Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


setembro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

setembro 2, 2016

Stuart Brisley na Jaqueline Martins, São Paulo

Em novo endereço, Galeria Jaqueline Martins abre primeira individual do britânico Stuart Brisley

​Com projeto arquitetônico​ ​do Tacoa, dos sócios Fernando Falcon e Rodrigo Cerviño​ (Pavilhão Adriana Varejão, no Instituto Inhotim​), a partir do dia 2 de setembro, o público poderá conhecer a nova sede, agora no centro da cidade, ​cinco vezes maior, com opening expandido até domingo (4), em clima de Bienal

Imagine um elefante no meio de uma sala e todos passando sem prestar atenção nele. É essa a ideia central da instalação que o artista britânico Stuart Brisley (1933) irá montar pela primeira vez no Brasil, na Galeria Jaqueline Martins, a partir de 2 de Setembro. “A origem é de uma frase em inglês [elephant in the room] que significa um grande problema ou questão controversa que é obviamente presente, mas evitada. É o que todo mundo sabe, mas ninguém fala”, explica Maya Balcioglu, que acompanha Stuart e é responsável pela documentação das suas performances.

Stuart Brisley, que ganhou notoriedade em 1972 por entrar em uma banheira de água putrefata e ali permanecer durante duas semanas, fará, sob medida para a galeria, uma peça em grande escala, semelhante a uma jaula, que norteará Interregnum. A obra faz conexão com o que ele apresentou na Bienal de São Paulo de 1985. A diferença é que naquela ocasião as pessoas podiam atravessar a peça e quase que tocar em coisas que não queriam tocar. “Stuart trabalha muito com essa ideia do que é jogado fora sem necessariamente ser lixo”, explica o português João Laia, curador da mostra.

Dessa vez, a instalação não permitirá a passagem dos visitantes. “Não será possível entrar, apenas circular ao redor”, explica João. “Stuart discute a redefinição do espaço e a forma como as pessoas interagem com ele. Essa reconfiguração é que vai ativar o trabalho e fazer refletir sobre o fato das pessoas não estarem aprisionadas no interior do trabalho, mas sim desde o exterior por não poderem entrar”, completa.

Pelo viés político, sempre presente nos trabalhos do artista, a discussão se dá pela suspensão que a obra propõe. “A pergunta é: Vai confrontar ou não vai? Senão, o que vai acontecer? Pode ser vista como um eco do que se passa aqui no Brasil. Um país em suspensão. A participação da população ou a sua ausência no que está acontecendo terá consequências muito importantes”, diz João.

“Stuart Brisley participou da Bienal e, somente em 2015, 30 anos depois, numa exposição coletiva. Acredito na imensa responsabilidade que é concretizar na galeria a primeira exposição individual de Brisley no Brasil. Isso expandirá o conhecimento de sua obra além da performance, mídia a qual ele é geralmente conhecido por dominar desde os anos 1960, nominado como o ´pai da performance´ por muitos. O tom crítico de sua obra, tanto político, quanto social, cabe como uma mensagem subliminar ao sistema dominante, o que eu acredito pode provocar o público no momento atual do nosso país", afirma Jaqueline Martins, idealizadora da exposição, que terá ainda publicações, livros, dois vídeos Next Door (the missing text) e Before the Mast e uma série de fotografias de obras do artista.

Sobre a nova sede

Com o objetivo de expandir o acervo de mais de 1.000 obras, entre documentos, publicações, fotografias e instalações, a galeria Jaqueline Martins anuncia a mudança para a Vila Buarque (região central da cidade), o prédio originalmente construído para um armazém industrial nos anos 40 conta com 600m e vai nos permitir abrigar exposições mais ambiciosas.

“Literalmente as ideias não cabiam mais nas gavetas’’. Sentimos que é momento de renovação do espaço expositivo e de acesso do nosso público. O prédio e a sua localização vêm de encontro com a nossa concepção do ‘não obvio’. Um projeto ousado e surpreendente baseado no percurso desenvolvido nos últimos cinco anos de atividade”, completa Jaqueline.

​​​O projeto arquitetônico é do Tacoa, dos sócios Fernando Falcon e Rodrigo Cerviño, os mesmos do Pavilhão de Adriana Varejão, no Instituto Inhotim. A mudança acontece ainda em agosto, à rua Dr. Cesário Mota Júnior, 443​.​​

Posted by Patricia Canetti at 4:10 PM