Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


julho 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise no blog:
Arquivos:
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 2, 2017

Almandrade na Arte k2o, Brasília

Esta primeira mostra individual do artista Almandrade, representado pela galeria Gabinete de Arte k2o, reúne uma seleção do seu trabalho elaborado em mais de quatro décadas de utilização do objeto de arte para estimular o pensamento e provocar a reflexão, segundo critérios fundamentados na racionalidade, na materialidade e, não por acaso, na economia de dados, sem deixar que conceitos se sobreponham ao fazer artístico. O artista compromete-se com a pesquisa de linguagens artísticas que envolve artes plásticas, poesia e conceitos.

A mostra reúne obras em diversas linguagens e suportes como pinturas, desenhos, gravuras, instalação e poemas visuais, além de objetos e esculturas em grande dimensão para o espaço urbano. Dentre as esculturas algumas inéditas, realizadas a partir de maquetes dos anos 80 até agora nunca executadas em grande formato no qual foram concebidas.

Em seu percurso, destaca-se a passagem pelo concretismo e pela arte conceitual, nos anos 70, o que contribuiu fortemente com a incessante busca de uma linguagem singular, limpa, de vocabulário gráfico sintético. Seu trabalho sempre se diferenciou da arte produzida na Bahia, aproximando-se mais do Neo Concreto e da Poesia Visual na herança de Lygia Pape e Hélio Oiticica, entre outros.

Sua obra, tanto pictórica, quanto linguística, se impõe como um lugar de reflexão, solitário e à margem do cenário cultural brasileiro. Após ensaios figurativos, no início da década de 70, sua pesquisa plástica se direcionou para o concretismo e a arte conceitual. Como poeta, mantém contato com a poesia concreta e o poema/processo, produzindo poemas visuais. É um dos principais nomes da poesia visual e experimental no Brasil. Desenhos em preto-e-branco, objetos e projetos de instalações, essencialmente cerebrais, calcados de modo primoroso de tratar questões práticas e conceituais, marcam a produção do artista na segunda metade da década de 70. Redescobre a cor nos anos 80, quando suas obras - sejam pinturas ou objetos e esculturas -, ganham uma dimensão lúdica, sem perder a coerência e a capacidade de divertir com inteligência.

É um escultor que trabalha com a cor e com o espaço e um pintor que medita sobre a forma, o traço e a cor no plano da tela. A arte de Almandrade dialoga com certas referências da modernidade, transita entre o construtivo, a arte conceitual e a poesia visual, mantendo uma coerência com os diversos suportes até a palavra e reinventando novas leituras.

Como dizia Décio Pignatari “Almandrade capricha nas miniaturas de suas criaturas, cuja nudez implica mudez, límpido limpamento do olho artístico, já cansado da fantástica história da arte deste século interminável, deste milênio infinito.” (1995). Século que já é passado. A coerência e o rigor do artista em lidar com diferentes suportes, incluindo a palavra (poesia), fazem de Almandrade, um pensador que se utiliza desses suportes para produzir reflexões.

Que ninguém duvide: a economia de elementos e de dados não se dá por acaso, é uma opção estética, inteiramente coerente com sua tendência à síntese, ao traço essencial, ao quase vestígio. Um nada, cuja gênese reside na totalidade absoluta. Assim também é sua poesia. Wilson Rocha, em 2000 já indicava que “Simplificar as formas e geometrizar a vida parece ser a vontade de Almandrade, artista dos mais representativos para a arte contextual da Bahia no momento. Suas investigações apontam para a epistemologia da construtividade, onde as formas geram um saber, uma arquitetura de signos ou um poder de experimentação. A apreensão do espaço é uma instância e também uma educação, demonstram uma intencionalidade e fundamenta no encontro linha/espaço determinações lógicas, geométricas, representações e imagéticas. Ele acredita que uma obra se constitui da relação desses elementos com o espaço e o observador”.

Almandrade, artista plástico, arquiteto, mestre em desenho urbano e poeta. Participou de várias mostras coletivas, entre elas: XII, XIII e XVI Bienal de São Paulo; "Em Busca da Essência" - mostra especial da XIX Bienal de São Paulo; IV Salão Nacional; Universo do Futebol (MAM/Rio); Feira Nacional (S.Paulo); II Salão Paulista, I Exposição Internacional de Escultura Efêmeras (Fortaleza); I Salão Baiano; II Salão Nacional; Menção honrosa no I Salão Estudantil em 1972. Integrou coletivas de poemas visuais, multimeios e projetos de instalações no Brasil e exterior. Um dos criadores do Grupo de Estudos de Linguagem da Bahia que editou a revista "Semiótica" em 1974. Realizou cerca de vinte exposições individuais em Salvador, Recife, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo entre 1975 e 1997; escreveu em vários jornais e revistas especializados sobre arte, arquitetura e urbanismo. Prêmios nos concursos de projetos para obras de artes plásticas do Museu de Arte Moderna da Bahia, 1981/82. Prêmio Fundarte no XXXIX Salão de Artes Plásticas de Pernambuco em 1986. Editou os livretos de poesias e/ou trabalhos visuais: "O Sacrifício do Sentido", "Obscuridades do Riso", "Poemas", "Suor Noturno" e Arquitetura de Algodão". Prêmio Copene de cultura e arte, 1997. Tem trabalhos em vários acervos particulares e públicos, como: Museu de Arte Moderna da Bahia, Museu Nacional de Belas Artes, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte do Rio de Janeiro, Museu de Arte do Rio Grande do Sul, Museu de Arte Moderna de Recife e Pinacoteca Municipal de São Paulo.

Posted by Patricia Canetti at 9:31 PM