Página inicial

Arte em Circulação

 


fevereiro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29          
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

janeiro 18, 2016

Vamos comer as coisas do mundo por Lucia Avancini

Vamos comer as coisas do mundo

LÚCIA AVANCINI

Comer o mundo é apoderar-se dele. Comer o mundo é provocar, é recusar a imobilidade. O mundo se desfaz, esvai-se diante da nossa gula. Gula dos que têm pressa, dos que clamam por mudança, dos que querem revirar, sacudir, explodir. Uma explosão para exterminar a imobilidade. Um grito de angústia contra o horror civilizatório. Um pedido de socorro, um grito de alerta.

Somos todos coisas do mundo. Comer o mundo é estar disponível para ser coisificado, tocar e ser tocado, se tornar objeto ativo ou passivo desse ato. É estar preparado para abaporuar e ser abaporuado pelo o mundo. Um gesto antropófago para expulsar as incertezas, sacudir as certezas e criar novos desequilíbrios.

Nessa aventura proposta, o artista despe-se de seus medos e tabus para, em um processo libertário, tornar-se o fio condutor da sua percepção, consciente ou inconsciente, da realidade que o cerca. A proposta de abocanhar algo ou mesmo a si próprio oferece ao artista a totalidade das coisas. Tudo é possível. A ele compete decidir. A ele é dado o absoluto.

No mundo contemporâneo, o acontecimento da onipresença virtual estimula a gula pelo mundo. A arte é a boca que engole e vomita o mundo.

Para Heidegger o poder da arte está no estranhamento com o estabelecido. No desvelamento da verdade sem necessidade de adequação com o seu entorno.

A arte abala o mundo. Vamos abalar o mundo.

Dezesseis artistas convidados. Diferentes linguagens, materiais e suportes – fotografia, arte digital, desenho, objeto, vídeo arte, intervenção sonora. Uma mostra para pensar.

Vamos comer as coisas do mundo.

Posted by Patricia Canetti at 2:45 PM