Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise no blog:
Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 5, 2018

Pedro Caetano na Luciana Brito, São Paulo

A Luciana Brito Galeria tem o prazer de anunciar sua primeira exposição individual de Pedro Caetano (n. 1979, São Paulo), Aqui nowhere agora no where. Adição mais recente ao elenco de representações da Galeria, Pedro Caetano foi recebido com entusiasmo por críticos, curadores e colecionadores nas últimas edições das feiras Art Basel Miami Beach e SP-Arte, quando obras de sua autoria foram incluídas em coleções brasileiras e estrangeiras de renome. Com Aqui nowhere agora no where, composta exclusivamente por obras inéditas, a Luciana Brito Galeria pretende apresentar, em mais profundidade, a obra do artista ao público paulistano. A abertura acontece no sábado, 9 de junho, e a visitação segue até 18 de agosto.

Tendo já dirigido sua própria galeria e atuado também como curador, Pedro Caetano tem uma inserção multifacetada e entendimento abrangente no sistema da arte contemporânea, e sua produção artística denota essa complexidade. Em sua obra, Caetano se interessa pelas relações estabelecidas entre alta cultura e cultura popular, entre rigor formal e precariedade material, as quais ele mobiliza crítica e ironicamente. Apesar de trabalhar com diferentes linguagens e suportes, a pintura reside no centro de sua produção, e dela advém seu vocabulário, que depois se desdobra em outras técnicas. Suas pinturas são ricas e complexas, capazes de aliar uma linguagem visual lúdica a um tratamento rigoroso de cromatismo, gesto e movimento – características que também transparecem em seus objetos e instalações, que parecem surgir como desdobramentos tridimensionais de seu universo pictórico.

Dividida em dois momentos, Aqui nowhere agora no where irá incluir pinturas, escultura e ready-mades, refletindo simultaneamente a coesão de seu léxico visual e a versatilidade técnica do artista. Em comum, as obras contêm em si o gosto do artista pelo encontro irônico de elementos inusitados capaz de gerar novas leituras e significados. Mais que tudo, e como o título denota, as obras reunidas na exposição são profundamente calcadas em um comentário sobre o que é o mundo, e mais particularmente o Brasil, do aqui agora: uma sociedade onde o aspecto ritualístico de objetos carregados de valor simbólicos não se distingue mais da banalidade de linguagens virtuais; um Brasil às vésperas de mais uma Copa do Mundo, momento que inevitavelmente nos leva a pensar no que era o agora de quatro anos atrás e em tudo que mudou desde então.

Aqui nowhere agora no where nasce do embate, sempre desencontrado, entre realidade e expectativas, abordado pelo artista através de trabalhos multifacetados que conseguem refletir sobre questões específicas ao universo da arte contemporânea, seus códigos e linguagens, e ainda assim extravasar suas leituras para os referentes que estão no mundo.

Posted by Patricia Canetti at 4:42 PM