Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 22, 2018

Cristina de Pádula no Paço Imperial, Rio de Janeiro

No dia 28 de junho, será inaugurada no Paço Imperial a exposição aqui, não com obras recentes da artista visual Cristina de Pádula, que ocuparão duas salas do segundo andar do Paço Imperial. Como diz o curador da mostra Cezar Bartholomeu, “O título da instalação de Cristina de Pádula sugere uma enorme negatividade, o que é confirmado por certo esvaziamento centrípeto do lugar de exposição, mas sobretudo pelo negror do material de que faz uso para construir seus trabalhos, sejam eles desenhos, fotos, vídeos, objetos de cena, elementos construtivos do espaço ou mesmo acúmulos de seus restos quase sem forma.”

Na primeira sala o visitante irá se deparar com uma instalações com desenhos, dois vídeos e uma série com dez fotografias. A primeira obra, a instalação Desenho-círcular, o visitante poderá ver 700 desenhos amassados que demarcam um lugar de experiência errática da matéria acumulada. Como desdobramento desta obra, o vídeo Ao cabo de alguns segundos tudo recomeça, apresenta uma ação sem fim de buscar dentro dos desenhos, por algo que não sabemos o que possa ser.

Seguindo pela mesma sala série de fotografias Incidente-nichos apresenta registros de uma estante tombada com a matéria negra. Nestas fotografias dípticas há um jogo com a estrutura da estante que cria outros espaços de difícil comprreensão, senão esclarecidos pela presença, ao final da sala de exposição, do vídeo Incidente, no qual seu som invade parte da exposição junto às fotografias.

Na segunda sala da exposição o visitante encontra matéria de parafina negra, cerca de 700 quilos com a instalação aqui, não que ocupará uma área de 80 metros quadrados. Esta instalação com a parafina negra acumula restos de trabalhos que foram construídos e destruídos ao longo de mais de 20 anos de trabalho. Trata-se da mesma matéria sempre reutilizada, adquirindo distintas configurações e sentidos a cada novo trabalho.

Como diz a artista sobre sua instalação, “com a obra aqui, não, apresento um espaço difícil de estar. Deslocando-se pela sala, numa penumbra, o visitante encontrará cinzas e resíduos informes, índices de formas que outrora foram destruídas. A presença de duas escadas maciças de parafina negra não esclarece nada a respeito daqueles restos. Encontramos, ainda, placas quebradas pelo chão, na mesma escala que a das tábuas de madeira da sala expositiva, insinuando uma proximidade com o lugar onde estão, embora nos pareça difícil compreender a relação. Outras pequenas placas de parafina, em formato de tacos, remetem a um imaginário lugar, que não sabemos se existe ou existiu. Novamente, não há nenhuma narrativa que possa esclarecer a presença de tais fragmentos”.

Cristina de Pádula, Rio de Janeiro, 1972.
Artista visual. Atualmente é Doutoranda em Linguagens Visuais pelo Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desde 1995, trabalha produzindo instalações, desenhos, fotografias e vídeos a partir de uma mesma matéria de parafina negra. Participa de exposições coletivas, salões de arte e exposições individuais desde 1994. Em 2013 participou de uma residência artística em Munique na galeria Gedok. Em setembro deste ano tem ainda outra exposição individual agendada no Centro de Artes Hélio Oiticica, onde também apresentará outras obras inéditas.

Posted by Patricia Canetti at 11:36 AM