Página inicial

Arte em Circulação

 


setembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

janeiro 18, 2017

Alair Gomes por Luciana Muniz

“Meus grandes casos de amor começaram com uma visão", Alair Gomes

Alair Gomes [Valença, Rio de Janeiro, 1921] graduou-se em Engenharia em 1944. A partir de 1948 se dedicou ao estudo da Física, Matemática, Lógica e Biologia. Em 1958 começou a lecionar no Instituto de Biofísica da Universidade do Brasil, atual UFRJ. Ganhou uma Bolsa Guggenheim de Filosofia e foi morar nos EUA entre 1962 e 1963.

Alair Gomes - Percursos, Caixa Cultural Rio de Janeiro, RJ - 14/12/2016 a 19/02/2017

[scroll down for English version]

O desejo homoerótico se revelou na adolescência, quando experimentou suas primeiras idealizações afetivas do corpo masculino.

Data de 1954 seu primeiro Diário Erótico, uma minuciosa descrição de cada encontro amoroso, suas paixões, amores e anseios. A escritura íntima transcorreu por toda a sua vida e resultou em mais de 10.000 folhas.

A paixão pela fotografia começou em 1965, quando viajou pela Europa por seis meses e fotografou compulsivamente, esculturas e pinturas, com ênfase no nu masculino. A passagem da escrita íntima para o registro fotográfico, segundo ele, se deveu a necessidade de “fazer um registro de meus grandes envolvimentos amorosos (…) e de minha inconformidade com a passagem, no tempo, do que no tempo surge e se dá como muito precioso.”

As composições fotográficas sequenciais pontuaram outras obras, como Symphony of Erotic Icons, sua principal série, e Beach, com mais de 2.000 imagens, da qual fazem parte: Sonatinas, four feet, Beach Tripychs e Friezes.

Outros conjuntos se destacam em sua obra. A série Carnaval, realizada entre 1967 e 1980, composta por 1.065 imagens; a Glimpses of América, composta por 1.527 fotografias, realizada em viagem pelos EUA nos anos 1975 e 1976.

No final da década de 70, até meados dos anos 80, intensificou sua atuação no campo da crítica de arte, ministrou palestras e cursos sobre fotografia e história da arte contemporânea na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, na Oficina de Escultura e Gravura do Ingá e no Museu de Arte Moderna do Rio.

Alair Gomes morreu em agosto de 1992.

Luciana Muniz
Curadora da Coleção Alair Gomes/Fundação Biblioteca Nacional/Rio de Janeiro


“My great love affairs began with a vision”. Alair Gomes

Alair Gomes [Valença, Rio de Janeiro, 1921] graduated in engineering in 1944. In 1948 he dedicated himself to research in physics, mathematics, logic, and biology. In 1958 he started teaching at the Biophysics Institute of Universidade do Brasil, currently UFRJ. He was granted a Guggenheim Fellowship in philosophy and lived in the USA between 1962 to 1963.

Alair Gomes - Percursos, Caixa Cultural Rio de Janeiro, RJ - 14/12/2016 til 19/02/2017

The homoerotic desire manifested in his adolescence, when he experienced his first affective ideals of the male body.

His initial Erotic Diary writings date back to 1954, disclosing a detailed description of each one of his rendezvous, of his passions, loves, and lusts. This type of inti- mate chronicling went on for all his life, resulting in more than 10 thousand pages.

His passion for photography began in 1965, when he spent six months traveling through Europe he began to compulsively taking shots of sculptures and paintings, with emphasis on the representation of the male nude.

He turned from his intimate writings to photography as a response to his need to “leave behind a registry of my great love affairs (…) due to my non conformity with the passing of time, of things that rise along with time itself and results in something of utmost preciousness.”

The sequential photographic compositions set the tone for his other works, such as Symphony of Erotic Icons and Beach, with over 2,000 images, encompassing: Sonatinas, four feet, Beach Triptychs, and Friezes.

Other highlighted series in his work include Carnaval, created between 1967 and 1980 and Glimpses of America, taken during a trip to de USA between 1975 and 1976. Towards the end of the ‘70s until mid-’80s, he intensified his contribution as an art critic, having lectured about and taught photography and contemporary art history at School of Visual Arts at Parque Lage, the Sculpture and Engraving Workshop of Ingá and the Museum of Modern Art in Rio de Janeiro. Alair Gomes died in August 1992.

Luciana Muniz
Curator of Alair Gomes Collection/Fundação Biblioteca Nacional/Rio de Janeiro

Posted by Patricia Canetti at 3:49 PM