Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


julho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise no blog:
Arquivos:
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 4, 2018

Cá entre nós na Villa Aymoré, Rio de Janeiro

Cá entre nós é uma mostra de artes com algumas obras dos anos 90 e outras atuais de nove artistas cariocas com uma obra madura e reconhecida

A mostra Cá entre nós visa reunir um grupo de artistas exemplarmente representativo da arte carioca e de uma geração dos anos 90, que retoma a arte conceitual e ao minimalismo mas com um viés mais humanitário: expressivo, político, psicológico e experimental -- em retomada aos preceitos da arte dos anos 70. Assim como os Neoconcretos estavam para os Concretos, esse grupo se contrapôs à pintura expressiva dos anos 80s com uma arte sobretudo conceitual. E no caso de Márcia Thompson com uma pintura conceitual. A curadora Paula Terra realizou junto com Glória Ferreira uma grande mostra na Casa França-Brasil, Situações: Arte Brasileira anos 70, sobre essa produção conceitual e política, que foi agraciada com o prêmio de melhor mostra do ano pela crítica e tem o objetivo de preparar uma retrospectiva sobre o Visorama, grupo em que eles todos atuaram e alguns foram membro-fundadores quando eram residentes no Rio, no final dos anos 80, início dos 90s. Cá entre nós acontece no belíssimo espaço da Villa Aymoré, uma vila de casarios antigos restaurados na Glória, (onde tem o Jacarandá); e estará aberta a todos gratuitamente no mês de julho como parte da programação da Villa Aymoré e da Terra-Arte in Rio, incluindo vídeos, instalações, esculturas, fotografias, pinturas e objetos.

Os artistas de Cá entre nós trabalham e se relacionam como amigos desde os anos 80-90, quando ainda bem jovens aprendiam sobre a produção contemporânea de arte por meio de revistas estrangeiras em que fotografavam e faziam grupos de estudos analisando os slides trazidos por todos para as reuniões formais e casuais, numa atuação que durou de uns 3 a 4 anos. Eles todos não só são produtores de artes, mas também de conhecimento sobre arte, atuando como artistas pesquisadores, professores, editores de revistas, criadores de espaços, mostras, eventos, atuando como veículos de fomentação da arte contemporânea brasileira no Rio, no Brasil e no mundo.

Cá entre nós é isso -- uma mostra que tem esse caráter de pesquisa curatorial experimental que tem fundamentos históricos muito sólidos mas também uma pulsão de vida forte; que homenageia esse campo da produção de arte que se faz permeada por laços e afetos, por trocas existenciais ricas de sentido. As situações vividas na arte, na arte no Rio, na arte contemporânea, muitas vezes com muita precariedade de meios e recursos faz surgir em oposição uma arte potente, poderosa, impregnada de um sentido crítico, e de proposições: experimentais, sensoriais e intelectuais que sobrepujam assim a todos os limites que a realidade nos impõe. Mas que também quer mudar essa condição limitadora.

A realização da mostra só foi possível com a soma do esforço e apoio de espaço, galeria, artistas, arquitetos, designers, e todos os amigos cariocas trabalhadores da arte que querem atuar em parceria com a Terra-Arte para dar nos a ver essa riqueza de vida, experiências e ideias que a arte brasileira contemporânea vem oferecendo ao mundo.

A exposição tem a curadoria criteriosa da historiadora e pesquisadora Paula Terra-Neale que está com três mostras no Rio neste momento, as outras mostras estão no Paço Imperial e na Martha Pagy Escritório de Arte. Os projetos curatoriais da sua plataforma Terra-Arte, de fins não lucrativos, tem acontecido na Inglaterra: Londres, Oxfordshire e Buckinghamshire e no Rio de Janeiro, e está expandindo esse ano para Lisboa, além das redes sociais e online. Ano passado em 2017 a Terra-Arte realizou mostras com alguns desses artistas em Londres e Buckinghamshire (The Role of Image I and II), com quem ela trabalha desde os anos 90. (Vale a pena conferir pelo Instagram @terraartegallery e Facebook na página da Terra-Arte).

Dia 9 de julho, segunda-feira, às 17hs, teremos um bate papo de artistas, críticos e curadores incluindo Marisa Flórido e outros convidados.

Posted by Patricia Canetti at 10:06 AM