Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 13, 2018

Marcos Chaves na Nara Roesler, Rio de Janeiro

Marcos Chaves – artista que inaugurou em 2014 a sede carioca da Galeria Nara Roesler com a exposição Academia, que também esteve em cartaz de abril a junho deste ano no Parque Lage – traz desdobramentos inéditos de sua obra Eu só vendo a vista, apresentada no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, em 2017.

Como afirmam os curadores do museu carioca, Pablo León de la Barra e Raphael Fonseca, a exposição na galeria é uma apropriação daquele site specific, no qual o artista cobriu com adesivo preto as janelas do museu voltadas para a vista mais icônica do Rio de Janeiro e recortou a frase Eu só vendo a vista. Somente através do vazio de cada letra era possível alcançar a paisagem. A instalação partiu de outra obra do artista de 1996, em que a mesma frase estava inserida em um cartão postal do Pão de Açúcar. “Essa nova versão do trabalho potencializou uma camada de significado da frase que até então era subliminar: o tapar a vista, colocar uma venda na paisagem. Dessa forma, o expectador só a vê através do recorte das letras. Uma espécie de olho mágico, um peep-show”, diz o artista.

Na exposição em Sendo dado, Marcos Chaves se apropria fotograficamente de sua grande instalação do MAC-Niterói, em três narrativas distintas com cada letra da frase Eu só vendo a vista. Em uma das salas da galeria, as letras são apresentadas separadamente em fotos de grandes formatos dispostas sobre paredes negras. Em outro espaço, o trabalho que dá nome à exposição é uma homenagem do artista carioca a Marcel Duchamp, o mais célebre apropriador da história da arte, como destacam Pablo León de La Barra e Raphael Fonseca, autores do texto que acompanha a mostra.

Em uma composição de fotos menores, com as mesmas letras de sua instalação, Chaves escreve Étant donnés (Sendo dado), título da emblemática obra do artista francês, na qual só é possível avistar um corpo nu feminino com um fundo de paisagem através de dois buracos em uma porta de madeira. “É proposto, portanto, o encontro entre a instalação de Chaves e uma das mais célebres obras das artes visuais no século XX, o Étant donnés, apresentada ao público em 1969”, acrescentam Léon de la Barra e Fonseca.

Para completar seus experimentos, em um terceiro inédito trabalho, Chaves utilizando-se de um estereoscópio e um disco circular de slides, tecnologia analógica e contemporânea ao Étant donnés, convoca o público a acionar ativamente o seu corpo para ler cada letra que compõe “Só vendo”. “Só vendo (e lendo) para crer na força das imagens e das palavras”, ressaltam os curadores. Neste trabalho, que se aproxima de outra maneira da obra do artista francês, não é necessário incluir na sentença “a vista”, uma vez que a ela já está nos espaços de luz dentro das letras. “A frase “só vendo”, presta novamente homenagem à visão, esse sentido tão essencial à pesquisa de Chaves”, completam os curadores.

Marcos Chaves (n. 1961, Rio de Janeiro, Brasil) vive e trabalha no Rio de Janeiro. Iniciou sua carreira artística no início da década de 1980. Artista conceitual, Chaves trabalha com fotografia, vídeo, assemblage e instalações de grandes dimensões, transformando experiências cotidianas e materiais comumente ignorados em objetos artísticos. Com leveza e paródia, suas obras empregam o humor para ocultar uma sensibilidade trágica e poética. “O humor abre caminhos”, afirma. “Às vezes, você pode rir de algo, mas aquilo pode não ser tão engraçado assim. O humor pode nos fazer parar para pensar”. Chaves sobrepõe textos a fotos, registra suas próprias intervenções em fotografia e vídeo e instala objetos não-artísticos preexistentes em contextos artísticos, numa abordagem que lembra Marcel Duchamp. Em Academia, criou uma academia ao ar livre que habitantes do Rio de Janeiro podiam usar para se exercitar, com cimento, tubos de ferro, madeira e barras. O título é um trocadilho com a centralidade do samba e das academias no cotidiano dos cariocas. Suas individuais recentes incluem: (incluir academia no Pq Laje),ARBOLABOR (Centro de Arte de la Caja de Burgos, Espanha, 2015); Academia (Galeria Nara Roesler, Rio de Janeiro, Brasil, 2014); Narciso (Oi Futuro, Rio de Janeiro, Brasil, 2013); I only have eyes for you (Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro, Brasil, 2013); e Pieces (Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil, 2011). Participou da 1ª e da 5ª edições da Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (1997 e 2005), e da 25ª Bienal de São Paulo (2002), todas no Brasil; da 17ª Bienal de Cerveira, em Portugal (2013) e da 54ª Bienal de Veneza, Itália (2011), entre outras.

Posted by Patricia Canetti at 3:19 PM