma instalação, inventa o Alfabeto Traça, que não corresponde a nenhum outro conhecido, com teclas de máquinas de escrever. “Existe no movimento que gera a linguagem um trabalho perpétuo de rearticulação que problematiza a questão da origem, uma vez que nesse processo nada se produz que não seja pela transformação”, completa.

Sobre a artista

Desde 1994, Helena tem sido convidada a desenvolver projetos para algumas das mais prestigiosas instituições, sendo que entre as nacionais figuram: Paço Imperial, FUNARTE, Oi Futuro Centro de Arte e Tecnologia, Centro Cultural São Paulo, Centro de Arte Helio Oiticica, SESC, Casa de Cultura Laura Alvim, Museu da República e Espaço Cultural Sérgio Porto. Dentre as instituições internacionais onde Helena atuou figuram: City University of New York, École d’Art d’Avignon durante o Ano do Brasil na França, Universidade de Coimbra, University of Hawaii, Metrospace da Prefeitura de East Lansing - Michigan, Fundação Potuguesa das Comunicações de Lisboa e Art Radio da Universidade de Maryland. Helena conta ainda com participações na Agency of Unrealized Projects de Julieta Aranda e Hans Ulrich Obrist, na Plataforma digital da XII Documenta de Kassell e na Mostra Paralela Oficial da XXVI Bienal de São Paulo.

Sobre a curadora

Glória Ferreira já esteve no Instituto Tomie Ohtake como curadora de Arte como Questão - Anos 70, exposição justamente com forte presença da produção conceitual e com relações com a escrita e o texto, geração que constitui o horizonte ou a raiz de Helena Trindade. Doutora em História da Arte, professora colaboradora EBA/UFRJ, Ferreira é crítica de arte e curadora independente. Organizou diversos livros e co-organizou as coletâneas Clement Greenberg e o debate crítico, 1997e Escritos de artistas 1960/1970, 2006, ambos pela Jorge Zahar Editor; e Mário Pedrosa. Primary Documents, MoMA, 2015. Publicou Entrefalas, Zouk, 2011 e Glória Ferreira Fotografias de uma amadora, Nau Editora, 2016.

Posted by Patricia Canetti at 1:39 PM