Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 17, 2018

Daniel Moreira e Leandro Gabriel no Palácio das Artes, Belo Horizonte

A Fundação Clóvis Salgado promove a exposição Sob o Céu Que Nos Protege, dos artistas Daniel Moreira e Leandro Gabriel, na PQNA Galeria do Palácio das Artes. A mostra retrata, de maneira poética, um recorte sobre a rotina dos moradores do Vale das Ocupações, no Barreiro, em que os sonhos de uma moradia digna se cruzam e se conectam pelo olhar de Daniel e Leandro. Ao longo de 45 dias, Daniel Moreira e Leandro Gabriel conviveram com os moradores das ocupações Eliana Silva, Camilo Torres, Irmã Dorothy, Nelson Mandela e Horta.

O resultado dessa imersão artística é um Site-específic. Uma obra criada especificamente para ocupar o espaço físico da galeria, que conta com fotografias dos moradores em situações corriqueiras capturadas em uma câmera analógica de grande formato. As imagens se apresentam ao público suspensas na galeria por entre um emaranhado de fios elétricos e leitores de água e energia.

De acordo com os artistas, o conceito de reunir fotografias, fios e leitores de energia e hidrômetros é uma forma de instigar o público a refletir sobre estruturas básicas e essenciais que faltam à população de baixa renda.

“Percebemos que há uma organização muito grande dessas pessoas nas ocupações. Apesar do grande esforço demandado por elas em manter a ocupação funcionando, deu para notar que há uma sensação de invisibilidade, como se elas não existissem perante o poder público. Além do registro e da memória que a exposição oferece, queremos despertar o interesse para a vida em cadeia que acontece por ali e as suas demandas como parte integrante de uma sociedade”, comenta Daniel Moreira.

Para Leandro Gabriel, é importante discutir a questão da ocupação urbana, mas, acima de tudo, é importante sabermos quem são as pessoas que ocupam esses espaços. “Penso ser uma questão de responsabilidade de todos. Por isso os cabos de energia e medidores de água e luz simbolizam o direito de todos aos serviços básicos. Estão lá para demostrar que só por meio da atenção da atenção de todos, os moradores serão respeitados e escutados, livrando-se, assim, dos preconceitos muitas vezes manifestados por outras ‘camadas sociais’”, destaca.

O contato dos artistas com as ocupações se deu por intervenção dos Padres Agostinianos, que atuam em parceria com o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB). Para Leonardo Péricles, morador da ocupação Eliana Silva e integrante da coordenação nacional do MLB, a presença dos artistas registrando a rotina das ocupações é uma forma de inserir os moradores em um universo que contemple a arte e a cultura.

“Essa questão da arte nos marca muito, porque nós temos tentado desenvolver atividades diferentes. A presença deles (Leandro e Daniel), além de ter representado uma experiência bastante rica para nós, estimula a comunidade a ver a arte e a cultura de forma mais constante e isso também inspira nossos moradores. Nós passamos a ver tudo o que a gente faz de maneira mais potente”. Leonardo complementa que um trabalho artístico pautado nas ocupações desperta o olhar das pessoas para o que acontece nesse ambiente. Para ele, os próprios moradores têm se organizado na busca de melhorias, transformando o espaço em uma grande comunidade.

“Muita coisa boa vem surgindo nestes territórios, desde um trabalho autogestionado em relação ao estado, parcerias fantásticas e inovadoras com acadêmicos progressistas, e na junção disto tudo, a construção de sistemas de esgoto, água, creche, horta, um projeto de parque de preservação ambiental, escola popular, segurança pública, até o reconhecimento por parte do poder público, depois de anos de pressão do MLB e dos moradores a conquista de ligação oficial de energia elétrica e saneamento básico”, finaliza.

O título da exposição é uma alusão ao filme O Céu Que Nos Protege (1990), de Bernardo Bertolucci. No drama, um casal nova-iorquino viaja para o continente africano logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Por lá, buscam encontrar um novo sentido para a vida e para o casamento, tendo, como única proteção, o céu, que sempre se faz presente, mesmo nos momentos de maior fragilidade humana.

Posted by Patricia Canetti at 10:17 AM